Mudanças entre as edições de "Aymoré Moreira"

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
(→‎História: update)
 
m (Substituição de texto - "<small>" por "")
 
(2 revisões intermediárias pelo mesmo usuário não estão sendo mostradas)
Linha 1: Linha 1:
{{StatsTreinadorAutomatico
{{Info/Treinador
|img_treinador =
|img_treinador =
|tecnico = {{PAGENAME}}
|tecnico = {{PAGENAME}}
|nome = Aymoré Moreira
|nome = Aymoré Moreira
|tecnico_anterior0 = <small>1977</small> [[Yustrich]]
|tecnico_anterior0 = 1977 [[Yustrich]]
|tecnico_posterior0 = [[Zé Duarte]] <small>1978</small>
|tecnico_posterior0 = [[Zé Duarte]] 1978
}}
}}



Edição atual tal como às 09h16min de 11 de agosto de 2021

[edit]

Icone-Treinador.png
Aymoré Moreira
Números totais
Número de jogos 15
Vitórias 6
Empates 5
Derrotas 4
Gols pró 27 (média: 1.8 )
Gols contra 24 (média: 1.6 )
Aprov. em pontos 51,11%
Aprov. de vitórias 40,00%
Último jogo considerado
Uberaba Escudo Uberaba.png 1x2 Escudo Cruzeiro BH.png Cruzeiro - 07/03/1978
Substituiu Foi substituido por

1977 Yustrich Zé Duarte 1978

História[editar]

O treinador Aymore Moreira foi contratado, em 21 de novembro de 1977, para substituir Yustrich, que havia deixado a direção do time em plena disputa do Campeonato Brasileiro. Apesar do passado de campeão mundial de 1962 como treinador da Seleção Brasileira e de ser irmão de dois treinadores campeões pelo Cruzeiro - Airton, campeão Brasileiro de 1966 e Zezé, campeão sul-americano de 1976, Aymoré chegou desacreditado. Sua contratação foi muito criticada por ser velho demais, 65 anos. A palavra de ordem no clube era “renovação” e muitos a desejavam que fosse implementada no plantel e também na diretoria: Felício Brandi seguia como presidente há 17 anos!

A diretoria do Cruzeiro encontrou uma forma de dissimular o “contrato-tampão” de Aymoré. O treinador continuou vinculado a Ferroviária de Araraquara. Tinha contrato até março de 1978. Caso seu trabalho fosse aprovado e houvesse interesse em sua permanência, a renovação do compromisso seria feita de clube para clube, como se Aymoré fosse um jogador emprestado.

Aymoré chegou cauteloso e adiantou que não seria um “salvador da pátria”; “apenas mais um treinador do clube”. Sinalizou uma trégua com a imprensa que andou se estranhando com o antecessor Yustrich dizendo “que sua norma de trabalho seria o diálogo franco, mas que não admitiria indisciplina no plantel”. Fez mimos a imprensa ao prometer acatar sugestões que partissem dela para escalar o time ou armar esquemas de jogo.

Ao contrário do irmão Zezé, seu temperamento era mais dócil e era transigente com os cartolas. Era um dos discípulos do treinador Isidor Dori Krueshner, o treinador que revolucionou o futebol brasileiro nos anos 1930, e se diferenciava dos demais treinadores de sua geração pela recriação de jogadas e por transformar suas equipes nos intervalos dos jogos.

Sua prioridade era dar conjunto ao time do Cruzeiro. “O futebol brasileiro atual não tem craques, como havia tempo atrás. Por isso precisamos trabalhar o conjunto e impor nosso jogo” - observava. No entanto, Aymoré teve o mesmo problema dos treinadores anteriores: um plantel inchado com 40 atletas! Não havia lugar para todo mundo no time, o que gerava um clima de insatisfação. Muitos queriam deixar o Cruzeiro pra poder mostrar seu futebol em outro clube, mas estavam presos pela “lei do passe” que ainda vigorava no futebol brasileiro. E o presidente Felício Brandi não pretendia liberar tantos jogadores sem que houvesse uma compensação financeira.

A estreia de Aymoré foi pela última rodada da primeira fase: vitória por 3 a 1 sobre o Botafogo-SP. Não conseguiu dar o padrão competitivo ao time como pretendia. A eliminação veio na terceira fase e a imprensa passou a especular a vinda de outro treinador. Assim que o fim do seu "inusitado" vínculo de empréstimo se aproximou, deixou o cargo, em 9 de março de 1978. Seu último jogo foi o amistoso contra o Uberaba, em 7 de março de 1978, no Uberabão: vitória por 2 a 1. Saiu do clube fazendo as mesmas observações críticas do antecessor Yustrich e alertou: “o Cruzeiro está no caminho errado”. Sua decisão havia sido tomada antes dos amistosos ao nordeste, quando alguns titulares (Raul, Darci, Vanderlei, Eduardo, Joãozinho e Nelinho) se recusaram a viajar. "Não tinha ambiente para trabalhar, meus métodos desagradaram determinados jogadores e parte da diretoria", explicou.

Aymoré faleceu de falência múltipla de órgãos, aos 86 anos, em Salvador. [1]

Estatísticas ano a ano[editar]

Temporada Jogos Vitórias Empates Derrotas Aprov. Gols pró Gols contra Saldo Cartão Cartão amarelo recebido aos Cartão Cartão vermelho recebido aos
1977 10 3 4 3 43,33% 18 (méd: 1.8) 19 (méd: 1.9) -1 0 0
1978 5 3 1 1 66,67% 9 (méd: 1.8) 5 (méd: 1) 4 0 0

Confrontos como técnico adversário[editar]

Enfrentou o Cruzeiro 10 vezes: 2 V, 3 E, 5 D

Jogos[editar]

  1. Cruzeiro 3x1 São Cristóvão - 03/07/1951 - (Barro Preto / Belo Horizonte) - Amistosos 1951
  2. Cruzeiro 1x1 Portuguesa - 26/01/1964 - (Alameda / Belo Horizonte) - Amistosos 1964
  3. Cruzeiro 3x2 Palmeiras - 22/01/1967 - (Mineirão / Belo Horizonte) -, Amistosos 1967
  4. Palmeiras 3x2 Cruzeiro - 02/04/1967 - (Pacaembu / São Paulo) - Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1967
  5. Cruzeiro 3x1 Corinthians - 09/10/1968 - (Mineirão / Belo Horizonte) - Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1968
  6. Cruzeiro 1x1 Portuguesa - 21/09/1969 - (Mineirão / Belo Horizonte) - Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1969
  7. Corinthians 1x1 Cruzeiro - 08/10/1970 - (Allianz Parque / São Paulo) - Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1970
  8. Vitória 2x4 Cruzeiro - 14/10/1979 - (Fonte Nova / Salvador) - Copa Brasil 1979
  9. Cruzeiro 2x0 Bahia - 24/01/1982 - (Mineirão / Belo Horizonte) - Taça de Ouro 1982
  10. Bahia 3x0 Cruzeiro - 03/02/1982 - (Fonte Nova / Salvador) - Taça de Ouro 1982

Referências[editar]