Flamengo 1x2 Cruzeiro - 20/08/2009

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para: navegação, pesquisa


Confrontos posteriores e anteriores
Por temporada
Escudo Cruzeiro.png 0x0 Escudo Santos.png Gol aos  do Escudo Cruzeiro.png 4x2 Escudo Náutico.png
Por Campeonato Brasileiro
Escudo Cruzeiro.png 0x0 Escudo Santos.png Gol aos  do Escudo Cruzeiro.png 4x2 Escudo Náutico.png
No estádio Maracanã
Escudo Fluminense.png 1x1 Escudo Cruzeiro.png Gol aos  do Escudo Fluminense.png 1x0 Escudo Cruzeiro.png
Contra Flamengo
Escudo Cruzeiro.png 2x0 Escudo Flamengo.png Gol aos  do Escudo Cruzeiro.png 1x0 Escudo Flamengo.png

[edit]

Escudo Flamengo.png
Flamengo
1 × 2 Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
20ª rodada do Campeonato Brasileiro 2009
Data: 20 de agosto de 2009 Local: Rio de Janeiro, RJ
Horário: 21:00 Estádio: Maracanã
Árbitro: Rodrigo Martins Cintra Público pagante: 12.272
Assistente 1: Emerson Augusto de Carvalho Público presente: Não disponível
Assistente 2: Carlos Augusto Nogueira Junior Renda: R$ 185.195,00 R$ 185.195
Cr$ 185.195
NCr$ 185.195
Cz$ 185.195
NCz$ 185.195
(preço médio: R$ 15,09 )
Súmula: Súmula Borderô
Escalações
Flamengo: Cruzeiro:
1. Bruno 1. Fábio
2. Fabrício Cartão amarelo recebido aos 2. Gil Cartão amarelo recebido aos
3. Ronaldo Angelim 3. Thiago Heleno Substituição realizada  de jogo ( 14. Jancarlos Cartão amarelo recebido aos )
4. David Cartão amarelo recebido aos 4. Leonardo Silva
5. Éverton Silva Cartão amarelo recebido aos 7. Marquinhos Paraná
6. Aírton Cartão amarelo recebido aos 5. Fabrício Gol aos 7 do  (2T) 7'  (2T)
7. Lenon 8. Henrique
8. Fierro Substituição realizada  de jogo ( 34. Camacho ) 10. Gilberto Substituição realizada  de jogo ( 16. Dudu )
9. Jórbison Substituição realizada  de jogo ( 42. Galhardo ) 6. Diego Renan Gol aos 25 do  (2T) 25'  (2T)
10. Adriano 11. Thiago Ribeiro Cartão amarelo recebido aos Substituição realizada  de jogo ( 18. Soares )
11. Emerson Gol aos  do Substituição realizada  de jogo ( 17. Maxi ) 30. Kléber
Técnico: Andrade Técnico: Adilson Batista
Reservas que não entraram na partida
Flamengo: Cruzeiro:
20. Diego 12. Rafael
23. Wellinton 13. Vinícius Santos
39. Rômulo 15. Fabinho Alves
9. Dênis Marques 9. Wellington Paulista


Pré-Jogo

O Cruzeiro está em 15º lugar com 21 pontos, um a mais do que o Botafogo, o primeiro da zona de rebaixamento.

Se vencer, pode avançar para o 13º posto. Empatando, fica onde está. Se perder, pode terminar a rodada junto com a turma do rebolo.

O Flamengo ocupa a 12ª posição com 27 pontos.

O lateral-direito Jonathan, contundido, é o principal desfalque do bicampeão mineiro. No tricampeão carioca, faltarão os alas Leo Moura e Juan, o volante Kléberson e o cabeça-de-bagre, ops!, de área, Toró, todos machucados.

O Flamengo, por jogar em casa, é o favorito. Mas o Cruzeiro pode surpreender, caso recupere um pouco do futebol que jogou em seus melhores momentos no primeiro semestre, quando ainda tinha Ramires, Wagner e, principalmente, entusiasmo.

Como foi

Primeiro Tempo

  • 21h01 – Cruzeiro, todo de azul, defende o gol à direita das cabines. Flamengo com uniforme tradicional.
  • 01 – Flamengo entra no 3-5-2, Cruzeiro no 3-4-1-2. Chuva fina no Maracanã.
  • 03 – Fierro cobra escanteio da direita, Leonardo Silva (LS) corta de cabeça.
  • 04 – Fierro cobra falta de longe,por cima do travessão.
  • 06 – Marquinhos Paraná (MP) passa a Fabrício, que chuta de fora da área. Bola passa à esquerda de Bruno.
  • 08 – Adriano avança pelo campo de defesa do Cruzeiro, mas é desarmado por Thiago Heleno (TH).
  • 09 – Fierro cruza, Fábio defende.
  • 10 – Flamengo tem mais a posse de bola.
  • 11 – Diego Renan passa por dois adversários, entra na área do Flamengo mas, travado, chuta à esquerda de Bruno.
  • 12 – Adriano recebe de Emerson na entrada da área, limpa a jogada e chuta. Fábio defende.
  • 13 – MP chuta rasteiro da entrada da área, Bruno defende.
  • 15 – Fierro cobra falta para dentro sobre a área, Fábio sobe bem e fica com a bola.
  • 17 – Fabrício chuta de fora da área, Bruno defende.
  • 19 – Kléber recebe na esquerda e cruza rasteiro pra área. Thiago Ribeiro (TR) passa a Diego Renan (DR), que não consegue concluir a jogada.
  • 22 – Adriano lança Everton Silva na área, Fábio sai o gol e fica com a bola.
  • 23 – David aplica carrinho em Kléber e recebe cartão amarelo.
  • 24 – Gilberto cobra falta da entrada da área, por cima do travessão.
  • 25 – Jogo equilibrado. Volantes do Cruzeiro se mandam para o ataque e a defesa tem dificuldades para conter Emerson.
  • 26 – Aírton dá uma patada em Kléber, mas juiz manda seguir.
  • 28 – Bruno sai jogando displicentemente, Gilberto fica com a bola e cruza. Cara-a-cara, com Bruno, Kléber arremata, mas o goleiro defende com o pé esquerdo.
  • 29 – Fierro cobra escanteio da direita, Adriano ajeita para Emerson, que toca de cabeça, por cobertura. Bola passa por cima de Fábio e se choca com o travessão. No rebote, TH despacha.
  • 30 – Finalizações: Cruzeiro 7×2.
  • 31 – TR avança pela esquerda e chuta cruzado. Ronaldo Angelim (RA) corta.
  • 32 – Gil comete falta em Emerson e recebe cartão amarelo.
  • 33 – Jorbison, mesmo cercado por Marquinhos Paraná, cruza da esquerda, Emerson sobe mais que Thiago Heleno e cabeceia cruzado, sem chances para Fábio: Flamengo 1×0.
  • 35 – Emerson sente uma contusão, cai e é retirado de campo.
  • 37 – Jorbison cruza da esquerda, Adriano cabeceia, Fábio defende.
  • 40 – Henrique cruza, Fabrício cabeceia, bola desvia em Angelim e fica com Bruno.
  • 42 – Jorbison cai no gramado, juiz para o jogo.
  • 43 – TR passa a Kléber que, cercado pro três adversários, entra na área, cai e pede pênalti. Juiz manda seguir.
  • 44 – Thiago Ribeiro comete falta em Emerson, reclama e recebe cartão amarelo.
  • 45 – MP chuta forte da entrada da área, Bruno espalma.
  • 46 – Everton vai à linha de fundo, pela esquerda, e cruza. Diego Renan (DR) corta.
  • 47 – TR é derrubado na lateral da área, juiz manda seguir.
  • 48 – Fim de 1º tempo. Alas do Cruzeiro, Marquinhos Paraná e Diego Renan não foram eficientes no apoio. Jorbison, 17 anos, embora nervoso, fez três cruzamentos perigosos, um deles resultando em gol. Thiago Ribeiro e Kléber foram controlados pela zaga do Fla. Defesa celeste teve dificuldades para marcar Emerson. E proteção adequada dos volantes, passou aperto com atacantes rubronegros.
  • Emerson: “Estou com a cabeça aqui no Flamengo e muito satisfeito com isto.”
  • Kléber: “Emerson e Adriano ajudam muito na marcação e isto dificulta muito nosso time.”

Segundo Tempo

  • 22h08 – Começa o 2º tempo. Flamengo volta sem alterações. Cruzeiro volta com Jancarlos em lugar de Thiago Heleno. O esquema passa de 3-4-1-2 para 4-3-1-2.
  • 02 – Jancarlos chuta da entrada da área, Bruno defende em dois tempos.
  • 04 – Jancarlos vai à linha de fundo, cruza, mas o juiz marca falta de Kléber no ataque.
  • 07 – Fabrício lança Diego Renan, Gilberto faz o corta-luz, lateral vence disputa com Everton Silva e chuta forte, rasteiro. Bola passa por baixo do corpo de Bruno e vai para as redes. Cruzeiro 1×1.
  • 09 – Everton Silva faz jogada pela direita, entra na área, mas é travado por LS. Escanteio.
  • 11 – Henrique passa a Jancarlos, que cruza da direita. Fabrício, do Flamengo, corta, de cabeça.
  • 12 – DR recebe na esquerda e cruza rasteiro. Não aprece atacante do cruzeiro para finalizar.
  • 13 – David cruza da direita, Fábio defende.
  • 14 – Camacho substitui Fierro.
  • 15 – Rafael Galhardo substitui Jorbison, machucado.
  • 19 – Soares substitui Thiago Ribeiro.
  • 21 – Galhardo cruza, Gil corta.
  • 23 – Gilberto rola para Henrique que, da entrada da área, chuta, mas a bola acerta Angelim.
  • 24 – Camacho lança Adriano, que é desarmado, na meia-lua, por Gil.
  • 25 – Henrique lança Soares, que é desarmado por Bruno. Bola sobra para Fabrício, fora da área. O volante acerta um chute de primeira, bola ganha efeito, engana Bruno e vai para as redes, no meio de arco flamengo. Cruzeiro 2×1.
  • 27 – Escanteio cobrado da direita, LS corta.
  • 28 – Everton Silva derruba Soares e recebe cartão amarelo.
  • 29 – Maxi Biancucci substitui Emerson, contundido.
  • 30 – Dudu substitui Gilberto.
  • 33 – Bola recuada para Bruno, que é vaiado pela torcida flamenga.
  • 34 – Camacho chuta de fora da área, Fábio defende.
  • 35 – Flamengo ataca, Cruzeiro se defende congestionando campo de defesa.
  • 36 – Camacho invade a área, LS desvia para escanteio.
  • 37 – Dudu lança Jancarlos, Galhardo chega antes e desvia para escanteio.
  • 38 – Fabrício, do Flamengo, comete falta dura em Kléber e recebe cartão amarelo.
  • 39 – DR avança pela esquerda entra na área, volta para Kléber, que chega atrasado e não consegue arrematar.
  • 40 – Torcida do Flamengo xinga o goleiro Bruno. Time carioca ataca desordenadamente. Cruzeiro, fechado na defesa, segura o placar.
  • 41 – Jancarlos cobra falta da entrada da área, bola sai pela linha de fundo.
  • 42 – Galhardo cruza, LS corta para escanteio.
  • 43 – Jancarlos derruba Camacho na lateral da área, e recebe cartão amarelo.
  • 44 – Airton derruba Dudu e recebe cartão amarelo. Cartões amarelos: 3×3
  • 45 – Kléber derruba Fabrício, do Flamengo, que sai de campo com joelho inchado, nos ombros de dois assistentes da comissão técnica do Flamengo.
  • 47 – Dudu chuta, Bruno defende.
  • 48 – LS derruba Adriano. Falta cobrada por Galhardo e defendida por Fábio.
  • 49 – Fim de jogo. Cruzeiro dominou o 2] tempo com os laterais, Jancarlos e Diego Renan apoiando o ataque. Os voalntes só se contiveram quando o Cruzeiro virou o placar o Flamengo passou a pressionar. Gil e Leonardo Silva rebateram o que foi preciso e, principlamente, não deram espaços ao Imperador Adriano, artilheiro do campeonato, que passou em branco. Com muitos garotos, o Flamengo não teve categoria para armar jogadas e, com a saída de Emerson, ficou ainda mais previsível.
  • Fabrício: “Eu treino muito e chuto pra caramba!”
  • Bruno: “Tenho aceitar as vaias e ter cabeça no lugar, pois o time precisa de mim.”

Atuações

  • Adílson Baptista – Inventou um esquema novo, que ruiu pelas más atuações individuais do armador, do principal atacante e dos beques, no 1º tempo. Na etapa final, após correta leitura das deficiências da equipe, conseguiu, no velho 4-4-2 dominar o adversário até virar o placar. Daí em diante, com um time mais rodado, segurou o ímpeto juvenil dos flamenguinhos e conquistou três pontos fundamentais nesta fase de reinvenção do time.
  • Torcida – A Máfia Azul, que vai em todas, nas boas e também nas podres, estava lá. Torcedores avulsos, não tantos como a ocasião exigia, também foram apoiar o time. Que não se deu ao trabalho de ir até o setor ocupado por seus torcedores prum aceno de agradecimento que fosse.
  • Fábio – Poderia ter saído pra tentar o corte no cruzamento que originou o gol do Flamengo, mas preferiu esperar a bola dentro do arco -o que era uma opção válida no caso- e foi vencido por uma cabeçada em diagonal de Emerson. Nos demais lances, a maestria de sempre, principalmente, nas saídas por baixo.
  • Gil – Teve dificuldades nas coberturas pela direita, mas não na caçada a Adriano. No 2º tempo, quando o Fla se desesperou, mesmo sob pressão, não cometeu erros.
  • Leonardo Silva – Mesmo sem ter uma atuação irretocável, foi o mais consciente da defesa nas fases em que ela teve três e dois beques.
  • Thiago Heleno – Perdeu a disputa, pelo alto, com Emerson no lance que originou o gol flamengo. Cometeu outros pecadilhos, mas este é o que ficará gravado na memória do torcedor implacável. No tempo em que jogou, a bequeira estava testando um novo modelo e não se saiu bem. No 2º tempo, quando ela ficou quartro defensores de ofício, ele já não estava em campo pra se aferir se, em CNTP, cometeria os erros do 1º tempo. Mas o torcedor já implicou com ele. Espera-se que, nos próximos dias, ele seja visto em todas as boates do circuito Manhattan-Belzonte, que particpe de dezenas de reuniões exigindo aumento de premiação, que corte a mesada de todos os parentes necessitados e que seja castigado com entradas violentas dos colegas de equipe nos treinos. No mundo fantasioso do torcedor, não há meio termo. Jogador só pode receber dois papéis: bandido ou mocinho. Na verdade, TH só precisa de um pouco de sossego, de uma sessão de treinos técnicos e de apoio do treinador e dos colegas pra voltar a ser um beque confiável.
  • Jancarlos – Fez boas jogadas ofensivas no início do 2º tempo. Depois, com o placar a favor, guardou posição na defesa. Por algum tempo, ficará livre dos perseguidores implacáveis.
  • Marquinhos Paraná – Volante, ala-direita, armador, outra vez, cumpriu várias funções no mesmo jogo. Com tranquilidade, mas sem grandes exibições de técnica e tampouco erros grosseiros. Com ele na linha de volantes, o time tem posiocionamento mais sóbrio equilibatrndo ataque e defesa. Em seu pior momento, não conseguiu evitar o cruzamento que resultou no gol flamengo.
  • Henrique – Lutador. Errou passes, mas correu atrás da bola para recuperá-la a cada mancada cometida na fase em que se revezou com Paraná na direita. Na posição de fé, esteve quase perfeito. Virou, quem diria?, peça-chave no time.
  • Fabrício – Lutou como sempre. E como sempre se mandou para o ataque sem medo de ser feliz. Como prêmio, pegou, de prima, um rebote e a bola, com muita rosca, enganou Bruno no gol da virada celeste. É outro que receberá indulto da torcida nas próximas rodadas.
  • Diego Renan – Saiu pouco no 1º tempo. No 2º, com a defesa voltando à formação habitual, atacou com mais decisão. Leve-se em conta, também, que não havia motivos pra ficar atrás com o placar desfavorável. Fez outro belo gol, numa jogada de raça, chute forte e sorte em que a bola passou por baixo do corpanzil do goleiro rubronegro.
  • Gilberto – Malemolente por experiência já que, se correr como corria Wagner, não joga meia hora. Só que, frente a um time de garotos entusiasmados como o Flamengo, sempre havia alguém fungando em seu cangote e dificultando sua tarefa de armador. Rendeu pouco, mas deixou sua marca, até meio sem querer, ao permitir a passagem da bola com a qual Diego Renan empatou a partida.
  • Dudu – Jogou pouco tempo, mas não economizou entusiasmo nem energia.
  • Thiago Ribeiro – Rendeu pouco. Nem foi o jogador veloz e combativo de outras oportunidades, nem criou jogadas para os volantes e para o atacante de referência, Kléber, que, envolvido numa guerra particular contra os beques, não aparecia na aárea. Sem ter com quem jogar e sem habilidade para levar a defesa rival “no peito” teve atuação apagada.
  • Soares – Embora, sem resultados práticos, correu por todos os lados. Adílson precisa acertar o posicionamento de seu principal atacante para que os figurantes saibam o que fazer em campo.
  • Kléber – Optou, mais uma vez, por jogar sozinho. Em sua batalha particular contra beques e volantes, recebe muitas faltas no meio de campo e, de vez em quando, também acerta um adversário de jeito. Fabrício, que saiu de campo carregado após uma disputa com o Gladiador, foi sua vítima nesse jogo (embora õ lance mereça análise mais detida nos teipes que serão exibidos no correr do dia). Se ficasse mais próximo ao gol adversário, facilitaria as coisas para os volantes, laterais e atacantes que teriam a quem servir.
  • Juiz & Bandeiras – De saco cheio com reclamações infundadas de Ribeiro, o Juiz deixou de marcar uma falta clara sobre ele na entrada da área. Também não viu maldade na disputa entre Kléber e Fabrício que tirou o garoto flamengo de campo. Só mesmo um exame detalhado do lance na TV poderia garantir se houve maldade do atacante celeste. O que o blogueiro só fará mais tarde. De resto, apitou com sobriedade e senso de justiça.
  • Adversários – Muito desfalacado, o Fla lançou mão de um bando de garotos, promissores mas nervosos, que não deram conta de segurar a pressão celeste no 2º tempo. Jorbison, Camacho e Fabrício foram os melhores. Adriano perdeu o duelo contra os beques celestes, mas Emerson levou vantagem sobre eles até que uma distensão muscular o tirasse de campo. O goleiro Bruno foi o cara a ser vaiado na noite chuvosa do Rio. A torcida não se espantou com a qualidade dos chutes que o abateram, mas somente com o fato de uma vitória que não parecia difícil ter acabado em inadmissível derrota em casa.


O que foi dito

  1. Mauro França disse: “O 1º tempo foi equilibrado. E tecnicamente fraco, com os times errando muitos passes. O Cruzeiro estava ligeiramente melhor quando sofreu o gol. O Flamengo tinha espaços pelos lados, especialmente pela direita. No 2º tempo, com a troca de Thiago Heleno por Jancarlos, Adílson Baptista consertou a defesa. Nessta fase, a zaga e o trio de volantes jogaram muito bem.”
  2. Gleyton disse: “A escalação de três zagueiros do 1º tempo mostrou que Adilson tinha teve dificuldade pra montar o time e também sua falta de confiança em alguns reservas. O esquema não funcionou muito bem, embora o time não tenha jogado tão mal. O problema não foi tanto o esquema, do qual Adilson nem gosta, mas a falta de qualidade de jogadores de defesa pra executá-lo.”
  3. Arthur Alvarenga disse: “Com três bons jogadores de frente, especialmente, Adriano e Emerson, o Flamengo foi pra cima, carimbou o travessão de Fábio e guardou uma bola de cabeça numa jogada em que Thiago Heleno não disputou adequadamente. O árbitro colaborou com o time local. Não por ter deixado de marcar um pênalti cavado por Kléber, mas por três faltas sobre Thiago Ribeiro que ele não marcou. Serve de lição para os que insistem em desdenhar as conspirações. Fabrício, que chutou muitas bolas do meio da rua, e Henrique não estiveram bem, mas o meio de campo funcionou. No 2º tempo, com a boa entrada de Jancarlos, ou melhor, com a boa saída de Thiago Heleno, o time mudou de postura e foi pra frente e empatou com um chute forte de Diego Renan. E virou com uma bola que Fabrício pegou “na veia” e quicou na pequena área, enganando Bruno. A torcida do Urubu vaiou, xingou seu goleiro e cuspiu marimbondo. O árbitro, então, começou a marcar tudo pro Fla e nada pro Cruzeiro.Mas os três pontos vieram, mesmo, pra Beagá.”
  4. Mauricio Sangue Azul disse: “Todos os créditos pela vitória devem ser dados ao Adílson Baptista, pois suas alterações deram resultado. Jancarlos, surpreendentemente, entrou muito bem. Soares deu mais movimentação ao ataque e o garoto Dudu está de parabéns, pois está entrando bem disposto e mostranmdo seu trabalho cada vez que entra na equipe. O melhor em campo hoje foi o Diego Renan. Ele está jogando muita bola e se continuar assim será titular em pouco tempo. O Gladiador continua devendo uma boa atuação desde as semifinais da Libertadores. Ele precisa se preocupar mais em jogar futebol e falar menos dos aspectos extra-campo. Vale, pra ele, a recomendação do Rei Juan Carlos, da Espanha: ‘Por que não te calas?’ Competência pra jogar futebol, ele tem de sobra.”
  5. Franklin Bronzo disse: “Durante o jogo, comentava com meus botões: ‘o Cruzeiro tem de ganhar hoje, de qualquer jeito’. Por sua posição incômoda na tabela e pelo time do Flamengo que estava em campo, sem seis titulares e com outros se machucando ao longo do jogo. E, muito importante também, pela correta atuação do árbitro, apitando sem ver a cor de camisas. A derrota, e mesmo o empate, seria uma ducha fria no propósito do time de embalar no certame. O 1º tempo foi desanimador, pois o Cruzeiro não se encontrou, muito em função, na minha opinião, do vazio que ficou no meio-campo, com Marquinhos Paraná jogando na ala direita. Adílson corrigiu o esquema no 2º tempo, sacando Thiago Heleno e, mesmo sem muita ênfase, colocando o Jeancarlos para apoiar o ataque. O time mostrou vontade e conseguiu a ótima vitória. Grata realidade o Diego Renan, confirmando o potencial mostrado nos juniores e sendo cuidadosamente lançado pelo treinador. Fabrício recuperando sua boa forma, que completa com muita raça, gana e dedicação. Soares fez bem o papel de puxar os contra-ataques e incomodar a saída de bola adversária. Kléber está jogando, para mim, fora de sua real posição, que deve ser dentro da área, a aproveitar seu poder de finalização contra os zagueiros. Vindo buscar jogo e fazendo o ‘pião1, como tem feito, não consegue ser produtivo, apesar de sua luta incessante.”
  6. Jadir Cardoso disse: “Henrique não foi bem no 1º tempo. O Cruzeiro não esteve bem. Venceu porque o adversário era muito fraco. O time precisa melhorar muito para crescer na competição. O ataque está muito previsível e o futebol do Kléber caiu muito. Os pontos positivos foram as atuações do Diego Renan e do Gil, dois bons reforços pro restante da temporada. O plantel continua muito desequilibrado, pois faltam zagueiros e lateral-esquerdo pra compor o grupo. Falta também um meia de ligação, pois Gilberto não é solução para suprir esta carência da equipe.”
  7. Alan Mendonça disse: “O 1º tempo não foi bom. Mas o Cruzeiro foi melhor. Thiago Heleno quase entregou um gol num recuo por cobertura. Não conseguiu, mas, depois, perdeu disputa pelo alto com Emerson, que fez o gol do Flamengo. Adilson poderia ter mexido no já no 1º tempo, pois era clara a dificuldade do time com três zagueiros e uma péssima atuação do Heleno. Quando aconteceu o empate, eu teria trocado um dos volantes pelo Dudu, pois só a vitória interessava. Mas ele provou que estava certo e sabe o que faz. E o gol da vitória foi apenas questão de tempo. Adílson herdou a teimosia, mas também muitos ensinamentos do Mago Ênio Andrade.”
  8. Celeste Campos disse: “Parabéns ao time por mais uma vitória. E força ao Adilson Baptista pra aguentar tantas críticas. Creio que o Thiago Heleno não desaprendeu a jogar futebol, mas está precisando de ficar fora por algum tempo. E a dupla de ataque destoou do restante do time. Thiago Ribeiro produz pouco e Kléber joga pra si próprio.”
  9. Matheus Penido disse: “Parece que o Flamengo está virando freguês do Cruzeiro, mesmo. O 1º tempo foi morno, com muitos passes errados no meio e nenhum dos times progredindo. Mesmo melhor distribuído, o Cruzeiro esbarrava nos passes errados. Paraná e Fabrício iam muito ao ataque, mas erravam nas conclusões e os atacantes não pareciam pra jogar. Thiago Ribeiro não consegui fazer jogadas individuais nem se aproximava do Kléber, que também não cumpria seu papel de centroavante, pois prendia muito a bola e ficavas longe da área. Apesar disso, o Cruzeiro cresceu na partida, se aproveitando da insegurança do trio de zaga do Flamengo e quase marcou com Kléber. Isto sem contar várias bola perigosas que rondarama área flamenga sem que ninguém aparecesse pros arremates. Acabou que foi o Fla o primeiro ma marcar, numa jogada em que, se tivesse em boas condições físicas, Paraná não teria permitido o cruzamento de Jorbison. Também foi bonita a conclusão, de cabeça, de Emerson marcado pelo pesadão Thiago Heleno. O Cruzeiro sentiu um pouco o gol e continuou sofrendo com as jogadas do rápido Emerson em cima do pesadão. Na 2ª etapa, Adílson acertou ao desmontar o trio de zaga que, por falta de entrosamento e de compatibilidade de características de seus membros não funcionou. Inesperadamente, Jancarlos entrou bem na partida e o Cruzeiro se mandou pro ataque com os 2 laterais, com Fabrício e, em certos momentos, até com o Henrique. O jovem time do Flamengo não suportou a pressão e sofreu dois gols, fruto de pura raça celeste. No final, ainda houve certa pressão flamenga, que a defesa celeste suportou bem.”
  10. Hugo Serelo disse: “O que mata de raiva é o Cruzeiro não saber valorizar a posse de bola quando está ganhando. O time poderia ter botado o Flamengo na roda se não fosse tão afoito. Quem percebeu isso foi um menino de 17 anos, que teve a malícia de prender a bola na ponta-esquerda. Ali, Dudu deu uma aula de catimba pros marmanjos.”

Vídeos

Gols

Transmissão

  • Sportv

Links e Fontes