Uberlândia 1x2 Cruzeiro - 11/07/1965

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para: navegação, pesquisa

[edit]

Escudo Uberlândia.png
Uberlândia
0 x 1 Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
1ª rodada do Campeonato Mineiro de 1965
Data: 11 de julho de 1965 Local: Uberlândia, MG
Horário: 15:00 Estádio: Juca Ribeiro
Árbitro: Juan de la Pasión Artés Público pagante: Não disponível
Assistente 1: Eurípedes José Público presente: Não disponível
Assistente 2: Valteir Lima Renda: Cr$ 1.850.000,00
R$ 1.850.000
Cr$ 1.850.000
NCr$ 1.850.000
Cz$ 1.850.000
NCz$ 1.850.000
Súmula: Não disponível
Escalações
Uberlândia: Cruzeiro:
1. Aldo 1. Tonho
2. Dalmo 2. Pedro Paulo
3. Guto 3. William
4. Jair 4. Vavá
5. Tozinho 5. Tião
6. Carlinhos aos  do 6. Ílton Chaves
7. Jorge 7. Dirceu Lopes
8. Guegué 8. Wilson Almeida
9. Sálvio 9. João José Substituição realizada  de jogo ( Hilton Oliveira )
10. Fazendeiro 10. Fescina aos  do
11. Reis 11. Dalmar aos  do
Técnico: João Fernandes Técnico: Airton Moreira
Reservas que não entraram na partida
Uberlândia: Cruzeiro:

Sobre o jogo

Fato raro no futebol mineiro dos Anos 1960, os times de futebol e de bocha do Cruzeiro viajaram em voo fretado da Varig.

A delegação ficou hospedada no Hotel Colombo mostrando que o clube estava disposto a investir alto na conquista do primeiro título da Era Mineirão.

Tostão e Antoninho não viajaram. O meia convalescendo de uma cirurgia para extrair uma hérnia realizada no Hospital Felício Rocho e o ponteiro, dispensado para visitar a família, devido à morte do sogro, em Juiz de Fora.

Aírton Moreira escalou João José, centroavante contratado, há uma semana, ao Bonsucesso, e deslocou Wilson Almeida para a ponta-direita.

O Uberlândia marcou primeiro e caiu na defesa.

Como João José não conseguia se entrosar com o restante do ataque, Hilton Oliveira entrou em seu lugar.

Dalmar, ponta-esquerda de chute violento, foi jogar de centroavante. Deu certo. Ele e Fescina marcaram os gols da virada garantindo o bicho de Cr$30 mil para cada jogador.

A vitória só não foi mais folgada porque o juiz deixou de marcar um pênalti durante a pressão que o Cruzeiro exerceu no 2º tempo.