Cruzeiro 3x2 América-MG - 14/03/2010

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Deportivo Itália.png 2x2 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 0x0 Escudo África do Sul.png
Por Campeonato Mineiro
Escudo Tupi.png 3x2 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 2x1 Escudo América-TO.png
No estádio Mineirão
Escudo Cruzeiro.png 5x0 Escudo Uberaba.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 0x0 Escudo África do Sul.png
Contra América-MG
Escudo América-MG.png 0x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo América-MG.png 2x3 Escudo Cruzeiro.png

[edit]

Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
3 × 2 Escudo América-MG.png
América-MG
9ª Rodada - Campeonato Mineiro 2010
Data: 14 de março de 2010 Local: Belo Horizonte, MG
Horário: 17h Estádio: Mineirão
Árbitro: Cleisson Veloso Pereira Público pagante: 12.111
Assistente 1: Celso Luiz da Silva Público presente: 13.249
Assistente 2: Marcus Vinícius Gomes Renda: R$ 187.625,40 R$ 187.625,4
Cr$ 187.625,4
NCr$ 187.625,4
Cz$ 187.625,4
NCz$ 187.625,4
(preço médio: R$ 15,49 )
Súmula: Súmula
Escalações
Cruzeiro: América-MG:
1. Fábio 1. Gléguer
2. Marcos MartinsCartão amarelo recebido aos Substituição realizada de jogo ( 13. Magalhães ) 2. Danilo Cartão amarelo recebido aos
3. Léo Fortunato Substituição realizada de jogo ( 18. Kieza Gol aos do ) 3. Gabriel
4. Gil 4. Fabrício Cartão amarelo recebido aos Substituição realizada de jogo ( 18. Joãozinho )
33. Caçapa 5. Leandro Ferreira Gol aos do
6. Diego Renan Cartão amarelo recebido aos 6. Preto
8. Anderson Uchôa Cartão amarelo recebido aos 7. Fábio Júnior Gol aos do
5. Fabinho Alves Cartão amarelo recebido aos Gol aos do 8. Dudu Cartão amarelo recebido aos
10. Bernardo 9. Moisés Substituição realizada de jogo ( 15. Zé Rodolfo )
11. Eliandro Substituição realizada de jogo ( 16. Leandro Lima Cartão amarelo recebido aos ) 10. Irênio Substituição realizada de jogo ( 16. Luciano )
9. Wellington Paulista Cartão amarelo recebido aos Gol aos do 11. Rodrigo
Técnico: Adilson Batista Técnico: Mauro Fernandes
Reservas que não entraram na partida
Cruzeiro: América-MG:
12. Flávio 12. Lailson
14. Gil Santos 13. Evanilson
15. Marquinhos 14. Micão
17. Anderson Lessa 17. Euller


Pré-Jogo

Com 18 pontos, o Cruzeiro está em 2º lugar e precisa vencer pra assumir a liderança do Campeonato Mineiro. E vai tentar cumprir o objetivo com um catadão sem qualquer entrosamento.

Em 8º, com 11 pontos, o América, que saiu do fundo do poço com o treinador Mauro Fernandes, tentará um salto para a 6ª posição com uma vitória.

E vai no 3-5-2 com o que tem de melhor no momento.

Será jogo de pouco público, pois o torcedor celeste está levando a sério a sinalização do clube de que o campeonato não vale coisa alguma.

Lance a lance

Primeiro Tempo

  • 17h – Começa o jogo. Cruzeiro com uniforme tradicional defende o Gol da Cidade. América de verde e preto.
  • 01 – Danilo cruza da direita, Moisés, no segundo pau, cabeceia pra fora.
  • 02 – Bernardo cobra escanteio pela esquerda, Preto rebate.
  • 06 – Wellington Paulista marca saída de bola do América.
  • 07 – Moisés recebe cruzamento na pequena área, mas chuta mal, pra fora.
  • 08 – Wellington Paulista lança Bernardo, que chega antes de Gléguer, mas perde o equilíbrio e é desarmado.
  • 09 – Caçapa tabela com Wellington Paulista, invade a área, mas cruza mal, nos pés de Gabriel.
  • 12 – Wellington Paulista, na área, recebe lançamento de Marcos e cabeceia pra defesa de Gléguer.
  • 13 – Bernardo recebe na entrada da área, corta a marcação e chuta forte. Gléguer defende.
  • 14 – Fabinho Alves lança Wellington Paulista na área, Preto espana a bola.
  • 16 – Chove forte.
  • 18 – Wellington Paulista se livra da marcação e chuta forte. Gléguer defende firme, no centro do gol.
  • 21 – Bernardo corta Gabriel e chuta forte, Gléguer espalma.
  • 22 – Jogo interrompido devido ao apagão que deixa o Mineirão às escuras.
  • 23 – Chuva de granizo no Mineirão.
  • 24 – Times vão para os vestiários.
  • 38 – Chuva diminui, reflectores começam a ser acesos.
  • 43 – Reflectores ligados.
  • 44 – Torcida da Geral corre de um lado pra outro acompanhando o Raposão.
  • 45 – Jurandir Gama Filho, Diretor de Arbitragem da FMF diz que ao jogo ficará paralisado durante 30 minutos e, depois, por mais 10 para reaquecimento dos atletas.
  • 46 – Volta a chover forte.
  • 47 – Gléguer se aquece na cancha.
  • 48 – Gandulas voltam à cancha.
  • 50 – Trio de arbitragem volta à canha com camisa marelas ao invés das pretas com que começaram a trabalhar.
  • 59 – América volta à cancha.
  • 60 – Cruzeiro volta à cancha.
  • 62 – Marcos cobra um lateral pela direita recolocando a bola em jogo.
  • 63 – Uchoa cruza da esquerda, Eliandro é atropelado por Fabrício em pênalti que Juiz não vê, enrola-se com a bola, que fica com Gléguer.
  • 64 – Fabrício comete falta em Eliandro e recebe o cartão amarelo.
  • 65 – Marcos cobra a falta da direita, bola bate em Gil, que não consegue dominá-la deixando a zaga afastar o perigo.
  • 66 – Gabriel derruba Wellington Paulista. Bernardo cobra a falta, Wellington Paulo tira a bola.
  • 67 – Eliandro invade a área, mas cai e perde a bola.
  • 68 – Diego Renan derruba Dudu na esquerda e recebe cartão amarelo.
  • 70 – Bola não rola nas duas intermediárias, mas o Cruzeiro insiste em tocá-la.
  • 71 – Marcos comete falta em Rodrigo e recebe cartão amarelo.
  • 73 – Leandro Ferreira comete falta em Bernardo na entrada da área. Bernardo bate rasteiro, Gléguer defende em dois tempos.
  • 74 – Fabinho Alves derruba Leandro Ferreira e recebe o amarelo.
  • 75 -Marcos faz boa jogada pela direita, corta para o meio e chuta forte, bola sai pela linha de fundo.
  • 76 – Gléguer se chioca com o poste esqeurdo na tentativa de desviar o chute de Marcos, cai e recebe atendimento médico.
  • 77 – Bernardo puxa contra-ataque e lança Wellington Paulista, que erra o drible e é desarmado.
  • 78 – Dudu derruba Uchoa e recebe cartão amarelo.
  • 79 – Bernardo recebe na área, dribla Gabriel, desequilibra-se na hora do chute e a bola fica com Gléguer.
  • 80 – Bernardo passa a Diego Renan, que invade a área, mas é travado na hora do cruzamento.
  • 83 – Wellington Paulista intercepta passe errado da defesa do América, chuta de longe, a bola bate no travessão, nas costas de Gléguer e entra. Cruzeiro 1×0.
  • 44 – Final do 1º tempo. Cláudio Caçapa foi líbero indo várias vezes ao ataque. Uchou foi lateral-esqeurdo compondo uma linha de cinco zagueiros. Diego Renan jogou como volante com liberdade pra atacar. Bernardo movimentou-se nas costas dos volantes americanos. Fabinho Alves ficou apenas na contenção protegendo a zaga celeste.
  • Bernardo: “Nosso time é forte.”
  • Preto: “Erramos um passe, Wellington Paulista foi feliz e a marcou o gol.”
  • Wellington Paulista: “Vi que o Gléguer estava adiantado e arrisquei; atacante tem que ter sorte.”
  • Dudu: “Nossa marcação não chegou no Wellington Paulista e ele foi feliz na finalização.”

Segundo Tempo

  • 18h41 – Começa o 2º tempo.
  • 00 – Joãozinho substitui Fabrício. Luciano substitui Irênio. Mauro Fernandes passa do 3-6-1 para o 4-4-2.
  • 02 – Diego Renan arranca pelo meio, mas erra o passe na entrada da área do América.
  • 04 – Fábio Júnior invade a área, mas perde o controle da bola e sai com ela pela linha de fundo.
  • 07 – Fábio Júnior recebe lançamento dentro da área, Fábio defende a seus pés.
  • 08 – Magalhães substitui Marcos e vai jogar na lateral-esquerda, enquanto Diego Renan vai para a direita.
  • 09 – Uchoa comete falta no meio de campo e recebe cartão amarelo.
  • 10 – Luciano recebe cartão amarelo.
  • 13 – América pressiona, defesa celeste rebate, bola fica com Leandro Ferreira, que chuta de fora da área com o pé direito. Fábio estica-se, chega a tocar na bola, que entra rasteira em seu canto direito. América 1×1.
  • 15 – Leandro Lima substitui Eliandro.
  • 16 – Bernardo lança Leandro Lima, Gléguer defende.
  • 17 – Bernardo tabela com Wellington Paulista, Wellington Paulo desarma a jogada.
  • 18 – Joãozinho dribla Caçapa na ponta-esquerda e cruza, mas não aprece nenhum atacante americano pra concluir a jogada.
  • 20 – América domina territorialmente a partida. Cruzeiro joga mais no contra-ataque.
  • 19 – Luciano recebe cruzamento na pequena área e cabeceia à esquerda de Fábio.
  • 21 – Wellington Paulista serve Bernardo, que dribla Gléguer e sofre a falta. Pênalti. Na comemoração, Bernardo faz gestos para a torcida cobrando apoio.
  • 22 – Kieza substitui Leo Fortunato.
  • 22 – Wellington Paulista cobra pênalti no canto esquerdo de Gléguer, que espalma. Bola acerta o poste e é despachada para a linha de fundo por Rodrigo.
  • 23 – Bernardo cruza da direita, Wellington Paulista ajeita para trás e Kieza, em sua primeira participação no jogo, chuta rasteiro e faz o gol. Cruzeiro 2×1.
  • 24 – Na comemoração do gol, Bernardo xinga a torcida, mas é contido por Adílson Baptista na lateral do gramado.
  • 25 – Fábio Júnior recebe na área, livra-se da marcação, mas chuta alto, pra fora.
  • 26 – Torcida se divide entre vaias e aplausos a Bernardo.
  • 27 – Leandro Lima desce pela direita, livra-se da marcação, mas cruza mal.
  • 29 – Leandro Lima comete falta em Dudu e recebe o cartão amarelo.
  • 30 – Zé Rodolpho substitui Moisés e vai jogar de volante.
  • 32 – Leandro Ferreira cobra falta lançando a bola na área, Fábio divide com Rodrigo e corta com os punhos.
  • 34 – Fabinho Alves leva um tapa de Rodrigo e arma-se uma confusão com as participações de Gil, Wellington Paulista e vários jogadores do América.
  • 35 – Bernardo recebe de Kieza e chuta de longe, bola sai pela linha de fundo.
  • 36 – Wellington Paulista puxa Dudu pelo pescoço e recebe o amarelo.
  • 37 – Joãozinho invade a área pela esquerda, cai e pede pênalti.
  • 38 – Danilo é mais um advertido com cartão no time do América.
  • 39 – Magalhães desce pela esquerda e cruza, Gléguer defende.
  • 40 – Fabinho Alves recebe de Leandro Lima e chuta de fora da área, no canto esquerdo de Gléguer. Cruzeiro 3×1.
  • 41 – Rodrigo recebe no bico da grande área, chuta forte, bola desvia em Diego Renan e sai pra escanteio.
  • 42 – Wellington Paulista recebe de Leandro Lima e chuta de fora da área da área, bola sai pela linha de fundo.
  • 45 – Fábio Júnior recebe dentro da área, gira sobre Caçapa e chuta forte, da marca do pênalti, no ângulo esquerdo de Fábio. Bola acerta o poste esquerdo e vai pras redes. América 2×3.
  • 46 – Diego Renan divide com Dudu na intermediária do América, cai e recebe atendimento médico. Wellington Paulista discute com o volante do América.
  • 47 – Danilo cruza da direita, Fábio Jr. Cabeceia, Gil corta.
  • 48 – Cruzeiro prende a bola na ponta-esquerda.
  • 49 – Final de jogo. Finalizações: Cruzeiro 15×11. Faltas: América 22×18.
  • Uchoa: “Agradeço a oportunidade que o Adílson me deu. Dedico o gol aos meus companheiros de equipe.”
  • Kieza: “Fui feliz no gol que marquei e dedico aos meus amigos.”
  • Wellington Paulista: “Bernardo não fez nada demais, ele só pediu que a torcida gritasse o nome dele também; eu falei pra ele agir com mais delicadeza, quer dizer, delicadeza não, que isto é coisa de mulher, mas que fosse mais tranqüilo nas comemorações. E o Dudu bate muito, a entrada dele no Diego Renan foi pra quebrar.”
  • Fábio: “Foi bom parar o jogo, pois o vento estava indo contra o Gléguer e poderia prejudicá-lo. O juiz apitou bem.”
  • Marcos Salum um dos sete presidentes do América: “Fomos prejudicados, o juiz deu pênalti inexistente para o Cruzeiro, deu impedimento inexistente do Fábio Jr.; nós só conseguimos ser campeões quando tem juiz de fora, pois o cruzeiro controla a Federação e blablablá, nehnhenhém, trololó, lerolero e buááá…”

Vídeos

Gols

Atuações

  • Fábio – Teria sido outra atuação perfeita não fosse a falta de um um pouco mais de impulso pra desviar o chute de Leandro Ferreira no gol de empate do América. O goleiro chegou a tocar na bola, mas não conseguiu espalmá-la pra escanteio.
  • Marcos – O sistema pedia um ala, mas ele foi lateral. Não comprometeu, mas também não brilhou.
  • Leo Fortunato – Após vários meses de inatividade, voltou tranquilo e jogou até quando as forças permitiram, sem erros dignos de nota.
  • Cláudio Caçapa - Participou intensamente da partida. Como líbero, foi agressivo indo longe em suas investidas nas saídas de bola. Quando virou beque-beque, tomou um drible desconcertante de Joãozinho, que quase resulta em gol de Luciano, e um giro de Fábio Jr., no 2º gol do América. De bom, seu entusiasmo de garoto, que obriga o resto da rapaziada a entrar no clima do jogo.
  • Gil – Sem sustos no 1º tempo, passou apertado quando o América escalou Joãozinho pra jogar ao lado de Fábio Jr. Mas não comprometeu.
  • Uchoa - Na verdade, não deu show coisa nenhuma. O título do post é só uma brincadeira com os sons das palavras. Mas teve ótimo desempenho na lateral-esquerda e também quando foi chamado a praticar a volância. Marcou bem, deu ótimos passes, demonstou maturidade. Foi eleito o melhor em campo tanto pelo comentarista Lélio Gustavo, quanto pelo treinador Adílson Baptista. Ou seja, agradou a gregos e troianos. E se disse aluno do Mestre Paraná, na coletiva pós-jogo. Boa escola. Baianamente, sem agitação -sua prosa carrega mais o sotaque sutil de Dorival Caymmi do que o entusiasmo verborrágico dos cantores de axé-, ele vai longe. Anotem.
  • Magalhães – Entrou pra jogar na lateral-esquerda barrando os avanços de Gabriel e cumpriu o prometido.
  • Fabinho Alves - Excelente na contenção, ainda fez um belo gol pegando de chapa, com precisão, da entrada da área. Até aí, tudo bem. Agora, exigir posição no time, usando microfones, já é um pouco demais. Até porque suas boas apresentações perdem, de longe, para as medíocres, desde que chegou a Beagá. Jogando mais vezes como o fez ontem, ele certamente descola uma vaga no time sem precisar plantar crises.
  • Diego Renan - Jogando do meio pra frente foi bem e criou jogadas perigosas. Na lateral-direita, no fim do jogo, esteve mais burocrático.
  • Bernardo - Despachado, participou de vários lances importantes, girou nas costas dos volantes americanos, municiou o ataque, sofreu pênalti, bateu falta com categoria. Nos planos técnico e tático, foi bem. No mental, deixou a desejar com suas comemorações destemperadas. A troco de quê? Os portadores de aparelhos auditivos ultra-sensíveis dirão que ele foi vaiado. Foi coisa nenhuma. Levou, no máximo um murmúrio do 7A. Fosse isto tão relevante, nem Tostão teria levado adiante sua carreira. Certo é que a autoflagelação com socos no peito e gritaria só vai lhe provocar lesões nas costelas, jamais a simpatia do torcedor comum, o que vai a campo se divertir e não assistir a espetáculos de autoflagelação. Menos, garoto. Jogue sua bolinha e construa uma carreira sem arroubos desnecessários.
  • Leandro Lima - Depois de muito tempo sumido, entrou com fome de bola, partiu pra cima da defesa coelha e fez boas jogadas. Tomara que encontre o espaço, que está buscando em campo e não nos microfones.
  • Eliandro – Esforçado, mas pouco inspirado.
  • Wellington Paulista - Esforçado e inspirado fez um golaço e serviu outro. Perdeu um pênalti por méritos de Gléguer, que buscou a bola no canto, e ainda serviu de babá pro agitado Bernardo. Como sempre, sua presença na partida foi notada, pois de apático ele não tem nada.
  • Kieza – Entrou e mostrou oportunismo marcando o 2º gol, mas ainda não se entrosou com os colegas.
  • Juiz & bandeiras - O Juíz deixou de marcar um pênalti de Fabrício em Eliandro e um dos bandeiras parou um ataque do América com impedimento mal marcado. Se estivessem na sala de edição de imagens da TV teriam acertado, mas como estavam em campo, erraram. Favor reclamar com quem criou o ser humano com dois olhos ao invés de 20 câmeras.
  • América-MG - Mauro Fernandes mostrou competência pra alternar sistemas de jogo conforme as exigências da partida. Gléguer defendeu pênalti, o que não é pouco. Leandro Ferreira, volante de contenção e de armação, fez um belo gol e foi o melhor do time. Joãozinho fez a jogada mais bonita da partida, uma réplica do baile de Ronaldinho em Kanapkis, em 1994. Fábio Jr., apesar dos gols perdidos, incomodou e, no fim, deixou sua marca. Os laterais-alas, Danilo e Rodrigo, estiveram bem no 2º tempo. Dudu, apesar das entradas fortes, que deu e recebeu, também esteve bem. Ridículo foi apenas o 1/7 de presidente, Marcos Salum que praticou um chororô monumental ao final do jogo. Burrice. Ao invés de levantar o moral de sua torcida que, diga-se, anda desaparecida, exaltando outra bela exibição do time verde-e-preto em clássicos citadinos, ele optou por acusações manjadas, sem pé nem cabeça, cujo único objetivo é pressionar as arbitragens. Ô falta de inteligência! Torcedor se motiva com discurso pra cima, até com um certo grau de arrogância, jamais com um convite pra viver num vale de lágrimas.

O que foi dito

  • Fábio, goleiro do Cruzeiro: Foi bom senso paralizar o jogo, pois estava atrapalhando mais o Gléguer por causa do vento que estava direto na sua direção. Foi bom ter parado antes de sair um gol, pois se sai iam reclamar. A gente conversou com o juiz e os jogadores acharam melhor parar o jogo, foi bom senso dele. Bom jogo, teve de tudo, muita chuva, granizo e acho que não faltou um bom futebol. As equipes buscaram desde o início da partida, acho que o torcedor está indo embora feliz.
  • Diego Renan, lateral-esquerdo do Cruzeiro, em seu blog: Ontem, a partida foi difícil como a gente esperava. O América é sempre um adversário complicado, e nunca teremos um clássico fácil pela frente. O time mereceu a vitória, pois buscamos sempre o gol. E fomos coroados com esse triunfo, que nos manteve no primeiro lugar do Campeonato Mineiro. O nosso grupo mostrou-se focado durante todo o tempo e, apesar da chuva ter interrompido o jogo e atrapalhado um pouco, conseguimos nos superar.
  • Uchoa, volante do Cruzeiro: Cheguei aqui com 14 anos, tenho 19 e venho trabalhando firme e forte. Consegui a oportunidade no profissional, agora vou procurar aproveitar. Jogador tem que ser curinga. Minha posição é a de primeiro volante, mas o Adílson me escalou na lateral esquerda. Jogador não pode ter uma posição só, quando tiver que jogar em outra posição ele tem que aproveitar da melhor maneira. Treinando no dia a dia eu vou adquirir mais experiência com a ajuda do Marquinhos Paraná. Ganhar e jogar bem em um clássico, dá para sonhar. Vou treinar forte esta semana para ser novamente relacionado. Dedico aos meus companheiros, todo mundo brigou em campo e conseguimos a vitória.
  • Kieza, atacante do Cruzeiro: Estou muito feliz com esse resultado. Marquei o 1º gol logo num clássico aqui no Mineirão, então estou bastante feliz. Fui muito feliz no lance e quero dedicar esse gol para a minha família e pros amigos que sempre me apoiaram. Estou trabalhando firme forte pra isso desde que cheguei, sempre respeitando todo mundo, pra conseguir meu espaço e, se Deus quiser, vou conseguir.
  • Bernardo, meia do Cruzeiro: É um momento de alegria que eu fico. Eu ouvi vaias, não sei por quê. Só pedi motivação para eles, para eles me darem força, para podermos sair com o resultado e nós conseguimos. Graças a Deus, sofri um pênalti, infelizmente o Wellington errou, mas na sequência onsegui dar um passe pro Kieza fazer o gol. É o que eu falei: eu sou de casa, amo esta torcida, amo esta cidade. Fico emocionado, porque estou batalhando, estou ralando. A gente é igual a todo mundo. Igual ao Gilberto, ao Roger. Sou igual a todo mundo e não vou desistir, pois tenho qualidade. Vou dar continuidade ao meu trabalho pra um dia brilhar e dar felicidade pra torcida.
  • Wellington Paulista, atacante do Cruzeiro: É complicado, ele estava sendo vaiado. Sofreu o pênalti e não xingou a torcida, pediu apoio. Falei com ele pra ser delicado, porque os torcedores não estavam escutando o que ele estava falando. Podiam interpretar errado, como acabou acontecendo. Antes do jogo, o Adilson comentou com a gente que era aniversário do Léo Fortunado. A gente não sabia e por isso pensei nesta homenagem. Ele é um cara que merece , que ficou sete meses trabalhando. É um amigo e por isso a emoção. Fico feliz pela vitória, mas triste pelo futebol que este jogador Dudu apresenta dentro de campo. Ele só bate, deu carrinhos violentos, chegou duro em mim várias vezes, dando carrinhos, pegou o Diego Renan em um lance. Fui falar com ele e ele me mandou pra aquele lugar. Ele só bate, não joga futebol. Falei com ele que espero que ele possa melhorar o futebol.
  • Leo Fortunado, beque do Cruzeiro: Não só o Wellington Paulista, mas todo o grupo é formado por pessoas muito legais. Espero poder ajudar o grupo nesta volta.
  • Fabinho Alves, volante do Cruzeiro: Procuro ser sensato, correto. Sempre frisei que nunca vou bater de frente com o Adílson. Fico feliz com o reconhecimento que recebo de vocês (imprensa). O que posso fazer estou fazendo. Só não posso pedir pra jogar, aí já é demais. (…) Eu não vou desistir, acredito que tudo tem um limite, mas a gente segue. Pra mim não falta nada. Estou trabalhando bem, fazendo gols. É claro que a gente nunca pode achar que está bom, tem que trabalhar. Não vai alcançar a perfeição também. Eu tenho que trabalhar e acredito que não falta mais nada; se está difícil a gente procura outros ares. Mas aqui está bom, o ambiente é bom, venho mostrando o meu trabalho. (…) O meio do ano está aí, a gente tem opções. Eu tenho contrato, isso é o mais importante. Tenho um respeito pelo presidente, pelo clube, muito grande, e vou continuar trabalhando. Coisas boas virão.
  • Adílson Baptista, treinador do Cruzeiro: O Cruzeiro jogou melhor desde os primeiros 22 minutos, quando estava tocando e trabalhava bem a bola. Independentemente do sistema e de não ter tempo hábil para trabalhar, foi feito. Eles vieram com uma proposta mais fechada, com três zagueiros e dois volantes, os dois alas adiantados e sem um companheiro pro Fábio Júnior. Com isso nós adiantamos o Caçapa e ele trabalhou bem como volante. O Cruzeiro fez por merecer, jogou melhor. No 2º tempo, com a troca do Mauro eles melhoraram, mas o Cruzeiro controlou. Uchoa fez uma partida muito boa, ajudou o Fabinho Alves no meio. Os três lá atrás se superaram, principalmente o Leo, que ficou muito tempo inativo. Sou pago pra isso, para escalar, arriscar e sem ter medo. Porque se o time perde, a responsabilidade é minha, eu é que fiz errado. Na minha avaliação, o Uchoa foi o melhor em campo. O Fabinho Alves também foi importante, é experiente, sabe rodar, se posicionar, fez grande parte daquilo que foi pedido. É um jogador que nós confiamos e temos de enaltecer o trabalho de todos. Sempre treinamos com esses atletas, a gente olha e requisita quando quer fazer um trabalho de penetração e posse de bola. É importante para que eles nos ajudem quando forem solicitados. Estamos observando, a base do Cruzeiro é muito boa, os garotos estão de parabéns e também são muito bem treinados. Você vê: o Cruzeiro ganha com os meninos, e nós vamos arrumar crise aqui? Esse é o Cruzeiro. O outro lado tapa o sol com a peneira, toma sufoco. Mas é assim. Eu já conheço, eu sei como funciona aqui, estou aqui no 3º ano, vou defender, vou trabalhar. Quero que o torcedor entenda, compreenda, tenha paciência, incentive, e acredite, porque a gente está fazendo o melhor pela dedicação que temos. Vão fazer crise em quem está lá atrás. É isso que vocês têm que ter um pouco de atenção. O Cruzeiro está em 1º e vamos arrumar confusão no Cruzeiro?
  • Mauro Fernandes, treinador do América: Evolução é claro que está tendo. O América está evoluindo tanto na parte técnica quanto na física. Mas quando a gente perde um jogo da maneira que perdeu, ficamos bem chateados. Às vezes você ganha uma partida e não vê os erros. Quando perde muitas vezes você vê erros. A evolução da equipe é nítida, mas tem muito a melhorar. Quando se erra muitos passes você tem de correr dobrado. Você tem de correr pra roubar a bola, pra recuperar o erro, então complica. E neste ponto, sem duvida o Cruzeiro foi bem melhor que a nossa equipe. Eu disse que diante do Cruzeiro seria o jogo da nossa classificação. Agora, o próximo contra o Democrata vale a classificação. Não temos tempo pra respirar, jogamos na próxima segunda-feira, mas temos tempo pra trabalhar e apresentar futebol bem melhor do que este apresentado contra o Cruzeiro.
  • Marcus Salum, dirigente do América: É uma revolta muito grande, estamos voltando no tempo da arbitragem tendenciosa. Tem de tomar cuidado, pois tem um time mandando na Federação e os juizes têm medo disso. Hoje, teve um pênalti claro, um impedimento do Fábio Júnior que não teve e ainda não teve coragem de dar mais um minuto de acréscimo. Mas não foi um lance apenas, não foi pênalti no Bernardo, se aquele foi, aqui no Rodrigo também foi. O que está me preocupando é a tendência da Federação. Eu confio no Jurandir, sei que ele quer fazer uma arbitragem séria, mas o que está acontecendo é que estão exercendo um poder que os juízes têm medo do Cruzeiro. O América está em fase de adaptação, não estou justificando derrota pela arbitragem. A arbitragem foi desigual como já foi no passado. Não sei se a gente ia ganhar ou perder, mas a arbitragem foi desigual. O que a gente quer é uma arbitragem igual, se não a gente vai brigar para ter juiz de fora.
  • Dudu, volante do América-BH: Retiro as palavras do Wellington Paulista, não sou um jogador maldoso, se fosse maldoso eu já seria expulso. Sempre chego firme, mas na bola, não busco machucar ninguém. Sou jogador guerreiro, pra ajudar a equipe e não pra machucar ninguém. Estou com a minha consciência limpa. O Diego Renan teve uma jogada dura comigo, chegou no carrinho e eu não falei nada. Depois cheguei em uma jogada nele e se eu tiver acertado sem querer peço desculpas. Wellington Paulista queria apitar o jogo, dominar o jogo. Falei com ele que eu ia chegar sempre firme, mas na bola, que não ia machucar ninguém. Ele me chamou de moleque, pedi para ele me respeitar.
  • Leandro Mattos, em seu blog: Cruzeiro e América travaram um duelo movimentado e cheio de gols neste domingo. O jogo foi parelho, com ambas as equipes buscando tentos durante a maioria dos 90 minutos. Mesmo com apenas dois titulares, os azuis conseguiram fluir seu jogo e ampliaram um tabu de quase oito anos: dez jogos sem derrota para o Alviverde. Bernardo, Wellington Paulista e Uchoa foram os destaques pelo lado estrelado. Além de gols, choveu granizo no Mineirão. Com o temporal, os refletores do ‘Gigante da Pampulha’ apagaram e o árbitro parou o jogo por quase 40 minutos. No momento da interrupção, o Coelho já sofria com uma melhor postura do time azul. No início do segundo tempo, após trocas eficientes feitas por Mauro Fernandes (Joãozinho no lugar de Fabrício e Luciano na vaga de Irênio), o América foi melhor, até acusar o segundo golpe, no gol de Kieza. O triunfo manteve a Raposa no topo da tabela, de forma isolada, com aproveitamento ainda mais apurado no Estadual: 77%, após nove rodadas. O meio de semana será de amistoso internacional para os 11 de Adílson Batista, contra a África do Sul de Carlos Alberto Parreira. Depois, o time encara o América de Teófilo Otoni, no sábado, antes de receber o Deportivo Itália, num embate crucial para as pretensões celestes na Libertadores da América, no dia 24.
  • André Kfouri, em seu blog: Só dois titulares jogaram, e mesmo assim o Cruzeiro ganhou o “clássico”, que teve futebol enquanto a natureza permitiu. Como diria o outro, teve até chuva de granito no Mineirão.
  • Mário Marra, em seu blog: O América foi um adversário difícil, a chuva também ameaçou, entretanto, mesmo com apenas Fábio e Diego Renan (os únicos titulares em campo) jogando, o Cruzeiro venceu e voltou a ser líder do Mineiro. O América tinha claramente definida a proposta de atacar pelos lados. Tumultuou o meio com Dudu, Moisés e Leandro Ferreira e ainda com três zagueiros protegendo o gol. O Cruzeiro tinha três zagueiros, Fabinho Alves e Uchoa como volantes e Bernardo na armação. A chuva tomou conta do horário e não permitiu que houvesse jogo. A paralisão foi longa e, bola rolando de novo, Diego Renan estava mais solto e Uchoa mais fixo na marcação de Danilo. Moisés recuou para pegar Diego. Quando tudo indicava um primeiro tempo de 0×0, Wellington Paulista acertou um belo chute de longe e fez o primeiro gol do jogo. Para o segundo tempo, o América voltou com Joãozinho e Luciano nos lugares de Fabrício e Irênio e, consequentemente mais ousado. Os espaços apareceram e aos 13 minutos Fábio Jr. ajeitou para Leandro Ferreira bater com força e fazer o gol de empate. Leandro Lima e Magalhães entraram e logo após foi a vez de Kieza. Diego Renan passou a ocupar a lateral direita no lugar de Marcos. Uchoa voltou para o meio e Magalhães observava Danilo. Curiosamente, o lateral americano teria mais espaços, no entanto, parou de subir. O jogo poderia ter se oferecido ao América, mas o Coelho não pegou e foi castigado. Bernardo, jogador que mais bateu a gol no jogo, sofreu penalti e Wellington Paulista perdeu. A defesa de Gléguer poderia ter animado o Coelho, mas nem deu tempo. Kieza deu o primeiro toque na bola já fazendo gol. Leandro Lima, que tem características diferentes dos outros meias azuis, deu boa assistência a Fabinho Alves – 3×1. O finzinho da partida ainda proporcionou um remember. Rodrigo avançado pela esquerda cruzou para a área e achou Fábio Jr., ele dominou como antigamente, virou como antigamente e fez um belo gol como antigamente. Por falar em antigamente, o América continua sem bater o Cruzeiro. O Cruzeiro é superior. Tem mais elenco e é mais vivido e envolvido em uma filosofia que vitórias. O caminho do América pode ser melhor. Danilo, Rodrigo, Leandro Ferreira, Moisés e Otávio são jovens bons jogadores e podem trazer resultado técnico e financeiro.
  • Leo Vidigal, no PHD: Esse jogo teve duas fases, como diria o povo de Belém: antes e depois da chuva. Que aliás foi belíssima e gerou euforia na torcida, que se manteve pelo resto do jogo. Parecia que todo mundo no estádio queria cantar mais alto que ela. Mas contra a fúria da natureza ninguém pode. Ainda bem que o jogo não foi desmarcado. Esse time B foi um achado e deve segurar a onda até o final dessa fase e talvez por boa parte do Brasileiro. Kieza entrou bem, fez gol e se movimentou bastante. Parece ser o maior candidato a ser xodó da torcida nesse time B. Se “não for nem relacionado” nos próximos jogos (não deve ter sido inscrito na Libertas, pois chegou depois do início do torneio), pode ser usado pra gerar cizânia, como Jadilson e agora o Fabinho Alves. O Bernardo achou ter sido vaiado antes do penal, mas estava lá e não ouvi vaias específicas pra ele. Talvez ele tenha se confundido. Mas a torcida estava bem instável ontem, cada parte do estádio cantando uma coisa diferente, então pode ser qeu ele esteja certo. Essa mania de ficar fazendo gestos pra torcida não pode dar em boa coisa. Tanto que depois alguns ensaiaram uma vaia quando ele pegava na bola, enquanto outros gritavam o seu nome. Confusa a torcida, hoje.
  • Ernesto Araujo, no PHD: O jogo foi atípico. Entramos com um mais uma versão do Catadão® 2010 e o time jogou bem. Acho que mesmo com o empate a torcida não ficaria decepcionada. O jogo foi bom, disputado, emocionante, como toda partida de futebol pode ser. E o cruzeirense saiu de alma lavada (literalmente) com um belo gol de WP e os demais de raça. Adílson bem que poderia fixar esse time como B e ir só substituindo as peças de acordo com cartões e contusões.
  • Douglas Sorocaba, no PHD: Destaques: 1) Golaço do WP; 2) Primeiro gol do Kieza com a camisa azul celeste; 3) Gol de categoria do Fabinho Alves; 4) Partidaça do Anderson Uchôa; 5) Leandro Lima, que entrou no 2º tempo, participou dos 2 gols da etapa final. Foram dele os belos passes pros gols do Kieza e do Fabinho Alves. Se não fez uma partidaça, pelo menos foi importante pro time, o que não é pouca coisa.6) Bernardo está conseguindo ser útil coletivamente. Seguindo nessa linha e com um pouco mais de cabeça no lugar, ele tem futuro. Caso contrário, trilhará o caminho do Kerlon até cair no esquecimento do mundo futebolístico.
  • Flavio Carneiro, no PHD: O melhor de tudo, além dos 3 pontos, foram as atuações do Uchoa e do Fabinho Alves. Ótimo ver um garoto da base jogar com tanta personalidade e muito bom ver o Fabinho Alves jogar bem novamente, como já fez em vários momentos no Cruzeiro. Essa é uma posição onde estamos muito bem servidos. Por outro lado, não tenho gostado nem um pouco da postura em campo do Bernardo, que está se achando a última coca-cola gelada do deserto. Menos garoto, menos.
  • Marcus Oliveira, no PHD: Bacana foi o abraço do Bernardo no Adilson, ambos ajoelhados e vibrando, demonstrando o quanto o treinador quer ajudar o jogador. E antes disso ele já tinha contido o garoto pra ele não responder parte imbecil da torcida que vaia atleta em campo. A torcida foi pra lá de injusta. Todos estão de parabéns, alguns pela técnica ,outros pela vontade.
  • KMP, no PHD: Fabinho Alves precisa ser melhor aproveitado nesse time, tem categoria, sabe jogar.Alguns titulares não andam em boa fase, e uma sombra de nível é sempre salutar para que não acomodem. Bernardo também foi bem, estava mais solto e com personalidade, mas quem arrebentou mesmo foi o Wellington Paulista. Ele voltou como se nunca tivesse saido. Fez bela partida e um gol antológico.

Fontes

Transmissão

  • Sportv
  • Globo Minas