Guarani 2x2 Cruzeiro - 23/05/2010

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo São Paulo.png 2x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x0 Escudo Botafogo.png
Por Campeonato Brasileiro
Escudo Cruzeiro.png 2x2 Escudo Avaí.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x0 Escudo Botafogo.png
No estádio Brinco de Ouro
Escudo Guarani.png 2x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Última ficha →
Contra Guarani
Escudo Guarani.png 2x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 4x2 Escudo Guarani.png

[edit]

Escudo Guarani.png
Guarani
2 × 2 Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
3ª Rodada do Campeonato Brasileiro 2010
Data: 23 de maio de 2010 Local: Campinas, SP
Horário: 18:30 Estádio: Brinco de Ouro
Árbitro: Leandro Vuaden (RS) Público pagante: 8.689
Assistente 1: Paulo Ricardo Conceição (RS) Público presente: Não disponível
Assistente 2: Julio César Santos (RS) Renda: R$ 93.777,53 R$ 93.777,53
Cr$ 93.777,53
NCr$ 93.777,53
Cz$ 93.777,53
NCz$ 93.777,53
(preço médio: R$ 10,79 )
Súmula: Súmula Borderô
Escalações
Guarani: Cruzeiro:
1. Douglas 1. Fábio
2. Rodrigo Heffner 2. Elicarlos Substituição realizada de jogo ( Fabinho Alves )
3. Fabão 3. Gil Gol aos do
4. Aílson 4. Thiago Heleno
5. Márcio Careca 6. Diego Renan
6. Renan 7. Marquinhos Paraná
7. Preto Substituição realizada de jogo ( Mário Lúcio ) 8. Henrique Cartão amarelo recebido aos
8. Paulo Roberto Cartão amarelo recebido aos 5. Pedro Ken Substituição realizada de jogo ( Jonathan )
10. Moreno Substituição realizada de jogo ( Baiano ) 10. Fernandinho Substituição realizada de jogo ( 19. Guerrón Gol aos do )
11. Mazola 30. Kleber
9. Roger Gol aos do Gol aos do 11. Thiago Ribeiro Cartão amarelo recebido aos
Técnico: Vágner Mancini Técnico: Adilson Batista
Reservas que não entraram na partida
Guarani: Cruzeiro:


Como foi

1º Tempo

  • 18h25 – Times entram campo. Temperatura: 20º. Guarani com uniforme tradicional. Cruzeiro com terceiro uniforme, aquele da camisa com dois tons de azul.
  • 18h28 – Executado o Hino Nacional. Rafael Monteiro, Cláudio Caçapa, Guerrón, WP, Eliandro e Fabinho Alves estão no banco celeste.
  • 18h30 – Um minuto de silêncio pela memória de um garoto torcedor do Bugre.
  • 18h31 – Começa o jogo. Bugre dá a saídas. Cruzeiro defende arco a esquerda das tribunas.
  • 01 – Kleber recebe na área, Fabão desvia pra escanteio. Fernandinho cobra, goleiro tira de soco.
  • 04 – Paulo Roberto escapa pela ponta esquerda, recebe voadora de Elicarlos, mas Vuaden manda seguir.
  • 05 – Rodrigo Heffner lança Roger na cara do gol. Impedimento.
  • 06 – Fernandinho lança Diego Renan, que é desarmado por Renan dentro da área.
  • 07 – Roger dribla Gil e TH, mas é abafado por Fábio que salva gol certo concedendo escanteio.
  • 08 – Thiago Ribeiro cruza da direita, defesa corta. Escanteio.
  • 09 – Diego Renan cruza da esquerda, TH cabeceia, bola sai rente ao poste direito do arco bugrino.
  • 10 – Douglas rebate mal uma bola atrasada, que fica com Kleber na entrada da área. Atacante não consegue concluir, bola fica com Ken, que recebe falta. Ribeiro cobra, por cima do travessão.
  • 11 – Gil, Thiago Heleno e Elicarlos dão bote na mesma bola, que fica livra pra Roger. O centroavante avança e chuta rasteiro na saída de Fábio. Guarani 1×0.
  • 13 – Heffner avança pela direita e passa a Preto, que chuta pra fora.
  • 14 – Defesa celeste não encontra o ataque campineiro que, implacável, marca a saída de bola.
  • 16 – Fabão comete falta em Kleber no meio de campo.
  • 17 – Fernandinho derruba Renan no meio de campo.
  • 18 – Diego Renan passa a Kleber, que é desarmado pela defesa bugrina, dentro da área.
  • 19 – Ribeiro lança Elicarlos, que não evita a saída da bola pela linha de fundo.
  • 21 – Diego Renan lança Kleber. Defesa concede escanteio. Na cobrança, Henrique cabeceia, defesa espana.
  • 22 – Moreno cruza da esquerda, Roger arremata de dentro da área, pra fora.
  • 23 – Marquinhos Paraná chuta de fora da área, por cima do travessão.
  • 24 – Diego e Ribeiro tabelam, defesa bugrina desfaz a jogada.
  • 25 – Guarani fechado na defesa. Cruzeiro oferece espaços para o contra-ataque. Paraná é o volante que mais aparece para apoiar o ataque celeste.
  • 28 – Kleber tabela com Pedro Ken, que é derrubado por Renan a dez passos da grande área.
  • 29 – Fernandinho cobra falta com a canhota no ângulo direito. Douglas voa e defende cedendo escanteio.
  • 31 – Mazola recebe na ponta-esquerda, passa por TH, invade a área e cruza. Bola desvia na canela de Fábio e fica pra Roger, livre na pequena área, tocar pras redes. Guarani 2×0.
  • 32 – Cruzeiro toma vareio de bola. Defesa desprotegida e esburacada. Ataque cercado pela defesa verde.
  • 35 – Cruzeiro está pedindo pra ser goleado. Joga há 30 Km/h. Guarani está a 120.
  • 36 – Preto lança Roger, que deixa Gil para trás, entra na área, mas desperdiça o gol certo por causa de outra defesa milagrosa de Fábio.
  • 37 – Kleber desvencilha-se de dois beques dentro da área e rola pra Fernandinho, que não dá conta de concluir dentro da área.
  • 39 – Henrique cruza da direita, Heffner se antecipa a Fernandinho e corta pra escanteio.
  • 40 – Diego Renan chuta de fora da área, pra fora.
  • 41 – Diego Renan cruza da esquerda, Douglas defende pelo alto, com facilidade.
  • 42 – Elicarlos cruza da direita, Aílson corta de cabeça.
  • 43 – Thiago Ribeiro cobra dois escanteios pela direita. Aílson corta o primeiro de cabeça. O segundo sai pela linha de fundo.
  • 44 – Rodrigo Heffner dribla Thiago Heleno com facilidade, mas erra o passe na entrada da área pra Mazola frustrando ataque do Guarani.
  • 45 – Paulo Roberto entra na área, tenta driblar Gil, mas é desarmado.
  • 46 – Vuaden encerra o primeiro tempo. Cruzeiro deve agradecer a Deus e a Fábio não ter saído com 4×0 nas costas.
  • Roger: “Trabalho pra fazer gols. Uma pena que perdemos algumas chances.”
  • Fábio: “A gente fala que tem de ficar concentrado no jogo, mas não adianta.”

2º tempo

  • 19h36 – Começa o 2º tempo.
  • Adílson Baptista: “Estamos perdendo, então, precisamos deixar o campo maior.”
  • 00 – Guerrón substitui Fernandinho. Jonathan substitui Pedro Ken.
  • 01 – Kleber recebe lançamento na área, Douglas se antecipa a ele e defende.
  • 03 – Guerrón cruza da direita, Aílson corta pra escanteio. Na cobrança, Gil cabeceia, Fabão cede outro escanteio.
  • 04 – Fábio sai da área pra desarmar Mazola, lançado nas costas da bequeira.
  • 05 – Guerrón dribla marcador e cruza rasteiro. Bola sai pela linha de fundo.
  • 06 – Jonathan lança Ribeiro, que corta Aílson e solta uma bomba. Douglas desvia pra escanteio.
  • 07 – Ribeiro cobra escanteio pela direita, beque corta de cabeça, Gil fica com o rebote e chuta rasteiro. Bola entra rente ao poste direito do arco bugrino. Cruzeiro 1×2.
  • 08 – Ribeiro rola pra Diego Renan, que cruza da esquerda. Ataque não aprece pra concluir.
  • 09 – Kleber comete falta em Márcio Careca no meio de campo. Vuaden economiza cartão amarelo.
  • 10 – Cruzeiro marca saída de bola, beques do Guarani dão chutões.
  • 11 – Guerrón recebe lançamento, mas está impedido.
  • 13 – Elicarlos erra passe, Guarani sai em contra-ataque, Gil desfaz a trama.
  • 14 – Guarani, todo na defesa, dá chutões. Cruzeiro joga mais pelas pontas. Guerrón dá trabalho a Márcio Careca.
  • 15 – Guerrón cruza, Douglas defende.
  • 16 – Moreno cruza da esquerda, bola sai diretamente pra linha de fundo.
  • 17 – Renan Lança Roger, que está impedido.
  • 18 – Paraná lança Ribeiro, que está impedido.
  • 19 – Rodrigo Heffner lança Renan, que está impedido.
  • 20 – Ribeiro derruba Rodrigo Heffner e recebe cartão amarelo.
  • 21 – Moreno cobra falta pela direita com a canhota. Sozinhos dentro da área, Fabão e Roger erram cabeçadas que poderiam ter resultado em gol.
  • 22 – Elicarlos comete falta em Paulo Roberto no meio de campo. Mazola recebe lançamento, invade a área e chuta cruzado. Fábio defende.
  • 23 – Paulo Roberto comete falta em Kleber e recebe cartão amarelo.
  • 24 – Jonathan cobra falta lançando Ribeiro na ponta esquerda. Atacante dribla Heffner e cruza alto. Douglas defende.
  • 26 – Henrique passa a Ribeiro, que chuta de fora da área, pra fora.
  • 27 – Baiano substitui Moreno. Douglas rebate mal uma bola retardada. Fabão despacha pra lateral. 8.689 pagantes. Recorde do ano em Campinas.
  • 28 – Márcio Careca cruza para Roger, TH se antecipa e cede escanteio. Na cobrança, Aílson erra cabeça dentro da área.
  • 29 – Ribeiro cruza da esquerda, Fabão despacha.
  • 30 – Ribeiro cruza da ponta esquerda. Guerrón sobe mais que Aílson e cabeceia pras redes. Cruzeiro 2×2.
  • 31 – Mazola chuta de fora da área, Thiago Heleno corta.
  • 32 – Escanteios: Cruzeiro 11×2. Elicarlos sente dores no tornozelo.
  • 33 – Fabinho Alves substitui Elicarlos.
  • 34 – Thiago Heleno comete falta em Roger e recebe cartão amarelo.
  • 35 – Henrique entra violentamente sobre Mazola e recebe cartão amarelo.
  • 36 – Paulo Roberto Lança Roger, Fábio sai e defende.
  • 37 – Defesa do Cruzeiro se enrola em dois lances seguidos. Mas os atacantes bugrinos estão cansados e não se aproveitam das facilidades.
  • 38 – Rodrigo Heffner tenta cruzar, bola sai pela linha de fundo. Mário Lúcio substitui Preto.
  • 39 – Mazola lança Roger, que vence Fabinho Alves na corrida e chuta cruzado. Bola sai raspando o poste esquerdo de Fábio.
  • 40 – Mazola recebe livre, nas costas da zaga, entra na área, aplica lençol em Fábio, mas a bola sai por cima do travessão.
  • 41 – Henrique derruba Mazola, torcida pede expulsão.
  • 42 – Chute de fora da área, Fábio dá rebote, Roger toca pras redes. Bandeira marca impedimento.
  • 43 – Mário Lúcio recebe nas costas de Thiago Heleno, que fica caído e chuta. Gil cede escanteio. Baiano cobra fechado, Jonathan corta de cabeça.
  • 44 – Guerrón cruza, Paulo Roberto corta.
  • 45 – Thiago Heleno segura Mazola na lateral da área. Falta perigosa. Baiano cobra fechado, Fábio tira de soco.
  • 46 – Guerrón tenta puxar contra-ataque, mas sai com a bola pela lateral.
  • 47 – Thiago Ribeiro recebe livre dentro da área e chuta bola no poste. Está impedido, não vale.
  • 48 – Fim de jogo. Cruzeiro teve 58% de posse de bola, deu 357 passes, 325 certos (91%). Escanteios: Cruzeiro 11×4. Faltas: 17×17.

Vídeos

Lances do jogo

Atuações

  • Fábio – Duas defesas fundamentais, algumas difíceis e atenção máxima, mesmo porque, de uns tempos pra cá, tem sido obrigado a jogar também de líbero.
  • Elicarlos – Levou um baile de Mazola no 1º tempo e ainda foi um dos responsáveis pela trapalhada do 1º gol bugrino. Na 2ª etapa, com o Cruzeiro pressionando, ele jogou com mais tranquilidade até sair contundido. Após sua saída, recomeçou a pressão do time da casa. Enquanto esteve na lateral, pensava que era Gerson e tentava alguns lançamentos. Infelizmente, sem acertar nenhum. Pra quem dizia que a lateral esquerda era uma avenida, deve ter se esbaldado com o boulevard da direita.
  • Gil – Nos três últimos jogos, vinha mostrando clara evolução. Ontem, entretanto, deu algumas rateadas, junto com o Thiago Heleno, sobretudo no primeiro gol do Guarani. Compensou, depois, com um belo gol. Tem qualidades.
  • Thiago Heleno – Assim como o parceiro de zaga teve cerca de 30 minutos de tranquilidade e 60 de sufoco na partida. E durante o período de aperto, também não deu conta de achar os atacantes bugrinos. Ele e o parceiro de bequeira, Gil, estão pagando o pato pela incapacidade do time de se defender.
  • Diego Renan – Teve menos trabalho defensivo do que Elicarlos no 1º tempo, pois o Guarani atacava mais pela esquerda. Mesmo assim o máximo que conseguiu no ataque foi um chute descalibrado, de fora da área. No 2º tempo, ajudou Thiago Ribeiro no ataque. Quando recomeçou a pressão do time local tentou, dentro de suas limitações como marcador, barrar os avanços de Rodrigo Heffner.
  • Marquinhos Paraná – Tentou organizar o time no 1º tempo. Pouco adiantou, pois um dos companheiros de meio de campo teve atuação fraca e os outros dois estavam apagandos. No 2º tempo, com Jonathan e Guerron em campo, ficou mais na contenção, mas não deu conta de impedir a pressão bugrina no final. Após um 1º tempo carregado de erros de passe, melhorou muito no 2º, juntamente com o time. As palavras do grande Zé Carlos, comparando o seu estilo com o dele, são mais do que apropriadas. Quem viu o MP jogando em 2008 e 2009, quando foi o melhor e mais regular jogador do time, disparado, realmente pode se lembar do Mestre Zelão, principalmente na tomada e proteção de bola e no alto índice de acerto de passes. Por isso, minha preocupação com a sua atual fase.
  • Henrique – Não conseguiu proteger a defesa e ainda errou muitos passes. Atuação bem fraca.
  • Fabinho Alves – Devagar, quase parando, mesmo descansado, não conseguiu correr atrás dos bugrinos. O time voltou a perder o meio de campo após sua entrada. Foi um bom terceiro zagueiro.
  • Pedro Ken – Esteve apático num jogo que ele poderia ter se destacado, bastava ter corrido um pouco mais. (Luiz Antônio) Tenta mas parece ainda não ter encontrado um lugar pra jogar nesse time do Cruzeiro. Passou 45 minutos tentando jogadas óbvias pela direita e sem encontrar um poscionamento ideal pra recompor. Pro torcedor ele já era, mas como custou grana pro clube, caberá ao treinador arrumar um jeito de recuperá-lo, afinal não é possível que o seu futebol seja só isso.
  • Jonathan – Aaca melhor que qualquer outro lateral do elenco, por isso acabou sendo útil pro time mesmo jogando meia-bomba e errando mais passes que o recomendável.
  • Fernandinho – Sei que ele está voltando de longa parada, mas a verdade é que nunca foi “aquele” jogador. E mesmo tendo entrado em alguns dos últimos jogos, tá muito mal. Não sabe se é lateral-esquerdo ou meia. Totalmente sem criatividade. Bateu uma falta que exigiu um milagre de Douglas. Não fosse por isso sua atuação teria passado em branco.
  • Guerrón – Botou fogo no jogo. Correu muito, fez jogadas de ponteiro, nem sempre perfeitas, mas sempre preocupantes pro adversário. E marcou um belo gol de cabeça. Pra quem tem sido chutado todo dia, até que não foi pouco. Cumpriu o que o treinador pediu jogando na ponta-direita. Como brinde, ofereceu o gol de empate, obra fora de seu repertório, ha tempos. Pela primeira vez –e não foi por causa do gol– vi o equatoriano fazer boas jogadas, ganhando quase todas de seu marcador e levando a bola ao fundo. Nesse ponto, contudo, começam suas deficiências. Guerrón não fez só o gol de empate. Ele também foi criu boas jogadas pelo lado esquerdo. Soube driblar e errou menos passes do que vinha errando. E também foi muito útil na marcação conseguindo roubar algumas bolas quando o Guarani atacava pela esquerda.
  • Kleber – Quando a bola não chega ele sai da área pra tentar construir jogadas. Contra o Guarani, ele tentou resolver na marra, mas não deu conta de superar a marcação bugrina. Suas saidas são sempre boas para preocupar o adversário e dar volume ao time. Mas como não há outro centroavante, o time fica sem um homem de área pra conferir os cruzamentos de Ribeiro e Jonathan. Acabou seu crédito e agora tá devendo. Luta muito, briga e apanha, marca e não desiste mas faz tempos que não é o cara decisivo. Ontem só deu um chute fraco ao gol e não armou nenhuma boa jogada. Acredito que seja só uma má fase e que vai dar muitas alegrias à torcida mas eu o trocaria pelo Diego Souza (com troco pra nós, é claro).
  • Thiago Ribeiro – Falar dele é a coisa mais fácil que existe. É simplemente o melhor atacante do time e, juntamente com o Fábio, um dos dois melhores jogadores do Cruzeiro. Cobrou o escanteio que redundou no 1º gol, escanteio este provocado por uma jogada dele. Fez um cruzamento perfeito na cabeça do Guerrón, que fez o 2º gol. Movimenta muito, faz assistências e ainda foi sócio nos dois gols. É o cara!
  • Adílson Batista – Escalou um time indígena, incapaz de se defender. A escalação do Fernandinho deve ter apenas uma justificativa: preparar a substituição salvadora, que consagra o treinador no 2º tempo. Foi bem nas mudanças, mas tem que confiar menos no seu elenco. Ou ele pensa que Fernandinhos e Kens da vida prestam pra alguma coisa? Empatar em Campinas não é nenhum sacrilégio. Este time sempre foi um osso de cachorro na vida do Cruzeiro. Nunca demos sorte contra o time esmeraldino de Campinas. O que mudou do 1° tempo para o 2° tempo? O Cruzeiro marcou o time do Guarani. Adílson tirou 2 jogadores que nada fizeram em campo no 1° tempo e colocou 2 que fizeram alguma coisa. Paraná e Henrique marcaram mais, deixaram a marcação virtual no adversário. Adílson posicionou melhor o time, mas, abriu muito o campo. O time empatou mas ficou vulnerável ao extremo. Tanto assim que o Guarani perdeu várias chances no 2° tempo. Thiago Heleno fez um 2° tempo soberbo e evitou que o Cruzeiro levasse outros gols. Fábio levou 2 e salvou mais que o dobro.
  • Torcida – Pequena, mas laboriosa. Quem foi ao Brinco de Ouro torceu a favor.
  • Seca-pimenteiras – Bateram na trave. Quase! Mas ainda não foi desta vez que puderam colocar o bloco na rua pedindo o desmanche do time. O Cruzeiro reagiu e arrancou o empate num estádio em que, mesmo nos bons tempos, quando tinha grandes craques, sempre foi saco de pancadas. O que os anti-adilsistas não conseguem entender é que o apoio ao ABap não é um apoio incondicional. Ele não é nenhum super-homem ou semi-deus. Simplesmente, a manutenção do ABap até o fim do ano é a melhor opção que temos no momento, a não ser que me façam prova do contrário. Vindo de certos setores da imprensa, eu até compreendo este movimento para fazer cair o nosso técnico. Entretanto, o fato de que parte da nossa própria torcida se alinha neste pensamento me deixa perplexo.
  • Juiz & Bandeiras – Vuaden é o melhor juiz brasileiro. Entre dar um cartão vermelho e apartar uma briga, ele prefere a segunda alternativa. E está certo. Trata-se do primeiro juiz brasileiro desprovido de telecoteco, lescolesco, totozinho e malemolência. Taí um cara pra irritar os pecês e mesa-redondistas que infestam a mídia brasileira. Os bandeiras também estiveram bem. (Síndico) Gostei muito da atuação do Juiz. Ele não é de marcar falta em qualquer esbarrão. definitivamente, não fará sucesso com os mesa-redondistas do Eixo.
  • Guarani – Depois daqueles 8 gols que sofreu do Santos na Copa do Brasil e o quase rebaixamento pra Série C do Paulistão refez todo o time. Contratou 15 novos (e velhos) atletas. Acho pouco, principalmente com Fabão, Baiano e Renan Indio. Vai brigar naquela zona que ninguém (nem com sorteio) quer ficar. Melhor do que a encomenda. Vagner Mancini soube tirar proveito das deficiências do Cruzeiro com um bando de velocistas e oportunistas jogando pelas pontas ou sendo lançados nas avenidas abertas no campo de defesa celeste. No 2º tempo, o Bugre se assustou com Guerrón e Jonathan e demorou a se recompor. Mazola, Paulo Roberto, Moreno, Roger e Rodrigo Heffner forma os melhores.

O que foi dito

  • Adílson Baptista, treinador do Cruzeiro: Foi um grande jogo. Vagner Mancini foi inteligente. Com o Roger e uma linha de três armadores, pra que nós perdêssemos a bola e esses jogadores caíssem nas costas dos laterais, essa era a intenção. O lado esquerdo deles era muito bom, forte. A gente alerta, fala, explica, mostra em vídeo a característica do adversário. Não tem nada de novidade de onde que vai vir a bola, quem vai escorar. Também não podemos tirar o mérito do adversário, que jogou bem e criou dificuldades. O 2º tempo foi outro, a reação foi boa, não em função do sistema. Não foi o mesmo ritmo da etapa inicial. Foi muito bom o nosso 2º tempo. Merecíamos um resultado melhor. O Cruzeiro está sabendo jogar fora de casa, sempre ofensivo. Mas não podemos tirar os méritos do adversário, que foi muito bem. Importante foi a atitude dos atletas que fez com que a gente buscasse o resultado. O Cruzeiro tem um bom time, bons jogadores. No 2º tempo, arriscamos mais pra buscar o gol e ficamos mais expostos.
  • Marquinhos Paraná, volante do Cruzeiro: Pelo 2º tempo, merecíamos uma sorte melhor. Voltamos no segunda etapa ligados. Mas, por estarmos perdendo de 2×0, foi um bom resultado.
  • Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: Não dá para dizer que foi ruim. Mas isso não pode mais acontecer. Não jogamos nada no 1º tempo. Entramos desatentos. Não podemos, em todos os jogos, fazer um 1º tempo ruim pra correr atrás. Os jogadores do Guarani entraram várias vezes na cara do Fábio. Temos que corrigir algumas situações. Vai ter um dia que não vai dar. Já é a segunda vez que isso acontece.
  • Jonathan, lateral-direito do Cruzeiro: Na 2ª etapa, deu para impor um ritmo melhor. Méritos para a inteligência do Adilson Batista. Mas poderia ter sido melhor, já que estamos brigando pelo titulo e não podemos perder pontos. Mas pelo que estava, foi bom.
  • Kleber, atacante do Cruzeiro: Faltou atitude. A gente não pode esperar tomar dois gols pra correr atrás não. Somos um time grande e vamos lutar pelo título. Na minha opinião, poderíamos ter vencido, pois muito time que vai lutar pelo título vai a Campinas ganhar os pontos. No 2º tempo, melhoramos, mas deixamos de ganhar três pontos. Apesar de estar jogando fora de casa, poderíamos ter vencido. E não tinha ninguém abalado não. Estava todo mundo bem para o jogo. Foi falado a semana toda da importância desse jogo e da importância da competição pra gente, pois é a única temos agora. Queremos vencer e na minha opinião não tinha ninguém abatido. Foi desatenção mesmo, foi erro de marcação. Temos que entrar com mais tesão e mais vontade pra vencer, senão vamos ter problemas.
  • Gil, beque do Cruzeiro: A gente entrou desatento. No primeiro gol, o adversário teve a sorte que a bola sobrou para o Roger e ele marcou. A gente sabia que ia ser difícil. Eles pressionaram no 1º tempo. No 2º, colocamos a cabeça no lugar e conseguimos o empate. O pessoal chamou nossa atenção no vestiário, para que a gente pudesse entrar mais ligado, todo mundo se cobrando ali pra, no 2º tempo, acontecer esse placar aí.
  • Vagner Mancini, treinador do Guarani: Lamentamos o empate, mas neste momento o Guarani joga um futebol de alto nível. Pelo desempenho nos últimos jogos, esse grupo está resgatando a imagem do Guarani. Temos dois sentimentos nesse instante, Um de ter empatado com uma grande equipe, que deve chegar ao final disputando o titulo e o outro é o de ter deixado escapar uma vitoria certa. Vencíamos por 2×0 e tivemos várias oportunidades de ampliar. Isto significaria uma grande vitoria. Temos que entender que isto vai acontecer. Não é fácil montar uma equipe em 20 dias e ela já estar brigando com as mais fortes do Brasil. O resultado tem de ser valorizado,mas que o gosto na boca é amargo, é, porque poderia ser diferente. No 2º tempo, nós voltamos a atacar com força. Temos que exaltar a visão do Adilson Batista, que mesmo perdendo por 2×0 adiantou dois atacantes e abriu a equipe segurando nosso setor defensivo. Depois do empate, nossa equipe voltou a ter chances e a atacar. O que não podemos aceitar é esse número de chances desperdiçadas em um campeonato difícil e equilibrado, jogando diante de equipes melhores que nós por terem um tempo maior jogando junto. Este tipo de coisa temos que corrigir rapidamente. O Guarani vai ter menos oportunidades do que a maioria das outras por estar jogando junto há menos tempo. Temos que ter um alto índice de aproveitamento para pontuar em cada rodada. Tenho certeza que o Mazola vai acabar entendendo a necessidade de soltar a bola. Ele é jovem e não podemos jogar toda a responsabilidade e culpa em cima de A, B ou C. Mas ele faz com que cada jogada seja também uma jogada de gol. Se estamos lamentando as chances desperdiçadas é porque o volume de jogo também melhorou. Claro que o Cruzeiro teve muita posse de bola quando nós deveríamos ter tido. Logo no reinicio do jogo, eles chegaram ao empate, isso trouxe desequilíbrio, mas o fato de termos reagido logo depois do empate e passado a criar de novo me enche de esperanças de que, fisicamente, estamos bem e podemos enfrentar de igual para igual as equipes de Série A. (estrato de textos publicados nos sites Globo,com e Planeta Guarani)
  • Roger, centroavante do Guarani: Poderíamos ter ampliado o placar ainda no 1º tempo. O Mazola ainda é um jovem, bem garoto. Eu não o xinguei. Pelo contrário. Fui dar um abraço nele e disse que ele fez certo, porque estava confiante na finalização.
  • Renan, volante do Guarani: A gente tinha que manter a posse de bola, fazer o time deles correr, mas não aconteceu. Sofremos o empate, que não foi bom. Faltou concentração em lances decisivos. Acabamos saindo com o empate. Mas temos que manter o foco e a pegada, pois temos um grupo bom, que tem tudo para fazer um bom campeonato.
  • Vitor Birner, em seu blog: Surpreendentemente, o Bugre mandou na etapa inicial. Roger fez dois gols. Não foi difícil criar o suficiente para conseguir o terceiro ou o quarto, que não vieram. O Cruzeiro não fez nada nos 45 minutos iniciais. As entradas de Guerrón e Jonathan após o intervalo e o gol de Gil logo aos 6 minutos mudaram o panorama da partida. Bom jogo no segundo tempo de muitas alternativas. Atacando pelas pontas, com Thiago Ribeiro em grande noite, o empate aconteceu garças ao gol de Guerrón no minuto 29. Os 15 minutos finais foram abertos, francos, mas sem gols.
  • Juca Kfouri, em seu blog: Foi uma supresa enorme ver o Guarani, com dois gols de Roger, o primeiro num presentaço da zaga cruzeirense, o segundo em jogada de Mazola, ir para o intervalo vencendo o Cruzeiro por 2×0 no Brinco de Ouro da Princesa. Verdade que o time mineiro diminuiu logo no começo do segundo tempo com Gil, mas o Bugre não era cotado nem para assustar, que dirá para vencer. Como não venceu porque o Cruzeiro conseguiu o 2×2, com Guérron. Pela segunda vez o Cruzeiro transforma um 0×2 em 2×2, mas o resultado foi muito melhor para o Guarani.
  • Site Terra: Ponto Forte do Guarani: Atacante Roger, que assumiu a artilharia do Campeonato Brasileiro ao marcar dois gols. Ponto Forte do Cruzeiro: Jogadas pelas pontas do campo, especialmente com Thiago Ribeiro, que realizou o cruzamento para o gol de empate, marcado por Guerrón. Ponto Fraco do Guarani: Apatia no segundo tempo, em que recuou demais e aceitou o domínio do Cruzeiro, tendo falhado ainda em duas jogadas de bola aérea. Ponto Fraco do Cruzeiro: Atuação da zaga, muito lenta no primeiro tempo; no fim do segundo, ainda permitiu duas grandes chances de gol ao Guarani, sempre em lances de velocidade. Personagem do jogo: Adilson Batista, que mudou a postura cruzeirense ao colocar em campo Guerrón e Jonathan no intervalo da partida. Lance polêmico: Aos 42min do segundo tempo, Roger poderia ter marcado pela terceira vez neste domingo, mas o assistente anulou o gol, marcando um impedimento bastante duvidoso.
  • King Arthur, no PHD: Marcar gols quando nosso pessoal deixa sempre de fazer o mais simples, que é passar pro companheiro melhor colocado, é difícil. Mas é melhor pedir desculpas do que fazer a coisa certa. Será que o treinador muda isto? Duvido. A vontade de vender jogador não deixa. Ainda bem que o jogo tem dois tempos. Aguentar Fernandinho e Pedro Ken jogando 90 minutos é dureza. E a defesa continua sendo presa fácil para o 1-2. Por quê? Ora, por que o adversário que está com a bola está sempre livre e lança como quer. Depois do lançamento, que se dane. Ora, isso é marcação?
  • Matheus Penido, no PHD: O resultado pelas circunstâncias acabou sendo bom, mas a atuação do time foi bem fraca. Qualquer articulação ofensiva do Guarani dava em perigo de gol, mesmo quando o time jogava na formação habitual de 3 volantes. Adilson foi bem nas mudanças, mas tem que confiar menos no seu elenco. Ou ele pensa que Fernandinhos e Kens da vida prestam pra alguma coisa?
  • Flávio Carneiro, no PHD: Empate com sabor de vitória. Só espero que essa reação no 2º tempo não esconda as muitas limitações desse time. Eu não retiro nem uma vírgula do que já escrevi, pois quero ver um Cruzeiro capaz de realmente lutar pelo título e com esse grupo de jogadores tenho certeza de que não teremos a menor chance disso. Sempre que o Adílson Baptista tiver que escalar tantos reservas como hoje, será difícil vencer alguém.

Links e Fontes

Transmissão

  • PPV