Felício Brandi

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar

Felício Brandi foi presidente do Cruzeiro por 22 anos, durante 1961 a 1982.

Brandi participou de todo o processo de transformação do Cruzeiro em clube provinciano, para clube respeitado e conhecido em qualquer parte do mundo. Felício era visionário, usou de marketing para fazer aumentar em número de torcedores celestes, construiu o primeiro centro de treinamento de clubes do Brasil, amou o Cruzeiro incondicionalmente a ponto de colocar dinheiro e o casamento em risco pelo clube. Em sua gestão, o Cruzeiro ganhou o seu título título nacional, vencendo o temido Santos de Pelé, e conquistou sua primeira Libertadores em 1976. Ali já começava a criação de um DNA celeste, um DNA vencedor, e de futebol ofensivo.

Felício Brandi

Em função do contexto da época, onde o futebol de Minas Gerais já era dominado, e o Cruzeiro conseguiu se impor mesmo assim, e pela transformação do clube apenas mineiro em nacional, o que Felício Brandi fez, o torna um dos maiores ou talvez o maior presidente da história do Cruzeiro Esporte Clube.

Aumento de torcedores do Cruzeiro em sua gestão[editar]

Há pouco material de pesquisa de tamanho de torcidas no Brasil antes da década de 1980, as que eram feitas, não adotavam critérios científicos. Dito isso, é quase consenso dos especialistas que viveram a época que o Cruzeiro era apenas a quinta maior torcida do Estado. Uma pesquisa realizada pelo Jornal Estado De Minas, realizada em 1931 sem metodologia cientifica coloca a torcida celeste como a segunda maior do estado, porém com 9% atrás do seu rival, Atlético Mineiro. Portanto, em qualquer cenário, seria necessário para o Cruzeiro aumentar a captação torcedores.

Eis que Brandi tem uma sacada genial de marketing, que marcará eternamente o seu mandato; ele trabalhará nas escolas infantis, afim de transformar as crianças que lá estudam em Cruzeirenses. Pensando que a criança de hoje é o torcedor de amanhã. Em época de economia extremamente fraca, onde as pessoas mal tinham oque comer, Cruzeiro presenteava as crianças nas escolas com itens de cestas básica, e com objetos que faziam alusão ao Cruzeiro. Felício Brandi, usava até mesmo carros de sua empresa privada, para levar atletas do Cruzeiro as escolas, afim de aumentar a relação dessas crianças com o Cruzeiro.

O resultado desta jogada de marketing foi extremamente satisfatório. Com o passar dos anos, essas crianças realmente se tornaram cruzeirenses, não havia mais como desprezar o tamanho da torcida celeste, afinal cada vez mais, as pessoas conheciam indivíduos Cruzeirenses. Em 1971 a revista Placar publicou uma pesquisa com metodologia cientifica, sobre o número de torcedores de Minas Gerais, e o Atlético Mineiro ficou em primeiro com 43% dos torcedores, porém o Cruzeiro ficou em segundo com 42% dos torcedores, portanto empate técnico. Não há como negar que seja pelos resultados em campo, ou pelas ações de marketing, o crescimento da torcida do Cruzeiro era enorme, como ainda o é, por isso, a torcida do Cruzeiro é carinhosamente chamada de China Azul.

Construção da Toca da Raposa[editar]

Por ser ousado, muitas vezes Felício Brandi era visionário. Ele foi responsável pela construção da Toca I, Cruzeiro foi a primeira equipe do Brasil a ter um centro de treinamento. Em 1965 foi construído o Mineirão, o departamento de futebol do Cruzeiro entendia, que construir um CT faria bem para o clube, para acompanhar os avanços proporcionados pelo Mineirão. Existe uma história extremamente peculiar sobre a construção da Toca. Inicialmente o terreno que hoje é o CT, foi prometido por Brandi a sua esposa como presente, porém ao perceber a ótima localização do terreno, o então presidente do Cruzeiro, achou que fosse melhor construir a Toca naquele local. Com vergonha de contar a decisão para sua esposa, até por todos os planos que ela havia feito para o sítio da família que seria construído no local, Brandi escondeu dela a real finalidade da negociação, por cerca de 6 meses, até que não foi mais possível esconder oque aconteceu. Algo sobre a construção da Toca que mostra para todos o amor de Brandi ao Cruzeiro é que o então presidente, comprou o terreno com o próprio dinheiro e doou o local para o clube.

Atraso no casamento para contratar Tostão[editar]

Tostão é um dos maiores nomes do Cruzeiro, e do esporte nacional. Jogador tinha uma capacidade técnica enorme, e para muitos, poderia rivalizar com o Pelé pelo posto de melhor da história, caso não tivesse tido uma aposentadoria tão precoce. Claro, além do mérito natural de ter contrato um jogador deste calibre para o clube, destaco uma história curiosa sobre a negociação para leva-lo para o Clube. O então Presidente do Cruzeiro, Felício Brandi, chegou atrasado ao próprio casamento, para finalizar a contratação do jogador.

Títulos conquistados[editar]

Em 1966 o Cruzeiro conquistava o seu primeiro campeonato Brasileiro, confirmando sua ascensão Nacional. Em 1976 Cruzeiro conquistava sua primeira Copa Libertadores, confirmando sua ascensão internacional. Em anos alternados, a gestão de Brandi ganhou 10 campeonatos Mineiros, sendo tetra consecutivamente de 1965 a 1969. Além dos títulos, todos esses times tinham em comum características como futebol ofensivo, uso de jovens, coisas que hoje, torcedores se orgulham de ser a postura história do clube, portanto aí nasce o DNA do Cruzeiro.

Para finalizar, reafirmo algo que disse ao longo do texto, Felício Brandi pode não ter sido o melhor Presidente do Cruzeiro, mas foi o mais importante. Em sua gestão o clube virou um clube nacional, aumentou consideravelmente sua torcida, conquistou seus primeiros títulos, desenvolveu sua infraestrutura, tudo isso, sendo um clube relativamente jovem, brigando com equipes muito mais velhas.

Homenagem em 2020[editar]

No dia 30 de novembro de 2020 a Toca da Raposa I mudou de nome para homenagear o ex-presidente para Centro de treinamento Felício Brandi[1][2].

Títulos[editar]

Fonte[editar]

Referências[editar]