Luiz Felipe Scolari

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para: navegação, pesquisa

[edit]

Luiz Felipe Scolari.jpg
Números totais
Número de jogos 75
Vitórias 40
Empates 23
Derrotas 12
Gols pró 147
Gols contra 81
Aproveitamento em pontos 63,56%
Aproveitamento de vitórias 53,33%
Último jogo considerado
Cruzeiro 2x2 Palmeiras - 30/05/2001
Substituiu Foi substituido por

2000 Marco Aurélio PC Carpegiani 2001

Histórico

Começo após título

O Cruzeiro conquistou a Copa do Brasil de 2000 numa vitória dramática sobre o São Paulo, com um gol de Geovanni, nos acréscimos. O técnico do time era Marco Aurélio, que se despediu após o título. Antes do início da partida, a diretoria cruzeirense anunciou a contratação de Luiz Felipe Scolari, surpreendendo imprensa e torcida. Nas duas partidas seguintes, pela Copa dos Campeões, o time foi comandado interinamente por Alexandre Barroso. Felipão só assumiu na estreia do Brasileirão, quando perdeu para o Atlético-PR, no Mineirão, por 2 a 0.

A campanha do Cruzeiro foi muito boa. Com o nome de Copa João Havelange naquele ano, o Campeonato Brasileiro teve uma fase inicial com os 25 principais times do país, chamado de Módulo Azul. Destes, 12 se classificaram para as oitavas de final. Os outros quatro times vieram dos módulos Amarelo, Verde e Branco, disputados por times de divisões inferiores. O Cruzeiro terminou a primeira fase na liderança. Nas oitavas de final, eliminou o Malutrom-PR, e o primeiro problema de Felipão no Mineirão surgiu no jogo de volta. O técnico brigou com parte da torcida, que vaiava o time durante o empate por 1 a 1. Como havia vencido a partida de ida por 3 a 0, no Paraná, o Cruzeiro tocava a bola e esperava o tempo passar, o que irritou o público. Incomodado com isso, Scolari fez com as mãos um sinal em que mandava os torcedores embora para casa.

Convite da seleção

O técnico do Cruzeiro, Luiz Felipe Scolari, não quis confirmar no sábado, dia 23 de abril de 2000 se recebeu convite da CBF para substituir Vanderley Luxemburgo na seleção brasileira. O treinador disse ter ficado emocionado com os apelos da torcida cruzeirense, que passou a gritar "Felipão, não vá embora, não" ao final do clássico mineiro, vencido pelo Cruzeiro, de virada, por 4 a 2. "Eu não vou embora", respondeu ele.

Apesar disso, o presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella, disse depois do clássico que está praticamente certo que Scolari seria convidado a assumir o comando da seleção. O dirigente se baseou no comportamento do secretário-geral da CBF, Marco Antônio Teixeira, tio do presidente Ricardo Teixeira, que esteve ao seu lado durante quase toda a partida no Mineirão.

"Se o Scolari não fosse ser convidado, o Teixeira teria me tranqüilizado, mas como ele nada me disse, acho que a CBF vai mesmo convidar o treinador", disse Perrella. Apesar disso, o dirigente assegurou que, em conversa mantida com Scolari, o técnico sinalizou sua intenção de permanecer no Cruzeiro.

"Ele me disse, literalmente: tenho contrato de dois anos e meio com você e não sou de romper compromissos", afirmou o dirigente. "Ou seja, eu entendo que se ele disse isso, é porque o assunto está nas minhas mãos e, desta forma, Scolari não vai", acrescentou. Perrella ressaltou, porém, que só há uma forma de o técnico comandar a seleção: conciliando a função com seu trabalho no Cruzeiro. [1]

Depois de vencer o Internacional nas quartas de final, veio a queda para o Vasco, nas semifinais. O empate por 2 a 2 em São Januário deixou o Cruzeiro a uma vitória simples para chegar à decisão. Mas, numa tarde inspirada, Romário e Juninho Paulista impuseram 3 a 1 ao time de Felipão, que, apesar da melhor campanha, morreu na praia.

Um mês antes, o Cruzeiro já havia sofrido uma eliminação em casa. Nas quartas de final da Copa Mercosul, perdeu para o Palmeiras, por 2 a 1, diante de mais de 60 mil torcedores.

Único título e mais duas decepções

A Copa Sul-Minas de 2001 foi a primeira e única conquista de Felipão no Cruzeiro (veja no vídeo ao lado). O troféu veio de forma invicta, após uma vitória sobre o Coritiba, por 3 a 0, no Mineirão. O ano, que parecia promissor, traria duas decepções para o clube, ambas diante da torcida.

No Campeonato Mineiro, que tinha dois grupos de quatro times na fase semifinal, o Cruzeiro de Felipão perdeu para o América-MG e para o Ipatinga, no Mineirão, e não passou de um empate com a Caldense, também em casa, resultados que foram fatais para a eliminação precoce na competição.

O foco da torcida e do time, porém, estava na disputa da Taça Libertadores. A primeira fase do time de Felipão foi quase perfeita: cinco vitórias e um empate. Na fase seguinte, mais duas vitórias sobre o El Nacional-EQU. Até que o Palmeiras cruzou novamente o caminho do Cruzeiro, nas quartas de final.

O primeiro jogo terminou empatado em 3 a 3, em São Paulo. Na volta, com o Mineirão mais uma vez lotado, o Cruzeiro não conseguiu vencer no tempo normal, o placar foi de 2 a 2 e, como não havia o critério de gols marcados fora de casa, a vaga foi definida nos pênaltis. E o Palmeiras levou a melhor, naquele que seria o último jogo e a última decepção de Felipão no comando do Cruzeiro.[2]

Estatísticas ano a ano

Ano Jogos Vitórias Empates Derrotas Aprov. Gols pró Gols contra Saldo de gols
2000 38 18 13 7 58,77% 107 45 62
2001 37 22 10 5 68,47% 105 36 69

Títulos

Referências