Figueirense 1x0 Cruzeiro - 22/05/2011

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Cruzeiro.png 2x0 Escudo Atlético-MG.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x1 Escudo Palmeiras.png
Por Campeonato Brasileiro 2011
← Primeira ficha Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x1 Escudo Palmeiras.png
No estádio Orlando Scarpelli
Escudo Figueirense.png 3x4 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Figueirense.png 2x0 Escudo Cruzeiro.png
Contra Figueirense
Escudo Figueirense.png 3x4 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 2x4 Escudo Figueirense.png

[edit]

Escudo Figueirense.png
Figueirense
1 × 0 Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
1ª rodada do Campeonato Brasileiro 2011
Data: 22 de maio de 2011 Local: Florianópolis, SC
Horário: 16:00 Estádio: Orlando Scarpelli
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca Público pagante: 10.231
Assistente 1: Rodrigo Pereira Jóia Público presente: Não disponível
Assistente 2: Luiz Antônio Muniz de Oliveira Renda: R$ 120.670,00 R$ 120.670 <br />Cr$ 120.670 <br />NCr$ 120.670 <br />Cz$ 120.670 <br />NCz$ 120.670 <br /> (preço médio: R$ 11,79 )
Súmula: Súmula Borderô
Escalações
Figueirense: Cruzeiro:

1. Wilson 1. Fábio
2. Bruno Cartão amarelo recebido aos 2. Leandro Guerreiro Cartão amarelo recebido aos 48  (2T) 48'  (2T)  
3. João Paulo Cartão amarelo recebido aos 3. Gil
4. Edson 4. Léo Cartão amarelo recebido aos 10  (2T) 10'  (2T)  
5. Ygor 5. Marquinhos Paraná  aos do Substituição realizada 34' (2T) de jogo 34' (2T) ( Fabrício )
6. Juninho 6. Gilberto Cartão amarelo recebido aos 16  (2T) 16'  (2T)  
7. Túlio Cartão amarelo recebido aos Substituição realizada de jogo ( 15. Coutinho ) 7. Roger Substituição realizada 8' (2T) de jogo 8' (2T) ( 17. Dudu )
8. Maicon 8. Henrique
9. Reinaldo Substituição realizada de jogo ( 18. Lenny ) 9. Wallyson
10. Wellington Substituição realizada de jogo ( 16. Pittoni ) 10. Montillo Substituição realizada de jogo ( 18. Ortigoza )
11. Héber Cartão amarelo recebido aos 11. Thiago Ribeiro
Técnico: Jorginho Técnico: Cuca
Reservas que não entraram na partida
Figueirense: Cruzeiro:

Pré-Jogo

O Cruzeiro não contará com o zagueiro Victorino, vetado pelo DM. Gilberto treinou na lateral esquerda, mas é dúvida. Francisco Everton é o provável substituto.

Lance a lance

Primeiro Tempo

  • 15h50 – O time da casa entra em campo após dois anos fora da primeira divisão do campeonato brasileiro.
  • 15h55 – O time do Cruzeiro entra em campo debaixo de vaias.
  • 15h56 – Execução do Hino Nacional Brasileiro
  • 15h59 – Gilberto: “Vamos tentar fazer o melhor para começar o campeonato com pé direito”.
  • 16h – Começa o jogo
  • 02 – Escanteio cobrado na área do Cruzeiro, mas Henrique afasta o perigo com um chutão
  • 03 – Defesaça! Roger, na ponta direita, cobra falta fechada no ângulo esquerdo e Wilson se estica todo e espalma impedindo o primeiro gol do Cruzeiro
  • 05 – Defesaça! Wallyson faz passe preciso na área para Thiago Ribeiro que livre de marcação, chuta cruzado porém Wilson fecha o ângulo e faz grande defesa. Por pouco, a equipe mineira não abre o placar
  • 07 – Cruzeiro começa o jogo pressionando em busca do primeiro gol
  • 08 – Montillo tenta o passe com Wallyson na meia esquerda mas a zaga do Figueirense intercepta o passe
  • 10 – Reinaldo é lançado na meia direita mas a bola corre muito e se perde pela linha lateral
  • 12 – Marquinhos Paraná toca na meia direita para Montillo porém Juninho se antecipa e intercepta o passe
  • 13 – Falta cobrada na área do Cruzeiro e Gilberto tira de cabeça
  • 14 – Héber, na entrada da área, cercado por dois marcadores, chuta rasteiro no canto esquerdo e Fábio sem problemas fica com a bola
  • 15 – Jogo morno com poucas chances de gols para as duas equipes
  • 17 – Wallyson, na meia direita, descola cruzamento na área porém Bruno, de cabeça, afasta o perigo
  • 18 – João Paulo segura Wallyson e recebe o amarelo
  • 19 – Defesaça! Montillo, na meia esquerda, cobra falta fechada e Wilson com as pontas dos dedos impede o primeiro gol da partida
  • 20 – Defesaça! Bola levantada na área do Cruzeiro, Reinaldo, livre de marcação, domina e chuta rasteiro no canto esquerdo mas Fábio se estica todo e espalma impedindo o primeiro gol do figueira
  • 23 – Roger, na ponta direita, cobra falta fechada e Wilson sai do gol e segura a bola
  • 24 – Wellington desce pela direita e rola para Reinaldo que domina mal facilitando o desarme de Henrique
  • 25 – Thiago Ribeiro, na meia esquerda, cercado por dois marcadores, chuta cruzado sem perigo ao lado do gol
  • 26 – Roger lança Thiago Ribeiro na ponta esquerda mas Bruno intercepta o passe
  • 28 – Wellington, na intermediária, cobra falta no meio da área porém a bola sobe muito e fica nas mãos de Fábio
  • 29 – Roger cobra falta direta no canto esquerdo e Wilson sem dar rebote agarra a bola
  • 30 – O Cruzeiro joga pelo os lados do campo enquanto que o figueira se fecha todo e joga nos contra-ataques
  • 32 – Reinaldo, na grande área, chuta cruzado, a bola desvia na zaga e Fábio sem problemas faz a defesa
  • 34 – Maicon lança Wellington na área mas está marcado o impedimento do meia do Figueira
  • 35 – Baliza! Thiago Ribeiro, na ponta direita, cruza bola na área mas a bola sobe muito, bate na trave e se perde pela linha de fundo
  • 38 – Edson lança Héder na área mas Léo se antecipa e intercepta o passe
  • 39 – Túlio por reclamação é advertido com o amarelo
  • 41 – Ygor faz falta em Roger e é punido com o amarelo
  • 43 – Maicon tenta o passe em profundidade na área para Héber porém Léo intercepta o passe
  • 44 – Túlio arrisca de fora da área mas a bola vai sem perigo por cima do gol
  • 45 – Fim do 1º tempo
  • Jorginho: “A gente precisa de ter mais posse de bola. Não adianta dá chutão, tem que jogar.”
  • Henrique: “Finalizamos pouco, precisamos criar mais oportunidades para fazer o gol e sair com a vitória. O último passe é fundamental e estamos errando neste aspecto.”

Segundo Tempo

  • 17h15 – Começa a segunda etapa
  • 02 – Gol! Escanteio cobrado na área do Cruzeiro, Fábio afasta de soco, a bola bate na cabeça de Marquinhos Paraná e vai parar no fundo do gol
  • 04 – Héber, na entrada da área, chuta cruzado no canto direito mas Fábio sem problemas segura a bola
  • 05 – A torcida do figueira canta alto no Orlando Scarpelli comemorando o gol contra de Marquinhos Paraná
  • 06 – Wallyson, na meia direita, descola cruzamento na área porém a zaga do Figueirense faz o corte
  • 07 – Defesaça! Wallyson arrisca de fora da área e Wilson salta e espalma

impedindo o gol do Cruzeiro

  • 08 – Muda o Cruzeiro: sai Roger, entra Dudu
  • 09 – Muda o Figueirense: sai Túlio, entra Coutinho
  • 10 – Léo faz falta em Coutinho e recebe o amarelo
  • 11 – Reinaldo, na entrada da área, cobra falta direta mas a bola explode em cima da barreira
  • 12 – O segundo tempo começa movimentado com as duas equipes criando chances de gols
  • 14 – Escanteio para o Figueirense. Bola levantada na primeira trave e Gilberto tira de cabeça
  • 15 – Coutinho toca para Wellington, na entrada da área, porém Gilberto se antecipa e faz o desarme preciso
  • 16 – Gilberto por reclamação é advertido com o amarelo
  • 18 – Wellington, na meia direita, cercado de perto por Leandro Guerreiro, chuta cruzado porém a bola vai sem perigo ao lado da trave esquerda de Fábio
  • 19 – Montillo, na área, cercado por dois marcadores, chuta cruzado mas Wilson sem problemas faz a defesa
  • 21 – Muda o Cruzeiro: sai Montillo, entra Ortigoza
  • 22 – Thiago Ribeiro, na intermediária, faz jogada individual porém a defesa do figueira faz o desarme limpo
  • 23 – O Cruzeiro toca a bola no meio de campo buscando um espaço na defesa do Figueirense para empatar o jogo
  • 24 – Héber comete falta em Marquinhos Paraná e leva o amarelo
  • 25 – Defsaça! Cobrança de falta ensaiada, Dudu rola para Gilberto que enche o pé mas Wilson ceai e espalma impedindo o gol de empate do time celeste
  • 28 – Baliza! Contra-ataque rápido do figueira puxado por Wellington que toca na área para Reinaldo. O atacante do Figueirense chuta cruzado e a bola bate na trave e se perde pela linha de fundo
  • 29 – Muda o Figueirense: sai Wellington, entra Pittoni
  • 30 – Defesaça! Héber arrisca de fora da área no canto esquerdo mas Fábio se estica todo e com as pontas dos dedos impede o segundo gol dos donos da casa
  • 32 – Jogo equilibrado na segunda etapa com as duas equipes criando chances de gols
  • 34 – Muda o Cruzeiro: sai Marquinhos Paraná, entra Fabrício
  • 35 – Ortigoza, na grande área, cercado por dois marcadores, cai pedindo pênalti porém o juiz manda seguir a partida
  • 37 – Fabrício desce pela direita e descola cruzamento na pequena área mas Wilson sai do gol e agarra a bola
  • 38 – Bruno comete falta em Gilberto e leva o amarelo
  • 39 – Desperdício! Fabrício, cruza rasteiro, Thiago Ribeiro divide bola com Bruno e a bola vai pela linha de fundo. O Cruzeiro desperdiça uma boa oportunidade
  • 40 – Muda o Figueirense: sai Reinaldo, entra Lenny
  • 42 – Pressão da equipe celeste em busca do gol de empate
  • 43 – WILSON!!!! Ortigoza, na entrada da área, chuta cruzado, Wilson espalma e na sequência do lance a zaga do figueira faz o corte
  • 44 – Três minutos de acréscimo.
  • 45 – A torcida do Figueira canta alto comemorando a vitória parcial em cima do Cruzeiro
  • 46 – O Figueirense recua todo e só defende nesses minutos finais de partida
  • 48 – Amarelo! Leandro Guerreiro reclama.
  • 48 – Fim de jogo
  • Maicon: “Jogamos com muita garra, com muita vontade e conquistamos os três pontos. Está todo mundo de parabéns!”

Números

Bolas perdidas: Cruzeiro 36×30. Passes certos: Cruzeiro 274×242. Desarmes: Figueirense 94×87. Faltas: Figueirense 22×11. Finalizações certas: Cruzeiro 10×5. Finalizações erradas. Figueirense 6×4.

Vídeos

Melhores momentos. Globoesporte.com

Atuações

  • Fábio – No 1º tempo, fez grande defesa em chute à queima roupa de Reinaldo e era o principal responsável pelo empate. Assim como foi o responsável pelo gol contra de Paraná, quando socou a bola nas costas do volante.
  • Marquinhos Paraná – Há que se julgar sua atuação pela função que lhe foi atribuída. Como lateral improvisado, ele deveria fechar os espaços e não deixar o adversário criar por ali. Foi o que fez. Quando saiu, inclusive, o Figueirense criou a única jogada pelo setor. Ofensivamente ele não participou e o treinador sabia disso. Não dá pra cobrar que ele chegue à linha de fundo, assim como não dá pra cobrar que o Leandro Guerreiro faça lançamentos ou que o Roger Galera roube oito bolas por partida. Não teve culpa no lance do gol.
  • Leo Simões – Alternou momentos de lucidez e susto. Desarmava bem, mas complicava na hora de sair jogando. Tem hora que o bom e velho chutão é o melhor caminho.
  • Gil – Manteve a regularidade das partidas anteriores. Jogou com seriedade, sempre firme na marcação e simplicidade na saída de bola.
  • Gilberto – Dos três jogadores mais habilidosos, é quem vive a melhor fase. Pela quinta vez consecutiva, começou como lateral e terminou como meia. Um dos poucos a procurar os companheiros para tabelas ou lançamentos. Deu trabalho para Wilson com os chutes fortes de canhota.
  • Leandro Guerreiro – Mais uma boa jornada à frente da zaga. Bem posicionado, foi eficiente no seu papel: desarme e passe pra quem deveria criar. Cada vez mais, vai ganhando espaço entre os titulares.
  • Henrique – Não sei se é a seleção ou uma possível negociação, mas não vem rendendo o que é pode. Ontem, esteve apático, errando muitos passes e sumindo do jogo. Quando o Figueirense jogava todo atrás, por exemplo, poderia ter aparecido para ajudar o lado direito do ataque ou infiltrado pelo meio como elemento surpresa.
  • Fabrício – Entrou para dar um pouco mais de qualidade ofensiva ao lado direito e criou uma boa jogada que Thiago Ribeiro não conseguiu concluir.
  • Roger Galera – A despeito da partida ruim, não acho que deveria ter saído tão cedo. Numa tarde em que o Cruzeiro teimou em jogar individualmente, ele sempre procurava um companheiro melhor colocado. Com Montillo colado aos atacantes, era ele quem tentava armar a equipe, de fato.
  • Montillo – A pior partida dele com a camisa do Cruzeiro. Com exceção de um chute, defendido por Wilson, antes de ser substituído, o argentino não fez coisa alguma. Abusou do individualismo e, sempre marcado por pelo menos dois adversários, foi presa fácil.
  • Ortigoza – Entrou aos 21, mas só foi notado dez minutos mais tarde, quando tentou cavar um pênalti. Concluiu bem uma bola defendida por Wilson. Tentou dar uma cotovelada no adversário. Sorte que o juiz não viu.
  • Dudu – Entrou muito mal. Perdido, parecia não saber qual era sua posição em campo. Movimentava-se bastante, mas sem inteligência. Chegou até a jogar de volante por alguns momentos.
  • Thiago Ribeiro – Não fez a sua principal jogada pela esquerda cortando pro meio e batendo pro gol. Também parou de aparecer na área como vinha fazendo.
  • Wallyson – Ligeiramente melhor que o companheiro de ataque, fez um bom 1º tempo partindo pra cima dos adversários e recebendo faltas. Caiu de rendimento com o resto do time na etapa final.
  • Cuca – Precisa repensar a equipe e o esquema de jogo. O trauma da eliminação precoce e da derrota no primeiro jogo da final fez com que ele tentasse fechar o buraco na lateral direita com a entrada de um volante. O buraco foi fechado, mas perdeu-se em ofensividade. O time joga com três volantes, mas sem opções de jogada pela lateral. É sintomático o fato de Gilberto começar as partidas como lateral e terminar como meia armador. É hora de lançar o Vítor ou até mesmo o Diego Renan na direita, já que Pablo também não é lateral de ofício. O esquema com dois atacantes velocistas também precisa ser repensado. Não necessariamente com a saída de um dos jogadores, mas com o exercício de outra função. Aliás, faltam variações táticas à equipe, variações que se adéquem ao estilo de jogo do adversário e às condições que a partida impõe.
  • Juiz & Bandeiras - Fraca, mas sem comprometer o resultado. Os auxiliares erraram alguns lances de impedimento. O árbitro Gutemberg deixou Maicon fazer falta à vontade e inventou falta de Leo Simões em Coutinho amarelando o zagueiro. O suposto pênalti em Ortigoza é discutível. Para mim, não houve pé alto do atacante celeste. Não viu a tentativa de cotovelada do paraguaio que poderia lhe render uma expulsão.
  • Figueirense – Jorginho armou sua equipe para jogar na formação clássica de time pequeno: todo mundo atrás de linha da bola esperando a hora de dar o bote. A partir do gol, o Figueirense se soltou mais e levou perigo à defesa celeste. Wellington Nem é um jogador veloz e habilidoso e Coutinho entrou bem. Mas o principal responsável pela vitória foi o goleiro Wilson que retornou à equipe depois de uma artroscopia para fechar a meta.

O que foi dito

  • Simone Castro, no PHD: Nem comentei ontem aqui pq estava com muita raiva. Mas no meu twitter, mais ou menos aos 15 do 1º tempo, eu, uma simples torcedora, percebi que o time não estava bem. Caberia ao Cuca ter percebido isso rapidamente e feito mudanças no intervalo. Roger já era pra ter ficado no vestiário, e não pra ter sido sacado logo no início do 2º tempo, dando a ele oportunidade de fazer beicinho… Time super torto, insistindo em jogar pela direita (o que tbm reclamei no twitter), e sem jogadas pelas laterais. Cadê o Vítor? Estava sem condições ao menos de compor o banco? o meio de campo estava muito mal. Parecia terem sido abduzidos. E cadê o estímulo do treinador pra volta do intervalo? Cabe a quem essa “chamada” pra acordar o time? Voltaram pior, dormindo… Foi mais uma partida dos horrores. Mudanças malucas e infrutíferas. Estou citando o twitter, para provar que vi o jogo e que não faço críticas sem ter visto/ouvido, só pq não sou fã do treinador. O próprio França disse que alteraria o título do seu post. Eu também. Seria ”Figueirense 1×0 Cruzeiro: Um tempo ruim, outro pior ainda”. A impressão que tenho é a de que o Cuca se acomodou com o esquema de dois meias, que sempre encontra dificuldades contra times fechados e bem melhores que os do interior mineiro. Não sou tbm de desvalorizar o título mineiro. Adorei, principalmente por ter sido contra as cocotas. Mas mudanças têm que ser feitas. Precisamos de um homem-gol. E, já disse aqui antes, Gilberto na lateral é desperdício, não gosto. Claro que ele, craque e dedicado que é, às vezes, faz bons jogos ali, mas a dele é no meio-campo. E o Pablo? Fez tantas boas partidas e por causa de duas ruins já foi deixado de lado?
  • Naldo Morato, no PHD: Não Gostei. Marquinhos Paraná na lateral direita melhora a marcação no setor e só. Prefiro ele na volância, onde é muito mais útil. Espero ansiosamente o Pablo ou o Vitor. Victorino fez falta pois, junto com o Gil. é a melhor dupla de zaga celeste. Roger é um grande jogador, mas acabou se tornando infrutífero quando o time precisava de velocidade. Pra piorar, Montillo, além de bem marcado, estava numa jornada muito ruim. Faltou também um jogador de referência na área. Como as jogadas em tabela não funcionavam, até porque as principais peças não estavam bem, o time alçou bolas na área, sempre para o goleiro. O maior périgo era o vento. Roger quase marcou em uma cobrança de falta na direita e Thiago Ribeiro mandou outra no travessão. Fábio falhou no gol junto com Paraná. Mas não se pode tirar os méritos do jogador do Figueirense que mandou uma bola venenosa. Conhecedores do local e do efeito do vento, eles mandaram 3 bolas que resultaram em 3 escanteios seguidos. Vislumbrei o perigo ali e não deu outra. O time não conseguia rifar a bola e no 3º saiu o gol.
  • Gustavo Poli, em seu blog: Em 2011, os comentaristas apontam o Santos de Neymar (e Muricy e talvez Ganso) e o Cruzeiro de Cuca como favoritos. Nenhum dos dois ganhou na estreia –mas os últimos três campeões também não ganharam na primeira rodada. (…) A estreia [do Cruzeiro] foi muito ruim, a derrapagem na Libertadores está fresca na memória –mas o Cruzeiro de Cuca é time pra ir longe no Brasileiro. (…) Fábio falhou feio no gol do Figueirense –mas fez duas defesas de almanaque no jogo– uma em cada tempo.
  • Juca Kfouri, em seu blog: O 0 a 0 entre Figueirense e Cruzeiro teve ao menos três emoções, uma causada pelo time da casa, duas pelos visitantes. O técnico Jorginho, do Figueira, elogiava o seu time, mas não conseguia fazê-lo jogar c0mo diz que queria que jogasse. E Cuca ainda não reclamava de nada. Assim que começou o tempo final numa sequência de escanteios, Fábio deu azar e socou a bola na cabeça de Marquinhos Paraná e a redonda morreu no fundo da rede: 1 a 0, Figueira, diante de 10.231 pagantes. Cuca tirou Roger e pôs Dudu, para atacar e Jorginho também mexeu, para defender com Coutinho no lugar de Túlio. E o time catarinense passou a ficar mais perto do segundo gol que o mineiro do empate. Reinaldo, por exemplo, tocou a trave cruzeirense. E embora o Cruzeiro pressionasse, eram do Figueirense as melhores oportunidades. Cuca pôs Fabrício, Jorginho botou Leni, lembra dele?, o goleiro Wilson se virou e o Figueira ganhou de um favorito com justiça.
  • João Lucas Cardoso, no blog do Lédio Carmona: O contorno estava pronto para ser preenchido por uma daquelas partidas em que os goleiros dariam espetáculo e fariam grandes defesas. Foi assim o jogo todo, exceto no segundo minuto da etapa final. Na insistência do Figueirense, no terceiro escanteio em sequência, o convocado de Mano foi infeliz. Fábio socou a bola pra baixo. Na cabeça de Marquinhos Paraná. Gol contra do Cruzeiro e início festejado pela torcida no Orlando Scarpelli. Uma bobeira que custou o placar. O Figueira temia o adversário, mas nem por isso deixou de buscar o gol e ser envolvente. Mesmo na frente, o time que voltou à Série A queria mais. Deu brechas não aproveitadas pelo time de azul –talvez por isso o Furacão quis ser devastador, diante de uma equipe que defende as mesmas cores do arquirrival Avaí. O Cruzeiro saiu de campo com uma constatação: precisa jogar mais. No Brasileirão, toda bobeira pode ser castigada.
  • Mauro Beting, em seu blog: Um jogo com pinta de empate sem gols que acabou virando Figueirense 1×0 Cruzeiro. Muito para mais um jogo amarrado no BR-11. A lateral-esquerda estava exposta com Gilberto, mesmo no auge celeste em 2011. Agora, com volantes pelos lados, e se bem marcados Montillo e Roger, o jogo não sai com a mesma naturalidade.
  • Mário Marra, em seu blog: Li e vi melhores momentos. O Cruzeiro teve chances e tomou um gol de bobeira. Entretanto, chega a ser indesculpável o time titular perder pontos contra um time que nunca foi apontado como favorito. Thiago perdeu chances claras e Reinaldo ainda acertou a trave de Fábio.
  • Leandro Mattos, em seu blog: Depois de um primeiro tempo em que até demonstrou eficiência e desperdiçou algumas chances, a equipe de Cuca colheu atuação irreconhecível na etapa complementar, com absoluta falta de inspiração de seus criadores (Roger e Montillo). A bola pouco chegava aos atacantes e as assistências certas não foram aproveitadas por Thiago Ribeiro, Wallyson, Ortigoza e Dudu, que no final da partida se juntaram para tentar furar o bloqueio armado pelo técnico Jorginho. Foi apenas a primeira rodada, mas Cuca não quer saber de ‘repeteco’ no quesito ineficiência. Experiente, o comandante estrelado sabe que o Brasileiro não gosta dos irregulares. Numa tarde de futebol bastante modesto, ficou difícil eleger protagonistas. Pra mim, Fábio foi o melhor em campo. Apesar da infelicidade no lance do gol, o camisa 1 fez algumas defesas importantes durante os 90 minutos.
  • Fábio, goleiro do Cruzeiro: Paraná tinha saltado pra tirar a bola e eu também, pra tentar socar. Mas houve a infelicidade. O vento também contribuiu. Os dois tentaram tirar a bola, tentei fazer a defesa parcial, mas infelizmente não deu.
  • Ortigoza, atacante do Cruzeiro: Foi um dia ruim pro nosso time, a bola não quis entrar e o time deles soube se defender bem. Vamos recuperar, porque é importante ganhar em casa, e nosso próximo jogo contra o Palmeiras, com a força da nossa torcida, vamos fortes pra vencer.
  • Montillo, meia do Cruzeiro: Os jogadores que podiam fazer a diferença não estavam bem. Quando a criação não está bem, como eu e Roger hoje, quando os jogadores que têm que fazer a diferença não aparecem, as coisas ficam difíceis. Eu não estava bem, o Cuca realmente tinha que mudar alguma coisa pra ver se conseguíamos virar o jogo. Agora temos a semana pra trabalhar bem. É ruim começar perdendo, mas o Brasileiro é longo e temos tempo pra recuperar.
  • Cuca, treinador do Cruzeiro: Não foi um dia bom, não foi uma partida bem jogada. Poderíamos ter matado o jogo no 1º tempo, tivemos quatro ou cinco bolas pra escolher a melhor jogada e em nenhuma delas escolhemos. Em algumas delas fomos imprecisos e não se pode perder chances como a gente perdeu. No 2º tempo, eles tiveram uma sequência de três escanteios e no terceiro fizeram o gol. Falha nossa, fizemos o gol pra eles. Fomos infelizes. Acontece. Eles se fecharam bem, jogaram na base da dedicação, da raça, administraram bem o resultado e tiveram mais um ou dois contra-ataques. Nós até tivemos algumas chances. Thiago Ribeiro chutou uma fora embaixo do gol, Ortigoza, outra. Foi um dia em que as nossas peças principais não foram bem. Nem no meio campo. Roger e Montillo não conseguiram encaixar o serviço pra frente e, automaticamente, nem os jogadores da frente. Não funcionou com dois e nem depois, com três, com o Dudu vindo por trás.
  • Leandro Guerreiro, volante do Cruzeiro: Criamos algumas chances até no 2º tempo também. O melhor jogador da partida foi o goleiro deles, que fez excelentes defesas, até em chutes de fora da área. A gente teve marcação, teve pegada, faltou um pouquinho de posse de bola. Criamos chances. É importante salientar que tivemos oportunidades também. Se a nossa bola entra no início do jogo, como naquele lance do Thiago Ribeiro, que invadiu a área e chutou no rosto do goleiro, poderia mudar a história do jogo e poderíamos ter vencido até com um placar largo. Tivemos a infelicidade de levar um gol daquela forma.
  • Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: Não acho que o time jogou tão mal. Criamos muitas chances. É lógico que não jogamos bem também, não repetimos as boas atuações de outros jogos. Mas fizemos um jogo razoável. Justiça seja feita, se tivesse que ter um vencedor, seria o Cruzeiro, pois criou mais. Até o gol do Figueirense foi uma infelicidade, um lance estranho. Isso provou que o Cruzeiro foi merecedor de um resultado melhor. Mas, infelizmente, no futebol não tem justiça. Foi um dia em que as coisas não deram muito certo para nós. O goleiro contou com a sorte de a bola acertar no rosto dele. E o gol do Figueirense foi um lance totalmente inusitado. Mas o futebol é assim. E foi apenas o primeiro jogo. Claro que a gente não queria perder, mas aconteceu e não adianta lamentar. Temos que procurar vencer o Palmeiras em casa pra recuperar.
  • Wallyson, atacante do Cruzeiro: Temos que esquecer essa derrota, já passou. Nossa equipe não jogou bem. A gente não esperava essa derrota. No 2º tempo, principalmente, estivemos muito desligados. Temos que trabalhar pra não acontecer isso mais.
  • Wilson, goleiro do Figueirense: Sabíamos que o Cruzeiro é um grande time, mas mostramos superação e não existe time imbatível. Fizemos bem o dever de casa, somando os três pontos. Nós viemos para o Brasileiro para fazer um belo campeonato. Um time de guerreiros, realmente. A gente sabe que Campeonato Brasileiro não é fácil. A gente tem muita dificuldade. Se não for na base da superação, da vontade, do apoio do nosso torcedor, realmente fica difícil. A equipe começou muito bem. Depois da operação, foi período integral de tratamento pra estar aqui nessa primeira partida. O médico que me operou não acreditava que eu iria jogar hoje. Ele falou que eu ia voltar a correr com um mês de operação e com uma semana eu já estava correndo.
  • João Paulo Goiano, beque do Figueirense: Todo mundo tem que correr e se doar ao máximo pra conseguirmos as vitórias e esse jogo demonstrou isso. Mostramos que temos um time aguerrido e na hora que precisou a gente matou o jogo.
  • Túlio, volante do Figueirense: A vitória sobre o Cruzeiro foi importante e aumentará a confiança do time. Se a estreia fosse ruim, ficaria complicado e poderia abalar a parte psicológica do grupo. Mas tudo deu certo e a equipe poderá jogar a 2ª rodada contra o São Paulo com menos pressão. Nosso time é experiente e pode jogar fora de casa com a mesma segurança que demonstrou no Orlando Scarpelli. A experiência deve nos ajudar bastante, e o Figueirense pode jogar com organização e com a confiança lá em cima.
  • Reinaldo, atacante do Figueirense: O planejamento da diretoria é permanecer na Série A. É claro que a cada rodada almejamos algo mais e sabemos que o grupo até pode alcançar a Copa Sul-Americana. Vamos ter de jogar no limite pra vencer os grandes. A vitória não nos surpreendeu. Nossa equipe sabe da força que tem principalmente em casa diante da nossa torcida. É um time que já joga junto há muito tempo e o entrosamento ajuda muito.
  • Jorginho, técnico do Figueirense: O Cruzeiro é uma das equipes mais fortes do Brasil. Existe um rodízio, uma movimentação muito constante e isso dificulta muito. Nós não podemos com jogadores tão velozes e por isso começamos respeitando demais o Cruzeiro. Nossa equipe gosta de rodar e ficar com a bola. Depois descobrimos a forma de sair, principalmente no 2º tempo. Gostei da entrega da equipe.

Fontes

Transmissão

  • Globo Minas
  • Sportv