Cruzeiro 3x5 São Cristóvão - 14/02/1943

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Palestra Mineiro.png 3x1 Escudo Atlético-MG.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x4 Escudo São Cristóvão.png
Por Amistosos
Escudo Palestra Mineiro.png 3x1 Escudo Atlético-MG.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x4 Escudo São Cristóvão.png
No estádio Barro Preto
Escudo Palestra Mineiro.png 3x1 Escudo Atlético-MG.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x4 Escudo São Cristóvão.png
Contra São Cristóvão
Escudo São Cristóvão.png 7x1 Escudo Palestra Itália.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x4 Escudo São Cristóvão.png

[edit]

Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
3 × 5 Escudo São Cristóvão.png
São Cristóvão
Amistoso
Data: 14 de fevereiro de 1943 Local: Belo Horizonte, MG
Horário: Não disponível Estádio: Barro Preto
Árbitro: Guilherme Gomes (RJ) Público pagante: Não disponível
Assistente 1: Público presente: Não disponível
Assistente 2: Renda: Cr$ 10.800,00 R$ 10.800 <br />Cr$ 10.800 <br />NCr$ 10.800 <br />Cz$ 10.800 <br />NCz$ 10.800 <br />
Súmula: Não disponível
Escalações
Cruzeiro: São Cristóvão:

1. Geraldo II 1. Joel
2. Gérson 2. Mundinho
3. Azevedo 3. Pelado
4. Bibi Substituição realizada de jogo ( Fuinha ) 4. Gualter
5. Juca 5. Papeti Gol aos do
6. Caieirinha 6. Castanheira
7. Nogueirinha  Gol aos do Gol aos do 7. Santo Cristo
8. Rizzo II Substituição realizada de jogo ( Pedro ) 8. Alfredo
9. Niginho Substituição realizada de jogo ( Ari ) 9. Caxambu Gol aos do
10. Ismael 10. Nestor Gol aos do Gol aos do
11. Alcides Gol aos do 11. Magalhães Gol aos do
Técnico: Bengala Técnico: Picabéia
Reservas que não entraram na partida
Cruzeiro: São Cristóvão:

Primeira Partida como Cruzeiro

Foi na noite do dia 7 de outubro de 1942 que o Palestra Itália, o famoso Palestra Mineiro, mudou a sua identidade para Cruzeiro Esporte Clube. O nome foi sugerido pelo ex-presidente Oswaldo Pinto Coelho e aprovado pela assembléia geral formada por conselheiros e sócios. Assim o clube passaria a ostentar o nome e a constelação cívica do Cruzeiro do Sul, o símbolo maior da pátria, presente nas armas da república. No entanto, o mundo estava envolvido com a segunda guerra mundial e, naquele ano, o Brasil vivia em estado de beligerância, junto aos países que formavam o eixo Japão-Itália-Alemanha.

Um decreto lei do governo federal impedia o uso do nome e dos símbolos das nações inimigas, mas mesmo assim o clube não fugiu a sua característica brasiliana e adotou a cor azul, símbolo maior da Itália, que era uma referência a Casa de Savoia, residência oficial da realeza italiana, que comandou o país até o desfecho da segunda guerra mundial em 1945. O exército e as seleções esportivas da Itália adotam em seus uniformes a cor azul até os dias atuais.

O clube sempre preservou o conceito brasiliano em seu uniforme. No período em que foi o Palestra Itália, entre 1921 e 1942, o uniforme fazia uma alusão as bandeiras das duas pátrias. A meia vermelha, o calção branco e a camisa verde representavam as colunas que formam o pavilhão da Itália e o conjunto da camisa, com o escudo em forma de losango com um círculo ao centro representam as três figuras geométricas da bandeira do Brasil: o retângulo, o losango e o círculo. Assim, o uniforme do Cruzeiro não poderia ser diferente.

Após a reunião, toda a diretoria do clube renunciou, incluindo o presidente Ennes Ciro Pony, o grande motivador da nacionalização do Palestra e de sua transformação em Cruzeiro Esporte Clube. Foi o desfecho do processo que teve início em 1939, quando 90% dos sócios, conselheiros e atletas, que levou o nome de "Ala Renovadora", clamaram pela nacionalização do Clube sob o argumento de que o nome Itália inibia o aumento da massa torcedora.

No entanto, o time de futebol não poderia jogar com o novo nome e uniforme antes que seus estatutos estivessem prontos e aprovados pela Federação Mineira. O trio Ninão, Wilson Saliba e Mario Tornelli elaborou o documento e o entregou a entidade que o aprovou com três meses de atraso. Devido a isso, a estreia do Cruzeiro só aconteceu neste amistoso contra o São Cristovão-RJ, em 14 de fevereiro de 1943, no estádio do Barro Preto. Até aquela data atuou com o nome e uniforme do Palestra, conforme as atas das súmulas dos jogos da Federação Mineira.

O São Cristovão foi a sensação do Campeonato Carioca de 1943 e seu ataque era considerado o mais rápidos do país. Curiosamente, naquela tarde, o time carioca também fazia o seu primeiro jogo como São Cristóvão Futebol e Regatas, após a fusão entre São Christovão Athletico Club e Club de Regatas São Christovão homologada na véspera do amistoso.

Um imprevisto durante a semana fez com que o novo uniforme feito por uma fábrica de material esportivo de São Paulo não chegasse a tempo para a partida e o Cruzeiro Esporte Clube (registrado pela primeira vez nas atas da Federação Mineira) fizesse a sua primeira partida com o uniforme do Palestra. Os cariocas fizeram jus a fama do seu ataque. Terminaram o primeiro derrotados por 2 a 0, mas viraram o placar para 5 a 3.