Palestra Itália 0x0 Atlético-MG - 02/12/1934

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Revisão de 10h31min de 28 de junho de 2017 por Botazul (discussão | contribs) (Preparando para indexar)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa


Confrontos
Por temporada
Escudo Palestra Itália.png 0x3 Escudo Villa Nova-MG.png Gol aos  do Escudo Palestra Itália.png 5x2 Escudo Sete de Setembro.png
Por Amistosos
Escudo América-RJ.png 4x1 Escudo Cruzeiro.png Gol aos  do Escudo Palestra Itália.png 5x2 Escudo Sete de Setembro.png
No estádio Barro Preto
Escudo Palestra Itália.png 0x3 Escudo Villa Nova-MG.png Gol aos  do Escudo Palestra Itália.png 5x2 Escudo Sete de Setembro.png
Contra Atlético-MG
Escudo Atlético-MG.png 2x0 Escudo Palestra Itália.png Gol aos  do Escudo Palestra Itália.png 2x2 Escudo Atlético-MG.png

[edit]

Escudo Palestra Itália.png
Palestra Itália
0 × 0 Escudo Atlético-MG.png
Atlético-MG
Amistoso
Data: 2 de dezembro de 2010 Local: Belo Horizonte, MG
Horário: Não disponível Estádio: Barro Preto
Árbitro: Público pagante: Não disponível
Assistente 1: Público presente: Não disponível
Assistente 2: Renda: Não informado
Súmula: Não disponível
Escalações
Palestra Itália: Atlético-MG:
1. Geraldo I 1. Armando
2. Raul 2. Tião
3. Caieira 3. Ewando
4. Souza 4. Tito
5. Ferreira 5. Lola
6. Mundico 6. Mário Gomes
7. Pantuzzo 7. Lello
8. Orlando 8. Paulista
9. Zezé 9. Guará
10. Bengala 10. Bitola
11. Calixto 11. Dário
Técnico: Matturi Fabbi Técnico: Floriano Peixoto
Reservas que não entraram na partida
Palestra Itália: Atlético-MG:

Sobre o jogo

  • Em 2 de dezembro de 1934, Cruzeiro e Atlético marcaram um amistoso no Barro Preto. Antes do início da partida, uma chuva forte deixou o campo alagado e impraticável para o futebol. Por causa do grande público que compareceu ao estádio, os clubes decidiram fazer um jogo de 55 minutos de duração. Estranhamente, o árbitro José Pedro Rizzo (ex-jogador do Cruzeiro) anulou um gol marcado por Carlos Alberto (Cruzeiro) e outro de Lola (Atlético), alegando que as poças d’água haviam atrapalhado os goleiros. No dia seguinte, os dirigentes de ambos os clubes admitiram, publicamente, que orientaram o árbitro a anular gols de qualquer natureza.

Fontes

  • Almanaque do Cruzeiro