Yustrich

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para: navegação, pesquisa

[edit]

Sem imagem
Números totais
Número de jogos 98
Vitórias 50
Empates 36
Derrotas 11
Gols pró 146
Gols contra 61
Aproveitamento em pontos 63,27%
Aproveitamento de vitórias 51,02%
Último jogo considerado
Atlético-MG 2x1 Cruzeiro - 05/12/1982
Substituiu Foi substituido por

1972 Orlando Fantoni Ílton Chaves 1972
1977 Zezé Moreira Aymoré Moreira 1977
1982 Brito Orlando Fantoni 1982
Nota
São 105 jogos. Essa nota vai ser apagada quando todos os jogos tiverem sido cadastrados

Dorival Knipel, mais conhecido por Yustrich, foi um dos treinadores mais modernos e polêmicos de seu tempo. Foi o primeiro técnico do futebol brasileiro a introduzir treinamentos específicos para os goleiros e a valorizar a alimentação e os cuidados médicos dos atletas, quando promovia verdadeiras reformas nos centros de treinamentos dos clubes por onde passou. Pela disciplina no plantel não abdicava do uso da força e chegou, muitas vezes, a agredir atletas insurgentes de seu próprio time. Andava armado e encarava qualquer briga. Por outro lado era considerado um paizão pelos atletas, quando batia de frente com dirigentes em defesa do plantel. Pelo corpanzil de ex-goleiro ganhou o apelido de "homão".

Teve três passagens pelo Cruzeiro, sendo as duas primeiras de forma polêmica, como era de seu costume.[1]

História

Primeira passagem

Em 1972 acertou contrato com o clube estrelado, no dia 21 de fevereiro, enquanto o time excursiovava pelo exterior sob o comando de Orlando Fantoni, que mal sabia estar sendo dispensado pela diretoria cruzeirense. O fato só chegou ao conhecimento dos atletas no dia 7 de março, através da imprensa, e acabou provocando a saída do ídolo Tostão, que não se conformou com as justificativas apresentadas pela diretoria estrelada de que faltava um comandante para dar mais disciplina a equipe. Por outro lado, o goleiro Raul, que havia ganhado a sua "liberação" do clube na justiça, resolveu permanecer no Cruzeiro. O goleiro acreditava que, com os treinamentos específicos para goleiros coordenados por Yustrich, recuperaria a sua forma técnica e retornaria a Seleção Brasileira.

A primeira passagem de Yustrich durou apenas 101 dias. Após a vitória sobre a Caldense, em Poços de Caldas, por 1 a 0, pela 2ª fase do Campeonato Mineiro, no dia 16 de julho, o treinador discutiu acirradamente com o vice-presidente de futebol, Carmine Furletti, nos vestiários do estádio Cristiano Osório e foi demitido. Foram ao todo 20 jogos sob o seu comando com 9 vitórias e 11 empates.[1]

Segunda passagem

Retornou ao clube estrelado, em 15 de janeiro de 1977. Na ocasião, Yustrich passava por dificuldades financeiras e aceitou comandar o time B e o plantel júnior do clube. Com a saída de Zezé Moreira, após a derrota para o Atlético-MG, no Campeonato Mineiro, assumiu o comando da equipe, que sofria um processo de reformulação no plantel.

Nesta passagem Yustrich se desentendeu com a maioria dos jogadores e com o preparador físico Antônio Lacerda. Seu esquema tático sofreu a resistência dos atletas. O presidente Felício Brandi teve que intervir por duas vezes e durante a decisão do Estadual de 1977 e trouxe o ex-zagueiro Procópio para arrumar o esquema do time nos clássicos contra o Atlético. Sobre Yustrich, o presidente Felício dizia: “é um ótimo treinador, desde que devidamente controlado”.

Ainda assim, o treinador comandou a equipe na conquista do Campeonato Mineiro de 1977, na decisão histórica contra o Atlético, e às finais da Taça Libertadores em que acabou perdendo o título na disputa de tiros livres para o Boca Juniors.

Após a goleada sofrida para o Remo e o empate contra o Fast Club, pelo Campeonato Brasileiro, a diretoria convocou o homão para uma reunião, no dia 19 de novembro e Yustrich, para que o treinador explicasse o mau rendimento físico dos jogadores nas partidas. Assim que chegou a sala da sede clube, pela primeira vez em sua carreira, entregou o cargo. Saiu disparando acusações contra os jogadores chamando-os de "cafajestes" e o presidente Felício Brandi de tê-lo "tirado de uma cova rasa para jogá-lo numa cova funda". Foram 29 jogos sob o seu comando com 17 vitórias, 7 empates e 5 derrotas.[1]

Terceira passagem

Em 1982, Yustrich foi contratado durante a disputa da 2ª fase do Campeonato Brasileiro para substituir o treinador Brito. Ainda magoado com as declarações de Yustrich, após sua saída em 1977, o lateral direito Nelinho, pediu sua dispensa do clube.

Esta foi a melhor passagem do homão pelo Cruzeiro. Sob o seu comando o time estrelado realizou uma excursão vitoriosa a Espanha, quando retornou com a conquista dos torneios de Santander, Valladolid e Zaragoza e ainda conquistou a Taça Minas Gerais. Ao todo foram 56 jogos com 27 vitórias, 22 empates, 7 derrotas.

Dorival Kneippel nasceu em Corumbá-MS, em 28 de setembro de 1917 e faleceu em Belo Horizonte, em 15 de fevereiro de 1990. Ao todo comandou o time estrelado em 105 jogos com 53 vitórias, 40 empates e 12 derrotas e conquistou os títulos dos Campeonatos Mineiros de 1972 e 1977, da Taça Minas Gerais de 1982, além do vicecampeonato da Libertadores de 1977.[1]

Títulos

Referências