Cruzeiro 2x0 Deportivo Itália - 24/03/2010

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Cruzeiro.png 2x1 Escudo América-TO.png Gol aos do Escudo Democrata-GV.png 3x1 Escudo Cruzeiro.png
Por Copa Libertadores da América
Escudo Deportivo Itália.png 2x2 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 3x0 Escudo Vélez Sársfield.png
No estádio Mineirão
Escudo Cruzeiro.png 2x1 Escudo América-TO.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 3x0 Escudo Vélez Sársfield.png
Contra Deportivo Itália
Escudo Deportivo Itália.png 2x2 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Última ficha →

[edit]

Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
2 × 0 Escudo Deportivo Itália.png
Deportivo Itália
4ª rodada - Fase de Grupos - Copa Libertadores da América
Data: 24 de março de 2010 Local: Belo Horizonte, MG
Horário: 21:50 Estádio: Mineirão
Árbitro: Antonio Javier Arias (PAR) Público pagante: 17.237
Assistente 1: Rodney Aquino (PAR) Público presente: 19.408
Assistente 2: Milcíades Saldívar (PAR) Renda: R$ 263.221,00 R$ 263.221
Cr$ 263.221
NCr$ 263.221
Cz$ 263.221
NCz$ 263.221
(preço médio: R$ 15,27 )
Súmula: Súmula
Escalações
Cruzeiro: Deportivo Itália:
1. Fábio 1. Fernández
2. Jonathan Cartão amarelo recebido aos 2. McIntosh
4. Leonardo Silva 6. Maidana Cartão amarelo recebido aos
14. Thiago Heleno 4. Javier Lopez
6. Diego Renan 3. Daniel Diez Cartão amarelo recebido aos Substituição realizada de jogo ( 11. Hernández )
15. Fabinho Alves Gol aos 6 do 6' Cartão amarelo recebido aos 8. Alain Giroletti Cartão amarelo recebido aos
7. Marquinhos Paraná Substituição realizada de jogo ( 5. Fabrício ) 14. Jimenez
8. Henrique Cartão amarelo recebido aos 20. Diomaf Díaz Substituição realizada de jogo ( 17. Félix Cásseres )
10. Gilberto Substituição realizada de jogo ( 18. Pedro Ken Gol aos 70 do 70' ) 10. Urdaneta
9. Wellington Paulista 9. Blanco
11. Thiago Ribeiro Cartão amarelo recebido aos Substituição realizada de jogo ( 21. Eliandro ) 18. Panigutti Substituição realizada de jogo ( 4. C. Cásseres )
Técnico: Adilson Batista Técnico: Eduardo Saragó
Reservas que não entraram na partida
Cruzeiro: Deportivo Itália:
12. Rafael 1. Liebeskind
20. Bernardo 10. Morales
13. Marcos 7. Di Julio
22. Caçapa 21. Riascos

Pré-Jogo

Em 2º lugar no Grupo 7 com 4 pontos, o Cruzeiro luta pra enconstar no líder, Vélez que já somou 7 em 3 partidas.

No momento, o aproveitamento de 44%, segundo pior entre os segundos colocados, não dá vaga ao Mais Querido de Minas nos pleiofes.

Machucados, Roger, Guerron, Gil e Elicarlos, estão fora do jogo. Kleber, suspenso, também desfalca a equipe. Recuperado de uma lesão na perna esquerda, Fabrício estará no banco.

Em 4º lugar, o Deportivo Itália precisa vencer pra manter acesa a chama da classificação. Que só viria com 3 vitórias no returno.

Os venezuelos terão o retorno do goleiro boliviano José Carlos Fernández, mas não contarão com Rafael Lobo, expulso no jogo contra o Cruzeiro.

O melhor para eles será o direito a um banho caprichado depois da partida, algo impossível em seu país onde a falta de água está dando nos nervos da população.

Como foi

Primeiro Tempo

  • 21h51 – Começa o jogo, Cruzeiro com uniforme tradicional defende o Gol da Lagoa. Deportivo Itália joga com camisa branca, calções e meias azuis.
  • 01 – Girolleti cobra falta sobre a área, Fábio defende pelo alto.
  • 02 – Thiago Ribeiro rola pra Jonathan, que chuta de primeira, da entrada da área. Fernández espalma pro lado, no susto.
  • 03 – Diego Renan levanta a bola sobre a área; ela sai pela linha de fundo.
  • 05 – Thiago Ribeiro, na meia direita, corta pra dentro e solta bomba de pé direito, bola desvia em Maidana e sai pra escanteio.
  • 06 – Thiago Ribeiro cobra escanteio pela direita, Fernández sai mal, não acha a bola, que Fabinho cabeceia. Ela passa por dois jogadores do Itália e vai pras redes. Cruzeiro 1×0.
  • 07 – Thiago Ribeiro cai na lateral esquerda da área e pede falta. Juiz manda seguir.
  • 09 – Leonardo Silva comete falta em Urdaneta, Girolleti levanta a bola sobre a área, Fábio tira de soco.
  • 10 – Cruzeiro domina a partida jofgando com rapidez e se valendo dos deslocamentos de Thiago Ribeiro no ataque.
  • 11 – Marquinhos Paraná lança Henrique,na direita. Volante tenta jogada undividual, mas é desaramdo, cai e pede falta. Juiz manda seguir o jogo.
  • 13 – Jonathan cruza, Henrique cabeceia, bola sai por cima do travessão.
  • 14 – Giroletti cobra falta sobre a área, bola sai pela linha de fundo.
  • 15 – Thiago Ribeiro recebe na área, cruza pra Wellington Paulista, Maidana corta.
  • 17 – Gilberto lança WP, mas a bola sia diretamente pra linha de fundo.
  • 20 – Cruzeiro diminui o ímpeto, toca a bola, controla a partida. Itália se vale apenas das bolas levantadas psobre a área por Alain Giroletti. Diego Renan não ataca, limita-se a defender. Fabinho recuar para acrescentar mais um homem alto na bequeira a fim de cortar as bolas alçadas pelo Itália. Marquinhos Paraná é quem arma o jogo e distribui as bolas ofensivas. Gilberto está lento, sem inspiração nem mobilidade. Jonathan joga çlivre, ataca o tempo todo explorando a dificuldade de marcação do lateral-esquerdo Diaz.
  • 21 – Panigutti comete falta em Leonardo Silva.
  • 23 – Jonathan cruza, bola sai alta e fica com Fernández.
  • 23 – Thiago Ribeiro lança Gilberto, na esquerda. Aramdor invade a área, mas é desarmado por Maidana que cede escanteio.
  • 24 – Fabinho lança Wellington Paulista, que cabeceia, dentro da área, de peixinho. Bandeira marca impedimento do centroavante.
  • 25 – Wellington Paulista recebe na área e chuta cruzado pra fora. Na sequência, pisa em López e o Juiz pára a partida para advertir os dois.
  • 26 – Jonathan lança Thiago Ribeiro, Fernández fica com a bola.
  • 28 – Jonathan recebe lançamento de Diego Renan, aplicar um chapéu em López, mas é desarmado.
  • 29 – Diez segura Thiago Ribeiro pela camisa e recebe cartão amarelo.
  • 30 – Fabinho comete falta em Diez, na entrada da área, e recebe cartão amarelo.
  • 31 – Girolleti cobra falta e acerta o travessão.
  • 32 – Diego Renan dribla vários marcadores, invade a área, mas chuta pra fora, à direita de Fernández.
  • 33 – Blanco desce pela direita e cruza rasteiro pra área. Não aparece ninguém do Itália pra conferir.
  • 34 – Itália começa a jogar com a bola no chão e cria dificuldades pra defesa celeste. Fabinho toma conta da lateral-direita pra permitir os avanços de Jonathan.
  • 35 – Henrique lança Wellington Paulista, a bola sai pela linha de fundo.
  • 36 – Marquinhos Paraná lança Gilberto na esquerda. Armador cruza, bola passa por Wellington Paulista, Fernández defende.
  • 37 – Maidana comete falta em Gilberto.
  • 38 – Marquinhos Paraná lança Diego Renan, que dribla Macintosh e cruza rasteiro. Gilberto conclui fraco, Fernández segura firme no canto esquerdo.
  • 39 – Girolleti levanta a bola sobre a área, Wellington Paulista cabeceia pra trás e quase marca gol contra: escanteio.
  • 40 – Thiago Ribeiro cobra falta próxima a entrada da área, bola passa por cima do travessão.
  • 41 – Thiago Ribeiro entra de carrinho em Panigutti, reclama da marcação de falta e recebe cartão amarelo.
  • 44 – Blanco cruza da direita, bola cruza a área e fica com Jonathan.
  • 45 – Thiago Ribeiro rouba bola de López e cruza rasteiro. Wellington Paulista chega atrasado e chuta torto. Bola sai pela linha de fundo.
  • 46 – Fim do 1º tempo.
  • Thiago Ribeiro: “Estamos controlando o jogo, mas precisamos marcar outro gol pra não sermos surpreendidos.”
  • Fábio: “Começamos bem, maranco adiantado. Quando afrouxamos a marcação, eles equilibraram a partida.”
  • Zezé Perrella: “Estou preocupado, pois o time está perdendo muitos gols. De repente, eles empatam e isto pode nos tirar da Libertadores.”

Segundo Tempo

  • 22h50 – Cruzeiro volta ao gramado. Jogadores tentam manter o aquecimento.
  • 22h56 – Deportivo Itália volta ao gramado. Grupo de torcedores venezuelanos, nas cativas, atrás do túnel de seu time, levanta cartazes protestando contra o ditador de seu país e contra a prisão de um governador de província.
  • 22h57 – Começa o 2º tempo. Times inalterado. TFC canta alto uma música provocando o rival citadino e sua camisa rosa.
  • 02 – Gilberto lança na direita pra Thiago Ribeiro, que recebe falta de López.
  • 03 – Thiago Ribeiro ajeita de cabeça pra Jonathan, que está impedido.
  • 04 – Leonardo Silva comete falta em Blanco. Giroletti cobra, Fábio defende.
  • 05 – Fábio sai da área pra cortar, com os pés, lançamento longo da defesa itálica.
  • 06 – Girolleti puxa Gilberto pela camisa e recebe cartão amarelo.
  • 07 – Diego Renan tabela com Gilberto, passa a Wellington Paulista, que cruza, mas não encontra atacante na área.
  • 08 – Marquinhos Paraná cobra falta rolando pra Diego Renan, que chuta à esquerda do arco itálico.
  • 10 – Thiago Ribeiro é lançado, mas está impedido.
  • 11 – Jonathan cruza, Fabinho cabeceia para o meio da área, bola passa por todo mundo e sai do lado oposto.
  • 12 – Wellington Paulista recebe passe de Gilberto, mas o bandeira pára a jogada marcando impedimento.
  • 14 – Jonathan cruza da direita, Wellington Paulista comete falta na disputa pelo alto com Mcintosh.
  • 16 – Thiago Heleno corta bola na defesa e passa a Jonathan, que a carrega por 30 metros antes de chutar torto, à direita de Fernández.
  • 17 – Henrique comete falta em Macintosh e recebe cartão amarelo.
  • 18 – Diego Renan cruza rasteiro da esquerda, bola sobra na área pra Marquinhos Paraná, que chuta forte, por cima do travessão.
  • 19 – Urdaneta cruza da direita, Thiago Heleno despacha pra escanteio.
  • 20 – Cristian Cásseres substitui Panigutti.
  • 21 – Henrique lança Thiago Ribeiro, que chuta forte, de fora da área. Fernández defende cedendo escanteio.
  • 23 – Pedro Ken substitui Gilberto. Parte da torcida vaia o treinador.
  • 24 – Henrique cruza da esquerda, Thiago Heleno não alcança a bola.
  • 25 - Confusão na área do Italia, Pedro Ken ajeita pra Thiago Ribeiro. O chute sai forte, acerta em Maidana e volta pra Pedro Ken, que a domina e chuta. A bola desvia em López e vai pras redes: Cruzeiro 2×0.
  • 26 – Marquinhos Paraná recebe na esquerda e cruza, ninguém aproveita. Torcida celeste faz muita festa. Maior parte da torcida grita o nome de Adílson Baptista.
  • 27 – Félix Cásseres substitui Díaz.
  • 28 – Jonathan comete falta em Blanco e recebe cartão amarelo.
  • 29 – Thiago Ribeiro cruza da direita, defesa itálica corta.
  • 30 – Cristian Cásseres recebe livre, dentro da área, Fábio, que fecha o ângulo e defende evitando um gol certo.
  • 31 – Thiago Ribeiro lança Diego Renan, que é desaramdo, dentro da área, por López.
  • 32 – Cruzeiro não administra a partida. O jogo está vivo, com os times abertos buscando o gol.
  • 34 – Thiago Ribeiro lança Diego Renan, que é desarmado por López dentr o da área.
  • 35 – Hernández substitui Díez.
  • 36 – Wellingtomn paulista lança Jonathan na direita. O chute sai cruzado e a bola passa rente ao poste direito do arco venezuelano.
  • 39 – Jonathan cruza da direita, Mcintosh corta.
  • 40 – Leonardo Silva disputa bola e se desentende com Blanco na linha de fundo.
  • 41 – Fabrício substitui Marquinhos Paraná, Eliandro substitui Thiago Ribeiro.
  • 42 – Com votos de Júnior Brasil, Thiago Reis e outro repórter, Itatiaia elege Thiago Ribeiro o melhor em campo. Ele vence Diego Renan, que recebe votos de Alberto Rodrigues e João Vítor Xavier, por 3×2.
  • 46 – Giroletti lança mais uma bola sobre a área. Fábio defende com tranquilidade.
  • 47 – Termina o jogo. Foguetório no Mineirão. Com 7 pontos, o Cruzeiro assume a liderança do Grupo 7 com um gol marcado a mais que o Vélez que, contudo, tem um jogo a menos.
  • Diego Renan: “Eu estava devendo um pouco, mas acho que, hoje, estive bem.”
  • Fabrício: “Deu pra dar uns dois piques, mas o Mineirão continua muito grande pra mim. Minha volta será passo a passo, sem pressa, até eu me sentir melhor.”

O que foi dito

  • Eduardo Saragó, treinador do Deportivo Itália: Jogamos bem, mas fomos afetados pelo gol precoce, principalmente porque o Cruzeiro não tinha feito nada pra justificar a vantagem. A tabela de classificação do grupo, sobretudo a pontuação de Cruzeiro e Vélez, que estão muito acima, torna difícil nossa classificação, mas seguiremos trabalhando e lutando. Estou chateado porque perdemos, mas a equipe consolidou muitas coisas pro futuro. Ninguém vai nos desanimar de continuar somando pontos na Copa. Foi uma partida equilibrada, nunca perdemos o foco e tivemos chances de marcar. Alguém se lembra de um mano a mano do Cruzeiro com nosso arqueiro? Isto não aconteceu, o que a bioa atuação do nosso time. Não desistimos de vencer e vamos com tudo pra conseguir uma vitória. Tem sido fundamental pra nossos jogadores disputar esta Copa e eles estão aproveitando bem a oportunidade.
  • Jonathan, lateral-direito do Cruzeiro: Foi uma vitória super importante, somos os líderes do grupo. Nossa equipe está de parabéns. Foi um jogo difícil, a torcida está de parabéns por ter comparecido. É nesse ritmo que a gente vai conseguir a classificação. Fazer 200 jogos não é para qualquer um. Apesar de estar aqui desde 2005, muitos jogadores também subiram naquela época e saíram. Estou fazendo 200 jogos em casa, em uma Libertadores. Tem um gostinho especial. É um jogo especial para mim. Não foi muito bom o meu início como profissional, mas hoje me consolidei e estou com a cabeça tranqüila. Agüento qualquer tipo de pressão, de coisa que possa vir a acontecer pela frente. Tenho certeza que qualquer jogador gostaria de estar vestindo essa camisa do Cruzeiro e buscar essa marca de 200 jogos.
  • Diego Renan, lateral-esquerdo do Cruzeiro, em seu blog: Hoje, todos nós estamos felizes pelo resultado que conseguimos ontem à noite no Mineirão. A vitória que esperávamos veio e metade do planejamento feito para os dois confrontos decisivos no Mineirão está cumprida. Isso nos passa tranquilidade e mostra que estamos no caminho certo, mas jamais nos deixará acomodados. Ontem, quase marquei um gol. Na hora, achei que conseguiria balançar as redes, porém não deu certo. Isso não fez com que abaixasse a cabeça na partida. Pelo contrário, só me deixou mais motivado. Sempre desejo melhorar o meu futebol e procuro ser incansável na aprimoração do estilo de jogo. Agora é descansar o máximo possível e focar na partida diante do Vélez, que, assim como ontem, será decisiva. Sabemos da nossa responsabilidade de conquistar os três pontos no Mineirão e, por isso, podem esperar não 100% de esforço, mas muito mais…
  • Fabrício, volante do Cruzeiro: Dei uma ‘afogada’ boa ali. Estava torcendo por um placar legal para eu entrar. Dei uns dois piques, mas o Mineirão continua grande para mim. Vou ter mais jogos aí, quem sabe no fim-de-semana, pra condicionar mesmo. Vou passo a passo, pensar o próximo jogo, passo a passo, e aí tenho como me avaliar melhor e ver se dá para jogar os 90 minutos.
  • Pedro Ken, volante do Cruzeiro: A torcida quer sempre o time para frente. O Adilson tirou o Gilberto, que é um meia mais ofensivo, pra me colocar. Tenho característica de jogar um pouco mais atrás. A torcida acabou chiando um pouquinho, mas graças a Deus deu certo. Procurei entrar tranquilo e dar o meu melhor. Mais uma vez pude fazer um gol em um jogo importante. É bom para o Cruzeiro, dá mais confiança pro grupo, pra gente buscar essa primeira colocação. A bola sobrou para mim dentro da área, e eu pude concluir, em um momento difícil do jogo, estava 1×0. É um placar perigoso, principalmente em Libertadores. A gente precisava a qualquer custo da vitória. A partir do momento em que a gente fez o 2º gol, deu mais tranquilidade para a equipe. Para mim, é muito bom entrar em jogos importantes assim, podendo fazer gols e dar minha contribuição. É importante pro grupo ganhar confiança. Para o Cruzeiro, quanto mais gente estiver brigando pela posição, melhor para o Adilson e para o clube. Eu vou procurar fazer a minha parte e trabalhar duro no dia-a-dia, para que, aos poucos, possa conquistar o meu espaço e ganhar a confiança de todo mundo.
  • Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: Estou feliz por mais uma vitória e mais uma boa atuação. Infelizmente o gol não saiu, mas gostei da minha atuação. Fiquei duas semanas sem jogar, fora dos dois últimos jogos da equipe. Voltei bem e não senti o ritmo de jogo, me movimentei bem.
  • Adilson Batista, treinador do Cruzeiro: Eu não vi tantas dificuldades, vi um volume de jogo muito bom, o Cruzeiro rodando bem a bola, bem posicionado. Tivemos lucidez, trabalhamos, criamos. O scout do jogo mostra que o Cruzeiro chutou muito mais. Eles tiveram uma chance com o Casseres no fim, o resto foi tudo de bola parada. Eu gostei. Fizemos um bom jogo, não teve nada de dificuldade. Foi tranqüilo. Não é questão de não vencer por goleada. Hoje, nós somos o 5º melhor primeiro. Tem gente vendo fantasma aí, que nós precisamos fazer 11 pontos, que não pode dar, é uma preocupação… Isso aí às vezes acontece. Todo mundo está tendo dificuldade. Libertadores, tem gente que joga a cada 25 anos. O Cruzeiro está jogando pelo 3º ano consecutivo. É difícil jogar Libertadores. Não é tão simples assim. Não é questão de lentidão. Vocês precisam entender que é difícil a Libertadores. O Cruzeiro rodou a bola, teve chances, criou. O Jonathan teve a chance no finzinho de fazer 3×0, o Pedro Ken, o Paraná, o Gilberto, enfim… O Diego Renan teve uma também para fazer no primeiro tempo. O importante é criar. Estou preocupado só com o Cruzeiro. Acho que pode acontecer o empate, mas é aquilo que eu falei anteriormente: a decisão vai ser em Santiago. Pelo 1º lugar da chave ou pelo 2º. Não sei, tenho de aguardar. Acho que o Cruzeiro tem condições de vencer o Vélez aqui, um jogo difícil. Já convoco o nosso torcedor, às 19h30, contra os argentinos. A gente gosta dos argentinos. Vai ser um jogo muito bom e eu preciso da ajuda deles aqui, para que a gente faça os dez pontos e vá para o Chile com o intuito de terminar em primeiro. O São Paulo é a sétima consecutiva. O Cruzeiro é a terceira, com esses jogadores. Tem o desgaste, a maratona, jogos decisivos. Tem vários jogadores no terceiro ano, tem de entender, relevar, porque às vezes vai sobrecarregar. São três anos de maratona, de dificuldades, de cobranças. E a gente tem de provar todo dia, porque é novo, está aprendendo. Tem muita gente que sabe mais do que a gente. Isso é o futebol. Com calma a gente vai tendo tranqüilidade, trabalhando e vamos nos classificar, podem ficar tranquilos. Eu sou sócio-torcedor, também estava lá em cima gritando, xingando, entendeu? Eu sou cruzeirense, sou igual a eles. Sou torcedor também. Então, às vezes, não entende, ou escutou… Troca a estação, muda a estação às vezes, está na estação errada. Porque eu estou sabendo o que eu faço ali. Eu troquei para ter uma melhor marcação, para dar mais liberdade. O Thiago Ribeiro está voltando, o Gilberto está voltando. São coisas que a gente precisa mostrar, mas é dentro de campo. Até os 60 anos vou ser aplaudido, vaiado, vou ganhar, vou perder. Isso faz parte do futebol. Eu me lembro quando nós perdemos para o Ipatinga, vindo de viagem à Bolívia, desgaste, e os comentários de que era preciso rever. Terminamos em 1º lugar na fase de classificação do Mineiro. É o 3º ano, apenas em um o rival fez 26, e nós, 25. Mas é sempre o melhor ataque, a defesa está perto, e tem de provar todo dia… Vou escalar um time competitivo para vencer o Democrata. Preciso melhorar meu aproveitamento, senão me derrubam aqui. Responsabilidade, nós sempre temos. Dirigir o Cruzeiro não é tão simples assim, ainda mais com a cobrança que eu tenho aqui. Todo dia eu tenho de provar que eu trabalho. Então, vou para lá para ganhar o jogo, senão é perigoso eu cair na semifinal. Vocês gostam de uma polemicazinha. Está tranqüilo. Eu estou bem tranquilo, consciência tranqüila. Tenho consciência do que faço. Não entrei ontem no futebol, sei o que é um vestiário, o que é jogador, o que é dificuldade, mas para algumas pessoas é tão simples. Vai para o campo para ver se é fácil. Do lado de fora é muito fácil. Mas eu estou tranquilo.
  • Juca Kfouri, em seu blog: Cruzeiro vence sem convencer: Parecia que seria fácil. Não demorou muito e Fabinho fez 1 a 0 no Deportivo Itália. Mas o Cruzeiro errava demais e o time venezuelano foi perdendo o respeito, a ponto de meter uma bola no travessão de Fábio, em cobrança de falta. Ansioso, o time brasileiro cometia faltas em cima de faltas. E era importante fazer saldo. Quando a torcida já ensaiava vaiar, Pedro Ken, que acabara de entrar diante de uma certa má vontade dos cruzeirenses, fez 2 a 0. A má vontade virou coro do nome de Adílson Batista. Fábio fez grande defesa para manter a boa vantagem. Menos mal.
  • Neto, em seu blog: Pela Libertadores, o Cruzeiro despachou o fraco time do Deportivo Itália e dormirá na liderança de seu grupo. É uma equipe forte e entrosada. Só precisa de uma sequencia maior de bons resultados.
  • Lédio Carmona, em seu blog: Foi bom porque ganhou. Foi ruim pelo que jogou. O Cruzeiro mais uma vez se atrapalhou com o Deportivo Itália, um dos times mais chatos do planeta. É experiente, sabe irritar o adversário, segura o jogo, faz falta demais, enfim, quebra a bola, como gostam de dizer alguns professores. Em Caracas, a Raposa só empatou por 2 a 2. Hoje, no Mineirão, com um público bem abaixo do que a importância da partida (e a convocação de Adílson Batista) pedia (17.237 torcedores), o Cruzeiro venceu por 2 a 0 (gols de Fabinho e Pedro Ken), deu um conforto à massa azul com o resultado, mas ficou a preocupação por mais uma atuação pálida, previsível e sem consistência. Quarta-feira que vem, também em Belo Horizonte, o time não terá direito de jogar mal mais uma vez. Será a decisão do grupo. Se vencer, o primeiro lugar estará encaminhado. Se tropeçar, terá que achar um resultado contra o Colo-Colo, em Santiago. Só depende dos brasileiros. Mas para isso será preciso jogar o futebol que a equipe já cansou de exibir por aqui. Sem Kleber e Roger, o Cruzeiro ficou previsível. Mesmo sem estar bem fisicamente, Roger dava mais volume de jogo ao meio de campo. Gilberto voltou ao time hoje, mas não jogou bem. Insistiu em bolas esticadas, atravessadas e passes longos que, na maioria das vezes, acabavam com os venezuelanos. Wellington Paulista não estava bem. Thiago Ribeiro corria demais, mas não tinha um resultado prático. Diego Renan tinha a preocupação de não dar os mesmos espaços para Richard Blanco pelo lado esquerdo. E a noite de Jonathan pela direita também não era muito inspirada. Tudo meio arrastado. A sorte foi que o Cruzeiro fez o primeiro logo no início, com Fabinho, e, quando começava a se enervar no segundo tempo, chegou ao segundo gol, com Pedro Ken. Não foi lúdico, nem convincente, nem emocionante. Mas, desta vez, foi prático. O Cruzeiro ganhou. Provisoriamente é líder. E amanhã seca Velez Sarsfield e Colo-Colo, que se matarão em Buenos Aires. O empate será lindo. Mas, sem querer ser chato, mas já sendo, reafirmo: quarta-feira, na decisão contra os argentinos, a Raposa terá que ser muito mais predadora do que nos dois últimos jogos contra o Deportivo Itália. É hora do bote final.
  • Mauro Beting, em seu blog: Dizer que um grande clube não atuou bem em 2010 –exceção o Santos – é quase um pleonasmo; o Cruzeiro foi isso contra o chato time venezuelano. Armou pouco com um Gilberto longe daquele de de 2009 –e perto da Copa de 2010-, teve apenas correria no ataque, poucas ultrapassagens pelos lados, e três volantes que não deram a guarida suficiente para a zaga. É pouco. Pinta ser suficiente para passar pelo mais complicado grupo da fase. Mas algumas questões técnicas mais que táticas merecem melhor resposta de Adilson. É preciso proteger as laterais. Mas os nomes do meio-campo são esses mesmos?
  • Mário Marra, em seu blog: O Cruzeiro de Adilson Batista tem um estilo. É um time que valoriza a posse de bola sem ser lento. A característica de reter a bola e envolver o adversário no toque é a marca do Cruzeiro. O Cruzeiro tem sido assim. No entanto, contra o Deportivo Itália o Cruzeiro foi menos técnico, menos brilhante e menos Cruzeiro. Entretanto, não é isso que toda a imprensa pede: eficiência. O Cruzeiro foi eficiente. O caminho para qualquer tipo de título passa por entender o jogo, anular as virtudes dos adversários e prevalecer, ganhar mesmo sem agradar. Ainda que custe o espetáculo. Espetáculo é bom, vitória é melhor. O jogo foi de um time cheio de recursos contra um time previsível. A bola boa dos venezuelanos saía com Giroletti, jogador que tem qualidade na bola longa. Giroletti procurava os atacantes na bola alta perto da área e também tinha a opção de Díaz pela esquerda. O Cruzeiro encaixou quem poderia receber a bola e deu espaços para o lançamento. Aos 5 minutos, Fabinho fez de cabeça o primeiro gol. O jogo poderia ter sido controlado e, olhando os números ele foi. Díaz dava trabalho para Henrique e Fabinho. O meio do Cruzeiro não girou com a mesma facilidade, mas teve a sensibilidade de fazer o jogo eficiente. O segundo tempo também não foi brilhante, entretanto, o minuto 20 reservou uma situação interessante. O técnico Saragó apostou na velocidade e colocou Cristian Cásseres pra correr. Adilson percebeu que era a hora de barrar a mexida e colocou Pedro Ken no lugar de Gilberto. A torcida reagiu vaiando. A intenção era clara: não permitir a velocidade e ganhar a bola de posse. Inibir a velocidade e tumultuar o meio. Os gritos de “burro” ainda eram ouvidos e Pedro Ken foi premiado com o segundo gol. Os dois treinadores mexeram e o placar não mudou mais. O resultado levou o Cruzeiro ao primeiro lugar do grupo e converteu os gritos da torcida.
  • Walterson Almeida, no PHD: Vi muita gente criticando o WP , mas em sua defesa devemos consiuderar que só recebeu bola quadrada. Não achei que o Fabinho foi bem apesar do gol e de ter sido muito voluntarioso. Henrique, cada dia melhor, logo será o novo MP de 2009. DR recuperando seu bom futebol, com mais ímpeto e decisão nas jogadas. Porém o melhor em campo, na minha umirde opinião, foi o TR. Correndo, armando, brigando pela bola, driblando e servindo os companheiros. E ainda pode render muito mais, o que é melhor ainda.
  • Matheus Penido, no PHD: Ao contrário do que acredita a maioria o Itália tá muito longe de ser um timeco. Marca firme, tem padrão e alguns jogadores de boa técnica como esse Girolleti. Se tivesse jogadores mais esclarecidos pra definir as jogadas a turma da terra da boina podia até brigar por uma vaga. Mas falando do Cruzeiro não achei a atuação tão ruim como muitos apontaram. O time lutou e forçou o jogo, mas continua mais lento que o esperado. De positivo o sistema defensivo ter funcionado bem, mesmo levando em consideração a falta de atacantes de maior categoria no Itália, dessa vez não foram concedidos os espaços generosos dos ultimos 3 jogos nas costas dos laterais. Parece que o Adilson tá mesmo preocupado com os espaços nas costas dos laterais. Ontem Renan esteve contido e a cada subida do Jonathan lá estava o Fabinho pra proteger. Mesmo assim alguns erros de passe especialmente no 1º tempo complicaram a vida dos zagueiros mas no geral o sistema defensivo funcionou bem e tomou apenas um gde susto com bola rolando. Henrique e Thiago Ribeiro especialmente o primeiro tem encarnado o tão falado Espírito de Libertadores, ontem foram pra mim os destaques do time. Renan tb se saiu bem, deu conta da marcação do Blanco e subiu com qualidade ao ataque, embora esporadicamente. Ken tb entrou bem, fez um gol e ainda cobriu o lado direito da defesa onde jogava o tal do Cáceres. Boa atuação e oxalá seja mais um que comece a queimar linguas.
  • Ricardo Malafaia, no PHD: E não é que o Paraná fez uma fila no segundo gol do Cruzeiro? Tomou toco, levantou, pegou a bola de novo com a ajuda do TR e abriu pro Diego Renan. Jogadaça, para mim a mais bonita de ontem.
  • André, no PHD: Cruzeiro jogou razoalvemnte bem. Não foi espetacular e como alguns iludidos achavam que ia ser goleada facil tudo vira motivo para crítica. Não gostei do Gilberto e ele foi um dos motivos do Cruzeiro não ter criado tanto, pois jogou enfiado demais entre os zagueiros do Itália e pouco voltava pra buscar jogo, até o Wellington voltava mais. Tal posicionamente, além de atrapalhar na criação, atrapalhava na marcação do Cruzeiro também, por isso foi certissima a mudança. Mais uma vez Marquinhos Paraná fez uma bela atuação, é impressionante como ele é quem melhor entende o que se passa em campo, o pior foi que eu vi varios torcedor criticando o meste. Destaque também para grande disposição de Henrique e Ribeiro, que se doam muito pela equipe. Kleber fez muita falta, Wellington Paulista é fraco e ainda tenta jogar estilo Kleber e acaba passando vergonnha, além de faltar inteligência durante a partida. Ontem, se tivessemos o Kleber, teria sido uma vitória mais folgada, talvez até goleada. Achei também que em vários momentos o time se precipitou no último passe.
  • Marco Soalheiro, no PHD: Lédio Carmona faz sempre boas análises. O time precisa evoluir muito ainda, mas concordo com a Mauro França, que mais acima disse ter visto evolução no aspecto tático. Também vi. O melhor exemplo foi o Diego Renan, que mudou seu comportamento de acordo com as circunstâncias do jogo, sem ficar perdido na marcação o tempo todo. Na frente, teve lampejos do lateral voluntarioso de 2009 e isso é sinal de melhora. Tecnicamente, entretanto, há peças rendendo bem abaixo. Gilberto e até o mesmo o Paraná, que não jogou mal, mas já foi bem mais preciso. Ambos têm crédito. É torcer para que se recuperem. Com o Tiago Ribeiro bem, o time também fica menos previsível. Quanto ao Pedro Ken, jogou dentro da sua limitação e achou um gol. Cumpriu o que o jogo exigia naquele momento. Talvez, fosse eu o treinador, tivesse colocado o Bernardo, no ímpeto de decidir o jogo. Antes que me chamem de teleguiado, não estava ouvindo Itatiaia. Mas não vaiei, porque também pensei na hora que o time estava começando a perder o meio e o Ken também seria bom para fechar e liberar mais os laterais. O Jonathan quase fez o 3º depois. Vida de treinador é dura mesmo. E diversas vezes Adilson faz susbstituições aparentemente improváveis que dão certo. De qualquer forma, tendo acompanhado todos os jogos do ano, Ken deve seguir reserva. Ao menos por ora.
  • Celeste Campos, no PHD: Pontos positivos: A garra do TR e o fato de o ABap ter acertado a marcação. Sumiu aquela avenida nas costas dos laterais. Gilberto começou mal, mas começou a se acertar a partir dos 30 do 1º tempo. Está faltando ritmo aele. Mais uma vez, o técnico fez uma substituição e o jogador que entrou marcou um gol. Quem gosta de números poderia nos informar quantas vezes isto aconteceu na Era Adilson. Pontos negativos: O time parecia nervoso e errou muitos passes.
  • Cláudio Xina Lemos, no PHD: O Cruzeiro esteve muito bem postado. Jonatham mostrou que aprendeu com o erro contra o Colo Colo, deu chutão espanou. Thiago Heleno esteve muito bem. DR melhorou muito. Fabinho não foi bem: lento, cometeu faltas imprudentes, não rodou com os outros volantes, mas pela instabilidade que passava o time foi importante por dar mais segurança à defesa. MP abaixo do que pode jogar, assim como Gilberto e WP. Henrique e Thiago Ribeiro estiveram muito bem. O melhor do jogo a música da TFC e a entrevista do Adílson. Os piores foram o Sobrinho, o Frede e o Charles cornetando o tempo inteiro, inclusive vaiando a entrada do Pedro Who.
  • Naldo Morato, no PHD: Excelente vitória que nos deixa na briga pela classificação. Fizemos o dever de casa. A volta do Fabrício tambem é algo a ser comemorado. Quanto ao jogo em si, não gostei. Não houve malemolência, nem falta de garra, mas o time está deixando a desejar. O 4-4-2 inicial tinha os jogadores certos, pois Roger e Kleber não podiam atuar. Mas o time pecou na criação e principalmete nas finalizações. WP não acertou nada e o TR , que parecia nervoso, irritado, só melhorou no final do 2º tempo. Até então, de proveitoso só a cobrança de escanteio que redundou em gol. Fábio esteve muito bem, a zaga espanou tudo a que tinha direito e os laterais tiveram boa atuação, principalmente o Jonathan, que apoiou com eficiência o tempo todo e criou boas oportunidades desperdiçadas pelos homensde ataque. Diego Renan ficou mais contido, mas apareceu com certo perigo no ataque, até perdendo gol. Os volantes tiveram atuações corretas. MP ainda não está rendendo o que pode, mas não comprometeu e Fabinho foi o melhor dos três. Gilberto ainda tá longe de ser o de 2009 e com isto o time perde criatividade. O ataque sentiu a falta do Kleber. TR corre muito luta, batalha, mas definitivamente o gol não é o seu forte e o WP, que eu quase não vi em campo estava em uma noita pra ser esquecida. Torci pelas entradas de Bernardo e Eliandro, mas o Adilson optou pelo Pedro Ken e acabou tendo sorte já que ele fez o 2º gol. Eliandro entrou no finalzinho só pra ganhar tempo na sbstituição. O Deportivo Itália, fez o seu papel. Atrapalhou o Cruzeiro o quanto pôde, mas falhou coletivamente no 1º gol, e por ser limitado tecnicamente acabou batido merecidamente.
  • Walfrido Jr., no PHD: Não gostei do juiz. Ele não cometeu erro crucial, mas foi aquele juizinho chato que me incomoda. Os bandeiras, sim, foram ruins. Menos mal que os pequenos erros não embaçaram a vitória merecida do Cruzeiro, mesmo sem o futebol vistoso que a gente ainda espera em 2010.
  • Trovão Azul, no PHD: Eu vi manifestações contra o AB serem imediatamente abafadas por gritos pró-Adilson nas arquibancadas, logo atrás do banco de reservas celeste. Deu até um princípio de confusão, chamando a atenção de todos. Mas quem riu por último foi o treinador, cuja estrela brilhou de novo com o gol do Ken. O que eu vi foi um Gilberto que não divide mais as bolas, e um meio de campo que insistiu em trocar passes laterais ou para trás, bem ao estilo Zinho / Ricardinho, fazendo a torcida pensar que o 1×0 estava de bom tamanho. Mas era ainda o início do 1º tempo, e o relógio não andava… Pra mim os mehores foram TR e Henrique.

Vídeos

Melhores momentos

Transmissão

  • PPV
  • GloboMG

Fontes

Observações

Na súmula indica 2 jogadores do Deportivo Itália com o mesmo número de camisa 1 e 10.