Grêmio 2x2 Cruzeiro - 02/07/2009

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Cruzeiro.png 1x0 Escudo Avaí.png Gol aos do Escudo Goiás.png 1x0 Escudo Cruzeiro.png
Por Copa Libertadores da América 2009
Escudo Cruzeiro.png 3x1 Escudo Grêmio.png Gol aos do Escudo Estudiantes.png 0x0 Escudo Cruzeiro.png
No estádio Olímpico
Escudo Grêmio.png 1x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Grêmio.png 4x1 Escudo Cruzeiro.png
Contra Grêmio
Escudo Cruzeiro.png 3x1 Escudo Grêmio.png Gol aos do Escudo Grêmio.png 4x1 Escudo Cruzeiro.png

[edit]

Escudo Grêmio.png
Grêmio
2 × 2 Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
Jogo de volta da semifinal da Copa Santander Libertadores 2009
Data: 2 de julho de 2009 Local: Porto Alegre, RS
Horário: 21:50 Estádio: Olímpico
Árbitro: Oscar Ruiz (COL) Público pagante: 40.452
Assistente 1: Abraham González (COL) Público presente: Não disponível
Assistente 2: Humberto Clavijo (COL) Renda: R$ 966.652,00 R$ 966.652 <br />Cr$ 966.652 <br />NCr$ 966.652 <br />Cz$ 966.652 <br />NCz$ 966.652 <br /> (preço médio: R$ 23,90 )
Súmula: Súmula
Escalações
Grêmio: Cruzeiro:

1. Victor 1. Fábio
15. Thiego 2. Jonathan
3. Léo 22. Leonardo Silva Substituição realizada de jogo ( 3. Anderson Beraldo )
5. Réver 4. Thiago Heleno
6. Fábio Santos 20. Gerson Magrão Substituição realizada de jogo ( 17. Elicarlos )
23. Túlio 21. Fabinho Alves
11. Adilson Cartão vermelho recebido aos 7. Marquinhos Paraná
10. Tcheco Cartão amarelo recebido aos 8. Ramires Cartão amarelo recebido aos
8. Souza Gol aos do 10. Wagner
20. Herrera Cartão amarelo recebido aos Substituição realizada de jogo ( 21. Perea ) 25. Kléber Cartão amarelo recebido aos
16. Maxi López Gol aos do Cartão amarelo recebido aos 9. Wellington Paulista Gol aos do Gol aos do Substituição realizada 71' de jogo 71' ( 11. Thiago Ribeiro )
Técnico: Paulo Autuori Técnico: Adilson Batista
Reservas que não entraram na partida
Grêmio: Cruzeiro:
12. Marcelo 12. Andrey
4. Rafael Marques 14. Jancarlos
9. Alex Mineiro 16. Bernardo
13. Jadilson 18. Zé Carlos
17. Orteman
25. Maylson


Pré-Jogo

Ao longo a temporada, os times foram se ajustando com o olhar fico na final do torneio continental. E ela está a apenas 90 minutos.

O que tinha de ser testado já foi, seja esquema, sejam jogadores. Hoje, tirando os jogadores contundidos em fase de recuperação, qualquer torcedor tem o time titular na ponta da língua.

Nem os treinadores podem mais surpreender. Cada um lançará o que tem de melhor e tentará fazer prevalecer tática e estratégia ajustada à necessidade cada um.


O Grêmio deve pressionar desde o início e o Cruzeiro, se puder, tentará quebrar o ímpeto tricolor com toques e viradas e jogo. Sempre de olho na oportunidade de descolar um contra-ataque.

Quem apostou em intimidações e violência vai se surpreender com a ausência do arsenal antifutebol. Quando a bola começa a rolar, todo mundo fica de olho nela.

Não sobra tempo pra baderna. Até porque a Brigada Militar também gosta de futebol e vai querer preservá-lo da sanha dos valentões.

Lance a lance

Primeiro Tempo

  • 22h02 – Começa o jogo, após 1 minuto de silêncio em homenagem a um funcionário do Grêmio, que faleceu. Cruzeiro de camisas e calções brancos e meias azuis defende o gol à esquerda das cabines. Grêmio com uniforme tradicional.
  • 02 – Maxi Lopez (ML) cruza da direita, Fábio defende pelo alto.
  • 03 – Tcheco atropela Kléber no meio de campo e recebe cartão amarelo.
  • 04 – Fábio sai da área pra cortar com os pés bola lançada para ML.
  • 06 – Tcheco lança bola sobre a área, Herrera cabeceia pra fora.
  • 07 – Souza lança de longe, Herrera cabeceia, Fábio defende.
  • 09 – Rever derruba Kléber (8ª falta cometida pelo Grêmio, 3ª sobre Kléber). Wagner rola pra Gerson Magrão (GM), que levanta sobre a área. Victor defende.
  • 10 – Fábio Santos comete falta em Kléber, a 4ª dos gremistas sobre o Gladiador. Marquinhos Paraná bate rolando para Wagner que é desarmado por Túlio. ML recebe, puxa contra-ataque, mas é desarmado pela defesa celeste.
  • 12 – Ramires derruba Adílson e recebe cartão amarelo.
  • 14 – Kléber disputa bola com Réver, que cai. O Gladiador recebe cartão amarelo injusto.
  • 16 – Kléber vai à linha de fundo, na ponta-direita, cruza e Fabio Santos (FS) cede escanteio. Wagner bate fechado, Victor defende impedindo um gol olímpico.
  • 18 – FS cruza, Jonathan corta, no rebote, Wellington Paulista (WP) comete falta em Herrera. Souza bate sobre a área, Fábio espalma para escanteio, à sua esquerda. Souza bate, Fábio volta a espalmar pra escanteio. Souza bate de novo, Fábio tira de soco.
  • 19 – Réver cruza, Fábio defende.
  • 20 – Herrera cruza da esquerda, Souza chuta, Fábio desvia para escanteio. Na cobrança, forma-se confusão na área celeste, que obriga Thiago Heleno (TH) a ceder outro escanteio.
  • 22 – Kléber comete falta em Herrera, Tcheco cobra, ML cabeceia por cima do travessão.
  • 24 – Souza lança Tcheco, que vai à linha de findo, dentro da área e volta para FS chutar por cima do travessão. Primeira jogada bem concatenada pelo ataque tricolor. Foi o 7º chute ao arco desferido pelo Grêmio contra nenhum do Cruzeiro.
  • 26 – ML cruza da esquerda, MP cede escanteio, Souza cobra, GM cede escanteio, Souza cobra, Fábio soca pra fora da área.
  • 27 – TH recebe pescoção de Leo em disputa de bola na entrada da área e cai com a boca sangrando.
  • 29 – Thiego cruza, TH e Herrera caem juntos na área. Gremistas pedem pênalti com o que José Roberto Wright, comentarista da Globo, concorda. Juiz vê falta anterior de Herrera. Não houve pênalti.
  • 31 – Souza bate falta sobre a área, TH corta de cabeça.
  • 34 – Kléber faz jogada pela direita, passa a FS , que não o segura para não cometer pênalti. Dentro da área, o Gladiador cruza para trás e encontra Wellington Paulista que só tem o trabalho de tocar a bola pras redes com o pé esquerdo: Cruzeiro 1×0.
  • 36 – Wellington Paulista cruza, defesa corta. Jonathan foca com o rebote, ajeita o corpo para levantar, da meia direita, uma bola com o pé direito. Sozinho, dentro da área, Wellington Paulista cabeceia num peixinho espetacular, no canto direito de Victor, que fica reclamando impedimento do centroavante sem saber que Fábio Santos ficara para trás na linha burra dando condição de jogo ao ataque celeste: Cruzeiro 2×0.
  • 37 – Thiego derruba GM na ponta-esquerda e recebe cartão amarelo.
  • 38 – Ramires sente dor muscular.
  • 40 – Souza bate falta, Réver conclui, Fábio defende.
  • 41 – FS cruza, Fábio espalma, ML cabeceia, Fábio defende.
  • 42 – Kléber dribla pela direita, passa a Ramires, que é desarmado.
  • 43 – Grêmio tem 54% de posse de bola e 10 arremates a gol contra 2 do Cruzeiro.
  • 44 – Torcida do Cruzeiro ironiza a do Grêmio com simulação de avalanche.
  • 45 – Cruzeiro toca a bola.
  • 46 – Kléber cruza, da direita, Ramires, dentro da área, não alcança a bola. WP chuta de fora da área, Victor defende.
  • 47 – Fim de 1º tempo.

Segundo Tempo

  • 23h03 – Começa o 2º tempo. Nenhuma alteração nas equipes, Grêmio dá a saída.
  • 02 – LS cai sentindo dores no tornozelo e sai de maca.
  • 03 – WP cruza, Léo corta para trás cedendo escanteio.
  • 04 – Wagner cobra escanteio, Réver corta de cabeça.
  • 06 – Anderson Beraldo substitui Leonardo Silva.
  • 07 – Herrera recebe lançamento nas costas de GM, chuta forte, cruzado. Fábio faz uma ponte para ceder escanteio salvando gol certo. Tcheco cobra, defesa rebate, Grêmio pressiona até que MP consegue desarmar Herrera e sai jogando.
  • 09 – Ramires volta bola para GM e acaba cedendo escanteio. Souza cobra, Ramires cabeceia pra escanteio. Tcheco cobra, Réver sobe mais do que a defesa e cabeceia pra baixo. Bola entra no canto esquerdo de Fábio: Grêmio 1×2.
  • 11 – FS cruza procurando ML, Fábio defende.
  • 14 – Wagner puxa contra-ataque e recebe carrinho violento de Adílson, que recebe cartão vermelho.
  • 15 – Ramires chuta cruzado, de dentro da área. Victor defende.
  • 16 – Tcheco bate falta, da intermediária, por cima do travessão.
  • 19 – Herrera cruza da direita, Jonathan corta de cabeça.
  • 20 – Elicarlos substitui Gerson Magrão.
  • 23 – Souza bate escanteio, Réver cabeceia, Fábio faz uma ponte e desvia bola pra outro escanteio, à sua direita.
  • 25 – TH desarma Herrera e com um chutão manda bola pra lateral.
  • 26 – WP recebe pontapé na panturrilha, aplicado por Réver, cai, faz cera, sai no carrinho e é substituído por Thiago Ribeiro (TR).
  • 27 – Herrera tenta bicicleta na área, atinge TH e Anderson Beraldo (AB). Juiz marca jogo perigoso.
  • 28 – Cruzeiro prende a bola tocando passes na intermediária do Grêmio ao invés de se aproveitar da vantagem de um jogador a mais para decidir a partida.
  • 29 – Elicarlos cruza, Leo despacha.
  • 30 – Souza apanha um rebote da defesa do Cruzeiro e, de fora da área, sem marcação, chuta forte, de curva, colocado, no canto esquerdo de Fábio, que salta, mas não evita o gol: Grêmio 2×2.
  • 32 – Elicarlos derruba Tcheco. Falta. Tcheco cobra, AB corta.
  • 33 – ML comete falta em MP e recebe cartão amarelo.
  • 35 – Ramires, Jonathan, Wagner, TR e TH tocam a bola de um lado pra outro da defesa gremista ao invés de atacarem pra decidir a partida.
  • 37 – Kléber dribla Thiego, vai à linha de fundo, pela esquerda, e cruza. Réver despacha.
  • 38 – Kléber tenta prender a bola na linha de fundo, Thiego cede escanteio.
  • 39 – ML vence Fabinho Alves e Elicarlos na corrida, vai à linha de fundo, e cruza. TH cede escanteio.
  • 40 – Jonathan entra na área, deixa a bola escapar, Victor sai do gol e faz defesa.
  • 43 – Cruzeito toca a bola, torcida do Grêmio continua cantando. Não parou um só segundo, mesmo quando o time estava perdendo.
  • 45 – TR aplica um corte em Thiego pelo lado esquerdo e chuta. Victor defende.
  • 46 – ML invade a área, mas perde o controle da bola e Fábio faz a defesa.
  • 47 – Souza bate falta da esquerda, TH corta de cabeça.
  • 49 – Souza cruza da esquerda, Fábio sobe mais do que Tcheco e defende.
  • 50 – Fim de jogo. Faltas cometidas: Grêmio 33×29. Escanteios a favor: Grêmio 14×4. Impedimentos contra: Grêmio 6×1. Desarmes: Grêmio 20×16. Posse de bola: Grêmio 55% x45%.

Vídeos

Matéria no Globo Esporte

Atuações

  • Adílson Baptista – Fez a coisa certa ao não abdicar do ataque. Adiantou pouco, Seu time não viu a cor da bola na primeira meia hora e só escapou da derrota porque os meiocampistas do Grêmio carecem de imaginação e os atacantes de pontaria. No 2º tempo, com um a mais seu time não jogou pra ganhar o que o irritou. Resumo: ele escalou certo, substituiu com propriedade. Se o time não funcionou não foi por sua culpa. Importante, dizem os torcedores, foi a classificação. Em La Plata, a história será diferente. Palmas para ele. Ou melhor, pra suas boas intenções.
  • Torcida – Compareceu em bom número. Mil? Ao contrário do que vaticinavam os xenófobos, saiu viva do Olímpico e fazendo festa pela classificação. Em seu momento mais descontraído, tirou sarro da multidão rival simulando uma avalanche, prática da geral gremista.
  • Fábio – Trabalhou muito cortando centenas de bolas cruzadas pelos gremistas. E salvou os dois gols de praxe de cada jogo.
  • Jonathan – Bom na marcação, discreto no apoio (apesar do lançamento milimétrico para o peixinho de WP no 2º gol). No 2º tempo, perdeu um gol por falta de pernas. Ou de ambição, sabe-se lá.
  • Leonardo Silva – Tranquilo, fazia ótima partida até se contundir e sair. Depois disso, o time tomou dois gols.Com ele na área, quem sabe o 1º pudesse ter sido evitado?
  • Anderson Beraldo – Demorou a se encaixar. Com o passar do tempo, melhorou.
  • Thiago Heleno – Lutou muito pra conter os pouco técnicos, mas esforçados atacantes gremistas. Quando preciso, deu bico, foi beque-beque como a ocasião pedia.
  • Gerson Magrão – Bom enquanto esteve bem fisicamente. Devido à estratégia gremista de atacar pelos flancos, pouco pôde avançar. Mas como a intenção era conter a fúria adversária, cumpriu bem seu papel.
  • Elicarlos – Sem se importar com as vaias, jogou o arroz-com-feijão. Sem brilho, mas também sem comprometer.
  • Fabinho Alves – Dedicado à marcação, cumpriu a missão de proteger a zaga. Atacar fica pra outra ocasião, pois este jogo contra o Grêmio era pra segurar a vantagem construída no Mineirão.
  • Marquinhos Paraná – Discreto e eficiente como sempre. Não deve nem ter percebido que havia quase 50 mil pessoas apoiando ininterruptamente o adversário. Cuidou de fazer sua obrigação e ponto final.
  • Ramires – Naceu volante, foi transforamdo em meia, e, agora, parece que nem ele mesmo sabe o que é. Não se poupou, mas também não se encontrou. Sua presença, contudo, tira o sossego dos adversários.
  • Wagner – Longe do brilho no Mineirão, demorou a entrar na partida e, quando o fez, foi mais pra cadenciar do que pra impor velocidade ao time.
  • Kléber – Quando o gol do Grêmio estava amadurecendo, ele apareceu pra mudar a história da partida driblando Fábio Santos antes de servir Wellington Paulista para a bertura do placar. No resto do tempo, desestabilizou o adversário prendendo a bola, driblando, passando e insistindo em não cair nas provocações. Foi o nome do jogo.
  • Wellington Paulista – Dois gols de centroavantão das antigas, daqueles de quem não se deve esperar show, mas tão somente bola na rede. Ontem, ele enfiou duas na caçapa gremista. Se Kléber foi o craque, WP foi o herói da classificação pra final.
  • Thiago Ribeiro – Apagado. Mas como poderia ter brilhado se, quando entrou, o time já não queria mais jogar?
  • Juiz & Bandeiras – Cometeram poucos erros e souberam manter a disciplina.
  • Adversários – Souza foi o melhor do Grêmio. Como sempre aliou algum talento à exemplar disposição. Fábio Santos participou dos dois gols celestes. Levando baile no 1º e dando condição de jogo a WP no 2º. Tcheco jogou bem menos do que faziam acreditar suas copiosas e emocionadas palavras do pré-jogo. Os atacantes argentinos têm toda boa vontade do mundo, mas são, no vernáculo, dois pataduras. Os beques, sim, têm futuro. Os demais foram discretos. Autuori armou uma arapuca forçando o jogo pelas pontas. Mas, fazer o quê, se os atacantes não funcionam?

O que foi dito

  • “O Grêmio só levou perigo nas bolas alçadas na área. Não vi as tabelas pelo meio, nem as passagens pelos lados, que havia mostrado no Mineirão. Precisando ganhar, Autuori abriu mão de Ruy e Jadílson, que por serem ex-jogadores do Cruzeiro, jogariam com mais empenho que Thiego e Fábio Santos. Assim, sem temer as incursões pelo seu lado, Gerson Magrão não foi forçado e todos sabiam que ele estava voltando de contusão. No 2° tempo, com Anderson no posto de Leonardo Silva, o Grêmio conseguiu marcar com Rever e exigiu duas defesas difíceis de Fábio. O Cruzeiro suportou bem a pressão na primeira meia hora de jogo e arrebentou nos 15 minutos finais porque pôs a bola no chão. Kléber levava vantagem sobre os gremistas quando foi injustamente punido com o cartão amarelo e deu uma segurada. Depois, foi decisivo criando o lance do 1° gol celeste. No início do 2º tempo, mesmo com 5×1 no placar agregado o time celeste voltou a ficar nervoso. Apelou pro chutão e a bola começou a ir e vir rápido demais. Vieram os gols tricolores. Com o empate, o time voltou a se tranquilizar. Muitos dizem que Wagner se retraiu, mas não valorizam o fato de ele ter tirado o volante Adílson, expulso ao tentar pará-lo. Além disto, ele fez boas inversões de jogo e cadenciou o time. Taticamente, Fabinho Alves evitou passar o meio-campo, cuidou da proteção à zaga e o fez muito bem. Ramires não teve a boa atuação de costume, mas, foi importante porque levou consigo a marcação do Grêmio. O Cruzeiro controlou bem o jogo na sua fase mais aguda, mostrando maturidade e equilíbrio.” (João Chiabi Duarte, torcedor e colunista do Cruzeiro.Org)
  • “O Cruzeiro se classificou com méritos, apesar de alguns de seus craques, casos de Wagner e Ramires, não terem jogado metade do que podem. Outro que teve atuação ruim foi o Thiago Heleno. Parecia muito nervoso e sem confiança. Mesmo assim, todos eles foram importantes, por terem sido lutadores. Se a técnica não prevaleceu, a raça entrou em seu lugar. É preciso elogiar o árbitro, o melhor da América do Sul. Outro não teria levado a partida até o fim sem várias expulsões ou sem sucumbir à pressão que o Grêmio se propunha fazer.” (Flávio Carneiro, torcedor)
  • “Leonardo Silva é fundamental. Jogando junto com ele, os cabeças-de-bagre melhoram. É indiscutível. O árbitro, experiente e velhaco, cuidou de colocar água na fervura do jogo. Melhor pra nós do que para o Grêmio. A Ineficiência do ataque até o 1º gol, oriundo de jogada individual do Kléber – quando ele quer fica mais fácil! – foi de preocupar e assustar. A entrada de Thiago Ribeiro assustou mais ainda.” (Evandro Oliveira, torcedor)
  • “Quem consegue marcar Kléber Rooney? O primeiro gol quem fez foi Wellington Paulista, mas quem criou foi Kléber. O energético atacante foi o MVP do confronto. Simplesmente imarcável. Dois gols em dois minutos, e fim de papo. O Cruzeiro foi cirúrgico, frio, e inteligente. Há times que ”esquentam” na hora certa, e fazem tudo direito, independentemente das condições, dos problemas. É o que está acontecendo com o time de Adílson Batista, o técnico que (os próprios cruzeirenses diziam) “não sabe jogar fora de casa”. Imagine se soubesse. Tal qual o rival vermelho, o Grêmio precisava do jogo perfeito para se classificar. Tal qual o rival vermelho, ficou longe disso.” (André Kfouri, em seu blog)
  • “Os primeiros 30 minutos foram aflitivos para os cruzeirenses. Pressão gremista, sempre pelo lado esquerdo do ataque, o lado de Jonathan, a direita celeste. E, então, uma cobrança de lateral pela direita, permitiu a Kléber girar sobre Fábio Santos e levar a bola até a linha de fundo. Até Wellington Paulista finalizar. Os gremistas podem discutir mais uma vez a mudança tática de Autuori. Thiego pegava Kléber, quando este se colocava pela esquerda do ataque. Mas quando saía para a direita, ficava um vazio, entre Fábio Santos e Réver, exatamente como aconteceu no 1º gol no Mineirão. No 2º, Fábio Santos se posicionava como lateral e dava condição de jogo a Wellington Paulista. No 3-5-2, estaria lá em cima, na marcação a Jonathan. O Cruzeiro teve sorte nos primeiros 30 minutos e teve Fábio, de trajetória cada dia mais impressionante. Mas foi Kléber quem mudou o jogo, num lance genial. O Cruzeiro é mais time, embora não tenha mostrado isso plenamente no estádio Olímpico. Pode terminar de mostrar no final da campanha da Libertadores.” (PVC, em seu blog)
  • “Um blogueiro escreveu que Kléber é o melhor jogador em atividade em território brasileiro. Não sei se é o melhor, mas é evidente que tem feito a diferença e jogado a cada dia que passa com mais autoridade e qualidade. Hoje, no Olímpico, o Grêmio não fazia uma grande atuação, mas jogava em cima do Cruzeiro, que não tinha contra-ataque e não conseguia avançar. Até que, aos 32 minutos, o Gladiador recebeu uma bola, girou em cima de Fábio Santos, avançou e cruzou para a conclusão perfeita de Wellington Paulista. Dois minutos depois, o ex-centroavante do Botafogo fazia o segundo, após jogada de Jontahan. Enfim, em dois minutos o Cruzeiro criou duas chances, fez dois gols e acabou com a esperança gaúcha de chegar à final da Taça Libertadores contra o Estudiantes, de Verón. E tudo começou graças a inspiração dele: Kléber. No segundo tempo, exatamente como ontem, na decisão da Copa do Brasil, o Grêmio entrou em campo para dar uma satisfação à apaixonada torcida. Jogou no limite da força, da garra, da luta e se aproveitou de um certo enfado do Cruzeiro para empatar a partida em 2×2, gols de Rever e Souza. Resultado idêntico ao da quarta-feira, com roteiro similar. Na verdade, nas duas competições, a partida de ida é que decidiu tudo. Quem fez o placar folgado em casa, soube jogar com a vantagem, explorou a pressão do rival para reverter o prejuízo e confirmou o favoritismo. Tecnicamente, o time do Cruzeiro é melhor do que o do Grêmio. E, no plano tático, está pronto, até porque está sob comando de Adílson Baptista há dois anos.” (Lédio Carmona, em seu blog)
  • “A justiça, para mim, está no resultado final. Uma equipe pode jogar melhor, mas tem que ser efetiva. Comprometemos nossa situação lá em Belo Horizonte, porque tivemos o jogo nas nossas mãos. O determinante foi o jogo de lá. Poderíamos até jogar por um empate aqui no Olímpico se tivéssemos feito os gols.” (Paulo Autuori, treinador do Grêmio)
  • “O time começou bem, mas tivemos falhas nossas, assim como no primeiro jogo. Eles tiveram duas chances e fizeram. Encurralamos o Cruzeiro o jogo inteiro, mas infelizmente não conseguimos.” (Souza, armador do Grêmio)
  • “Torcedores do Grêmio deram um jeito de aumentar a polêmica de racismo no duelo com o Cruzeiro. Quando o atleta do time mineiro foi para a pista atlética para entrar em campo no 2º tempo, gremistas fizeram som de macaco para ele. A mesma manifestação havia acontecido na etapa inicial, mas para Leonardo Silva, quando ele caiu no chão, lesionado. Foram gritos isolados, nada que representasse todo o estádio, mas perfeitamente identificáveis.” (Globo.Com)
  • “Isso tudo é lamentável. Não tem nada a ver. É ridículo. Ainda bem que foram poucas pessoas. Gostaria de identificá-los e impedir que eles voltassem ao Olímpico. Isso não foi criado pelo Grêmio. É um ato irresponsável. Não temos como controlar a voz de 50 mil pessoas. Se pudéssemos, diríamos para que eles não fizessem nada disso.” (André Krieger, Diretor de Futebol do Grêmio)
  • “É lamentável que isso ainda aconteça no futebol. Não cabe ao Cruzeiro reclamar ou punir, mas as autoridades viram oe jogo. Tomara que elas façam alguma coisa. Tenho certeza de que, se o Maxi López admitisse que chamou o Elicarlos de macaco e pedisse desculpas, nosso jogador não iria adiante com o processo. Mas isso não aconteceu, então acho que ele tem de ir até o fim.” (Zezé Perrella, presidente do Cruzeiro)
  • “Antes do jogo, passou uma faixa em que estava escrito “Somos negros, azuis e brancos: o Grêmio é contra o racismo”. À medida em que a faixa ia rodando em volta do campo, a torcida gritava “Elicarlos, viadôô!”. Mas Eli não foi vaiado quando entrou em campo, pelo menos não mais do que o normal quando há substituição na equipe adversária. A torcida gremista também entoava cânticos xingando a “macacada”, que é como eles se referem ao Inter. Nada relacionado diretamente com o affair Maxi Lopez.” (Rodrigo Abreu, torcedor do Cruzeiro, no Olímpico)
  • “Houve superlotação dentro do estádio e os portões tiveram de ser fechados. As pessoas começaram a empurrar os portões e a querer invadir. Tivemos que fazer essa contenção e evitar que várias pessoas, incluindo mulheres e crianças, fossem esmagadas. Foi um jogo tenso. Na chegada dos torcedores do Cruzeiro, na Avenida Carlos Barbosa, tivemos de conter os torcedores que partiram para cima deles. Foram jogadas pedras, garrafas, foguetes, e tivemos que agir pra evitar uma briga generalizada. Dois policiais ficaram feridos.” (Coronel Jones Calixtrato, comandante do policiamento no Estádio Olímpico)
  • “Levamos sufoco no inicio, quando temi pela vitória, mas depois que o WP fez o 1º gol, a vaca gremista atolou no brejo. Foi sensacional a viagem. Valeu cada perrengue, desde a busca por uma van que nos transportasse do hotel ao Olimpico, até às ameaças dos gremistas no intervalo. Nada de mais grave aconteceu. Havia entre 700 e 1.000 cruzeirenses acompanhando in loco a partida. Fizemos muita festa, muita zoeira com a cara dos gremistas, teve de tudo. Mas, impagável, mesmo, foi a avalanche. E, depois, a cara de tacho do Souza saindo do Olímpico debaixo dos gritos de ”eliminadooooo”. (Othon Gervásio, da Torcida TFC)
  • “O Grêmio tinha condições de chegar, o Palmeiras fez grandes jogos, o São Paulo é uma equipe tradicional e o Estudiantes também teve a capacidade, a competência, trocou o treinador, os jogadores são praticamente os mesmos, manteve um padrão de jogo. Vamos fazer por esse título. A manutenção de grande parte do elenco, do trabalho que eles já sabem, a superação, a vontade, o ambiente criado, a sintonia com a torcida, o respeito, o incentivo, todos esses são fatores que acabam influenciando num desempenho de uma equipe. O Cruzeiro é um bom time, tem bons jogadores, estrutura fantástica, que dá tranquilidade para trabalhar e está no caminho certo. O Grêmio começou bem, pressionou, marcou. Depois que fizemos o gol tivemos mais tranquilidade, fizemos o segundo. Depois da expulsão, poderíamos ter comportamento diferente, mais agressivo. O Grêmio lutou, empatou, criou dificuldades. Mas o Cruzeiro está de parabéns.” (Adílson Baptista, treinador do Cruzeiro)
  • “A gente está próximo de conquistar um título que sempre foi o sonho de todo o grupo, o meu, particularmente, e de toda torcida cruzeirense. Estamos muito perto disso, espero que possamos ser coroados. Fico muito feliz de poder ajudar. Às vezes, a gente não consegue fazer gols, porque a marcação é muito forte e aí tem que arrumar um jeito de fazer uma jogada. Tem acontecido isso comigo. Nos dois últimos jogos, arrumei um jeito de fazer jogadas importantes.” (Kléber, atacante do Cruzeiro)
  • “Até os 20, 25 minutos estava difícil de segurar. Ia bola aérea pra tudo o que era lado, era cruzamento, falta. Tinha que marcar. Foi importante conseguir isso no 1º tempo. E fizemos os gols que tínhamos que fazer.” (Wellington Paulista, atacante do Cruzeiro)
  • “Já estamos acostumados, pegamos o Morumbi e vários outros jogos em estádios lotados. No começo, sofremos muita pressão. É normal isso, pois o Grêmio precisava do resultado. Mas não tomamos o gol e, na oportunidade que tivemos, concluímos bem.” (Jonathan lateral-direito do Cruzeiro)
  • “Foi um ritmo diferente. O jogo estava mais rápido por ser uma semifinal da Libertadores. Espero estar melhor para os próximos jogos. Todo mundo está de parabéns. Conseguimos fazer o primeiro gol quando estávamos sofrendo pressão. Isto esfriou o time deles e nós conseguimos o segundo logo em seguida.” (Ramires, volante do Cruzeiro)
  • “Não chega a ser uma surpresa o grande trabalho de Adílson Batista como técnico do Cruzeiro. Ele sempre foi um estudioso do esporte, mesmo quando era apenas zagueiro.” (Mário Marcos de Souza, do Zero Hora)

Fontes

Transmissão

  • Globo Minas
  • Sportv