Cruzeiro 2x1 Grêmio - 23/10/1966

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Cruzeiro.png 4x1 Escudo Renascença.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 0x1 Escudo Valeriodoce.png
Por Taça Brasil
Escudo Grêmio.png 0x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x0 Escudo Fluminense.png
No estádio Mineirão
Escudo Cruzeiro.png 4x1 Escudo Renascença.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 0x1 Escudo Valeriodoce.png
Contra Grêmio
Escudo Grêmio.png 0x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Grêmio.png 1x0 Escudo Cruzeiro.png

Índice

[edit]

Escudo Cruzeiro.png
2 × 1
Escudo Grêmio.png

Jogo de volta - Quartas-de-final da Taça Brasil 1966


Informações

Data: 23 de outubro de 1966
Local: Belo Horizonte, MG
Estádio: Mineirão

Árbitro: Cláudio Magalhões
Assistente 1: Idovã Silva
Assistente 1: Arnaldo César Coelho


Público e Renda

Público pagante: 38.455
Público Presente: 50.000
Renda: Cr$ 79.508.800,00 R$ 79.508.800 <br />Cr$ 79.508.800 <br />NCr$ 79.508.800 <br />Cz$ 79.508.800 <br />NCz$ 79.508.800 <br /> (preço médio: Cr$ 2.067,58 )


Escalações

Cruzeiro
  1.  Raul
  2.  Pedro Paulo
  3.  William
  4.  Cláudio Danni
  5.  Ílton Chaves
  6.  PiazzaSimbolo jogador base.png
  7.  Dirceu Lopes
  8.  TostãoSimbolo jogador base.png  Gol aos 16 do 16' (2T) P
  9.  Natal
10.  Evaldo Substituição realizada de jogo ( Marco Antônio  Gol aos 4 do  (2T ) 4'  (2T ) )
11.  Hilton Oliveira
Técnico: Aírton Moreira

Grêmio
  1. Arlindo
  2. Altemir
  3. Airton
  4. Áureo
  5. Everaldo
  6. Sérgio Lopes
  7. Paíca
  8. Vieira Gol aos 47 do 47'
  9. João Severiano
10. Alcindo
11. Volmir
Técnico: Luiz Engelk


Reservas que não entraram na partida


O jogo[editar]

O Cruzeiro tomou a iniciativa. O Grêmio respondia em contra-ataques. Mas as defesas estavam seguras e todos os ataques se frustraram no 1º tempo.

Acostumada a ver seu time jogando rápido e rasteiro, a torcida celeste impacientava-se com a falta de gols.

Compreendia o zero a zero heróico de Porto Alegre, mas não admitia que seu ataque passasse outra partida em branco.

Experiente, o Grêmio segurava o jogo. Em caso de empate, dois dias depois seria jogada a negra, e nessas circunstâncias, o Cruzeiro estaria ainda mais pressionado.

No intervalo, Aírton Moreira trocou a categoria de Evaldo pela contundência de Marco Antônio.

Em vez de tentar abrir brechas na defesa tricolor com os deslocamentos do centroavante contratado ao Fluminense, optou pelo choque direto com os zagueiros.

Mas quem marcou primeiro foi o Grêmio. Aos 2 minutos, Raul não conseguiu segurar um chute de Alcindo. Aproveitando o rebote, Vieira fez 1×0.

O empate aconteceu aos 4. Marco Antônio relatou o lance à Revista do Cruzeiro, edição de 24/08/1996:

  • “Dirceu Lopes lançou e eu parti em velocidade. Airton fez escora para deixar a bola sair, mas consegui dar um carrinho e tocá-la para as redes.”

Faltou dizer que, por pouco, Áureo não salvava o gol. O beque chegou a cortar a bola, mas ela já havia ultrapassado a linha fatal e o juiz carioca não pestanejou. Mandou dar nova saída: 1×1.

Empurrado pelos quase 50 mil torcedores –em grandes jogos, além das cadeiras cativas lotadas, a carteirada era prática normal-, o Cruzeiro sufocou o Grêmio e chegou ao gol da vitória aos 16 minutos.

Marco Antônio tentou driblar Áureo e foi aterrado na área. Tostão bateu o pênalti e fez 2×1.

Daí em diante, só deu Grêmio. Meia hora para testar nervos e corações.

Raul, Pedro Paulo e Piazza se agigantaram. O ataque recuou. Até o chutão, prática inexistente no compêndio da Academia Celeste, foi praticado.

No final, Marco Antônio comemorou com “Seu Aírton” a decisão de colocá-lo em campo:

  • “Se não me derrubassem, eu teria feito o segundo gol!”.

Fonte[editar]