Cruzeiro 1x0 Internacional - 08/09/2010

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Palmeiras.png 2x3 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Avaí.png 1x2 Escudo Cruzeiro.png
Por Campeonato Brasileiro
Escudo Palmeiras.png 2x3 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Avaí.png 1x2 Escudo Cruzeiro.png
No estádio Parque do Sabiá
Escudo Cruzeiro.png 1x0 Escudo Flamengo.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 1x0 Escudo Fluminense.png
Contra Internacional
Escudo Internacional.png 1x2 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Internacional.png 3x2 Escudo Cruzeiro.png

[edit]

Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
1 × 0 Escudo Internacional.png
Internacional
20º Rodada do Campeonato Brasileiro 2010
Data: 8 de setembro de 2010 Local: Uberlândia, MG
Horário: 19:30 Estádio: Parque do Sabiá
Árbitro: Nielson Dias (PE) Público pagante: 13.677
Assistente 1: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (FIFA/BA) Público presente: Não disponível
Assistente 2: Marrubson Melo Freitas (DF) Renda: R$ 347.028,00 R$ 347.028
Cr$ 347.028
NCr$ 347.028
Cz$ 347.028
NCz$ 347.028
(preço médio: R$ 25,37 )
Súmula: Súmula Borderô
Escalações
Cruzeiro: Internacional:
1. Fábio 1. Renan
2. Jonathan 2. Bolívar Cartão amarelo recebido aos 40  (2T) 40'  (2T)  
3. Gil 3. Sorondo
4. Léo 4. Nei
5. Marquinhos Paraná 5. Guiñazu Cartão amarelo recebido aos 21  (1T) 21'  (1T)  
6. Diego Renan 6. Kléber
7. Everton Gol aos 14 do  (1T) 14'  (1T) Cartão amarelo recebido aos 42  (1T) 42'  (1T)   Substituição realizada 41' 2T de jogo 41' 2T ( 14. Fabinho Alves ) 7. Tinga
8. Henrique 8. Wilson Mathias Cartão amarelo recebido aos 40  (1T) 40'  (1T)   Substituição realizada 37'(2T) de jogo 37'(2T) ( 18. Everton )
9. Farías Substituição realizada 32' 2T de jogo 32' 2T ( 18. Wallyson Cartão amarelo recebido aos 46  (2T) 46'  (2T)   ) 9. Leandro Damião
10. Roger Substituição realizada 31' 2T de jogo 31' 2T ( 16. Pablo ) 10. Giuliano
11. Thiago Ribeiro 11. Rafael Sóbis Cartão amarelo recebido aos 39  (1T) 39'  (1T)   Substituição realizada Intervalo de jogo Intervalo ( 16. Marquinhos Substituição realizada 32' 2T de jogo 32' 2T ( 17. Andrezinho ) )
Técnico: Cuca Técnico: Celso Roth
Reservas que não entraram na partida
Cruzeiro: Internacional:
12. Rafael 12. Abbondanzieri
13. Pedro Ken 13. Glaydson
15. Rômulo 14. Ronaldo Alves
17. Wellington 15. Leonardo


Pré-Jogo

Em 6º lugar com com 31 pontos e oito vitórias, o Cruzeiro sobe duas a três posições se vencer. Perdendo, fica onde está.

Cuca não contará com Edcarlos, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, Caçapa, Fabrício, Robert, Wellington Paulista e Montillo, lesionados.

Em 4º lugar com os mesmos 31 pontos e uma vitória a mais, o Inter sobe para 3º em caso de vitória. se perder, despenca uma ou duas posiçòes.

Celso Roth não contará com Índio, suspenso, Alecsandro, lesionado, e D’alessandro, servindo à seleção argentina.

Como foi

Primeiro Tempo

  • 1'- Começa a partida
  • 2'- Thiago Ribeiro tenta um passe com Marquinhos Paraná na direita do campo de ataque. Kléber chega antes na marcação e protege até que a bola saia em linha de fundo
  • 3'- Henrique parte para cima da marcação de Guiñazu pela direita e é derrubado com falta
  • 4'- Marquinhos Paraná domina no meio de campo e é cercado por Nei. Ele recua e recomeça o jogo com Fábio
  • 5'- O Cruzeiro consegue ter a posse de bola neste começo de partida
  • 6'- O Cruzeiro marca a saída de bola do Internacional
  • 7'- Henrique domina pelo meio de campo mas é muito marcado. Ele começa o jogo com Fábio
  • 8'- Roger é parado com falta por Guiñazu na intermediária de ataque
  • 9'- PARA FORA!!! Thiago Ribeiro carrega a bola pela direita e cruza no primeiro poste. Everton mergulha de peixinho e cabeceia acima do travessão, muito perto da meta
  • 10' - Thiago Ribeiro avança pela direita e sofre falta de Tinga. Roger na bola para o levantamento para a grande área
  • 11' - Fábio recebe bola na fogueira e é pressionado por Rafael Sóbis. Ele tem de estourar para a lateral do campo
  • 12' - O Internacional se fecha no campo de defesa e espera o erro do Cruzeiro para sair nos contragolpes
  • 13' - Leandro Damião é lançado nas costas da defesa, mas o assistente assinala impedimento
  • 14' - GOL DO CRUZEIRO!!! Jonathan descola um grande passe no segundo pau e Everton aparece sozinho, nas costas da defesa para empurrar para as redes, sem chance de defesa para Renan
  • 15' - Thiago Ribeiro parte para cima de três marcadores, mas é desarmado
  • 16' - Guiñazu carrega pela intermediária e lança Leandro Damião nas costas da defesa, o atacante nem corre e Fábio fica com a posse da bola
  • 17' - Kléber encara a marcação de Thiago Ribeiro e consegue um chapéu, mas, na entrada da área, Jonathan aparece para afastar o perigo
  • 18' - Diego Renan toma uma sola na grande área de defesa e o árbitro marca a falta
  • 19' - Farías é lançado na esquerda do ataque, mas é parado com falta de Bolívar
  • 20' - Diego Renan perde a posse da bola na intermediária de ataque. Ele corre atrás de Nei e ganha um arremesso lateral
  • 21' - Guiñazu dá uma rasteira em Henrique no meio de campo, cometendo falta. O árbitro mostra o cartão amarelo
  • 22' - O Cruzeiro tem cobrança de escanteio pela esquerda
  • 23' - Diego Renan fica no mano a mano com Giuliano no contragolpe do Inter e tem de cortara para a lateral
  • 24' - Roger dá um toque de calcanhar pra Jonathan na direita do ataque. O lateral não alcança e a defesa do Inter sai jogando
  • 25' - O Cruzeiro continua priorizando a posse de bola no campo de ataque
  • 26' - Thiago Ribeiro aperta a marcação para cima de Kléber e comete falta no campo de ataque
  • 27' - Jonathan é parado com falta de Tinga no meio de campo
  • 28' - Roger é derrubado com falta de Kléber na lateral-direita do ataque
  • 29' - PERDEU!!! Leandro Damião recebe cruzamento na pequena área, mas chega atrasado para finalizar. É a primeira vez que o Inter chega com perigo na partida
  • 30' - Leandro Damião é parado com falta na intermediária de ataque, próximo ao círculo central
  • 31' - A bola é levantada para a grande área do Cruzeiro, mas ninguém aparece para completar e ela sai em tiro de meta
  • 32' - Everton perde a posse da bola no campo de ataque e corre atrás para recuperar. Ele comete falta sobre Giuliano
  • 33' - O Internacional mostra ter mais perna neste momento da partida e busca o campo de ataque
  • 34' - Guinãzu recebe passe na linha de fundo pela esquerda e cruza para a grande área. Léo sobe para desviar em escanteio
  • 35' - Rafael Sóbis ginga na entrada da área e bate para o gol. A bola resvala na marcação e sai em escanteio pela esquerda
  • 36' - Tinga sofre o combate da marcação pela esquerda e é derrubado com falta por Léo
  • 37' - Agora é a vez do Internacional marcar a saída de bola do Cruzeiro
  • 38' - PERDEU!!! Henrique rouba a bola de Sorondo na grande área e ela sobra para Farías. O atacante toca para Everton completar mal para a meta e a defesa do Inter afasta
  • 39' - Rafael Sóbis é amarelado pelo árbitro por falta fora do lance sobre Diego Renan
  • 40' - Diego Renan tenta penetrar na grande área pela esquerda e é parado com uma cotovelada de Wilson Mathias. O árbitro marca a falta e mostra o cartão amarelo
  • 41' - Com a cotovelada, Diego Renan machuca a boca e fica sangrando. Ele é atendido no gramado
  • 42' - Everton mata o contra-ataque do Internacional cometendo falta. O árbitro mostra o cartão amarelo
  • 43' - Rafael Sóbis arranca na disputa de bola contra Jonathan pela esquerda e sente uma fisgada na coxa direita. O lateral do Cruzeiro toca a bola para fora do campo para o atendimento ao jogador
  • 44' - O árbitro dá 1 minuto de acréscimo
  • 45' - Nei cobra o lateral errado pela direita e o árbitro inverte o lance
  • 46' - Final de primeiro tempo

Segundo Tempo

  • 1' - Começa o segundo tempo
  • 2' - O Internacional tem cobrança de escanteio pela direita
  • 3' - O Internacional tem a saída de bola marcada. Nei se complica na direita e cede lateral para o Cruzeiro
  • 4' - Diego Renan é lançado em profundidade pela esquerda, mas não consegue evitar a saída de bola em lateral
  • 5' - Guiñazu briga pela bola no campo de ataque e é desarmado por Roger. O meia tenta sair para o ataque, mas é parado com falta
  • 6' - O Cruzeiro tem cobrança de escanteio pela direita
  • 7' - Diego Renan recebe passe na esquerda da grande área, mas é flagrado em posição de impedimento
  • 8' - O Internacional tenta encontrar espaços pela direita do ataque, mas com lentidão
  • 9' - Thiago Ribeiro tabela com Farías na entrada da área. A devolução do argentino não é boa e Renan sai do gol para ficar com a bola
  • 10' - Henrique toma uma sola de Kléber na lateral-direta do campo de defesa e o árbitro apita a falta
  • 11' - O Cruzeiro joga com mais tranquilidade na segunda etapa e oferece o campo de ataque ao Internacional
  • 12' - Léo ganha a posse da bola pela direita e tenta sair jogando. A marcação chega e afasta em lateral
  • 13' - Jonathan carrega pela direita e cruza fechado na segunda trave. Nei chega antes dos atacantes para afastar em escanteio
  • 14' - Thiago Ribeiro parte para cima da marcação de Sorondo na grande área e tenta o drible. O zagueiro evita o combate e corta para escanteio
  • 15' - Farías completa de cabeça o cruzamento de escanteio no segundo poste, mas a bola chega sem potência às mãos de Renan
  • 16' - Marquinhos tenta passar por Léo na direita do ataque, mas é desarmado. O zagueiro do Cruzeiro estoura para a lateral
  • 17' - Tinga ganha a disputa de bola contra Marquinhos Paraná e bate sem ângulo para o gol. Fábio aparece, debaixo das traves para fazer a defesa
  • 18' - Kléber ganha a posse de bola pela direita do ataque e vira o jogo na grande área com Guiñazu. O volante chega completando de qualquer maneira e isola
  • 19' - Giuliano é lançado por Tinga na direita da grande área. Fábio sai da meta para dar o bote e ficar com a bola
  • 20' - O Internacional se movimenta mais no jogo e ameça o Cruzeiro no campo de ataque
  • 21' - O Internacional tem cobrança de escanteio pela direita
  • 22' - O Cruzeiro fica sem saída no meio de campo e não cria jogadas de ataque
  • 23' - Guiñazu comete falta brusca sobre Roger na direita do ataque. Os jogadores do Cruzeiro pedem um segundo amarelo ao volante, mas o árbitro não mostra
  • 24' - Renan recebe bola na fogueira e corta para a lateral. Por pouco Thiago Ribeiro não intercepta para marcar
  • 25' - Thiago Ribeiro ganha na velocidade da marcação pela direita e Bolívar aparece para fazer o corte em escanteio
  • 26' - Roger cruza na pequena área e Léo entra livre para completar. Ele desvia a bola, mas dá uma de zagueiro. No rebote, a defesa do Inter corta em novo escanteio
  • 27' - O Internacional tem cobrança de escanteio pela direita
  • 28' - A torcida do Cruzeiro começa a cantar no Parque do Sabiá, tentando motivar a equipe
  • 29' - IMPEDIDO!!! Farías lança Thiago Ribeiro nas costas da defesa pela direita e o assistente pega uma posição irregular
  • 30' - FÁBIO!!! Giuliano carrega a bola pela esquerda e bate firme para o gol. o goleiro do Cruzeiro cai no canto direito para espalmar em escanteio
  • 31' - O Cruzeiro mexe. Sai Roger para a entrada de Pablo
  • 32' - Outra mexida no Cruzeiro. Sai Farías para a entrada de Wallyson
  • 32' - Alteração no Inter. Sai Marquinhos para a entrada de Andrezinho
  • 33' - Tinga é lançado na esquerda da grande área e é flagrado em posição de impedimento
  • 34' - O Internacional troca passes no campo de defesa
  • 35' - Wallyson domina pela esquerda e perde a posse da bola. Na sequência, ele comete falta sobre Nei
  • 36' - Tinga é marcado por dois pela esquerda e Marquinhos Paraná consegue cortar em escanteio
  • 37' - Última alteração no Internacional. Sai Wilson Mathias para a entrada de Everton
  • 38' - Wallyson tenta o passe em profundidade com Pablo, mas ele perde a posse da bola
  • 39' - Leandro Damião divide com gila na grande área e desaba. O árbitro não marca nada
  • 40' - Bolívar é amarelado pelo árbitro por reclamação excessiva
  • 41' - O Cruzeiro mexe pela última vez. Sai Everton para a entrada de Fabinho Alves
  • 42' - Thiago Ribeiro pega um rebote de fora da área, mas completa mal para o gol. Renan fica com a bola sem nenhum problema
  • 43' - O árbitro assinala 3 minutos de acréscimo
  • 44' - O Cruzeiro procura prender a bola no campo de ataque para gastar o tempo restante de jogo
  • 45' - Henrique limpa o lance pela direita e penetra na grande área. Ele não toca para ninguém e Guiñazu sai no contra-ataque
  • 46' - Wallyson comete falta sobre Bolívar no campo de ataque e recebe o cartão amarelo
  • 47' - Andrezinho toca para Everton em profundidade na direita da grande área. Gil intercepta e estoura para escanteio
  • 48' - Fim de jogo

Atuações

  • Fábio – Mais uma boa atuação da melhor defesa do campeonato – ao lado de Fluminense e Flamengo – facilitou seu trabalho. Defendeu firme um chute no meio do gol de Leandro Damião e botou pra escanteio um chute de fora da área do Giuliano. A única ressalva, precisa se definir mais rápido quando lhe recuam a bola.
  • Jonathan – A assistência para Franciso Éverton lembrou seus melhores dias de 2009. Muita movimentação caindo pelo meio e subindo pro ataque. Também foi firme na defesa e se deu bem no duelo contra Kléber. Boa partida, mas pode melhorar.
  • Leo Simões – Aos 16’40” do segundo tempo, anotei no meu bloco: “Zagueiro zagueiro”. Jogou muito ontem e, pra mim, foi o melhor em campo. Ganhou todas do ataque colorado. Saindo limpo quando podia e dando bicuda pro mato quando precisava. Vai se confirmando como uma contratação tão importante quanto o Montillo.
  • Gil – Existe uma coisa chamada audição seletiva. Se você está numa festa com muita gente e, no meio da algazarra, alguém diz seu nome, você é capaz de ouvir só o seu nome. Com o Gil, existe a visão seletiva. Nego não vê mais uma grande partida dele – jogando “torto” pela esquerda – e imputa a outros jogadores suas roubadas de bola. Mas quando ele fura num único lance, seu nome brilha no imaginário do torcedor e pronto: dá-lhe tropeiro voando. Se a defesa é a melhor do campeonato, é bom lembrar que o Gil atuou em 17 dos 20 jogos.
  • Diego Renan – O seu jeito de jogar reflete a transição que o próprio time apresenta. É preciso arrumar as coisas lá atrás para depois atacar. Se não é, ofensivamente, o mesmo Diego de 2009; defensivamente também não é. E para o bem. Subiu pouco para não deixar tantos espaços. Teve relativo trabalho com Nei e se saiu bem com a ajuda do Francisco Éverton.
  • Marquinhos Paraná – Outra boa partida. No primeiro tempo, em que o Cruzeiro tomou conta das ações, ficou ali pelo meio rodando, invertendo, desafogando. No segundo tempo, esteve mais preso à frente dos zagueiros e marcou muito bem. Uma observação, abusou dos recuos para Fábio; aos 11 do primeiro tempo já havia recuado a bola 3 vezes para o goleiro.
  • Henrique – Outro que mantém positiva regularidade. Atuando pelo lado direito, não deu muito espaço para Giuliano. Com Éverton em campo, apareceu menos no ataque. Digno de nota, seu vigor físico que o permite jogar quarta e domingo sem as contusões tão comuns em outros jogadores. Não duvido nada que ele jogaria três vezes por semana, se precisasse.
  • Francisco Everton - Pela movimentação no lance do gol, lembrou Ramires. Cruzou uma bola para Farías e esta sobrou para Jonathan. Quando o lateral recebeu, já disparou para área sinalizando onde queria a bola. O chute foi uma homenagem à cena final do clássico Karate Kid: uma finalização à la Daniel San. Correu muito e ajudou a fechar o lado esquerdo celeste. Sua melhor apresentação até aqui. Saiu amarelado para a entrada de Fabinho Alves aos 36 do segundo tempo.
  • Fabinho Alves – Chamou a atenção por conta dos óculos. Entrou pra trancar o time e trancou.
  • Roger Galera – Não confirmou minhas expectativas de que, saindo como titular, poderia atuar no ritmo do jogo anterior. Não foi mal, teve muita vontade, mas não criou muitas jogadas de ataque. Contra o Avaí, terá outra chance de mostrar que não é o jogador para atuar só no segundo tempo, quando o adversário está meio baleado. Saiu cansado para a entrada de Pablo aos 32 do segundo tempo.
  • Pablo – Entrou ligado no jogo para atuar do lado esquerdo quando Éverton dava sinais de cansaço. Não deixou o ritmo cair e deu outra amostra de que será útil ao longo do campeonato.
  • Thiago Ribeiro – Muita movimentação e disponibilidade defensiva. No primeiro tempo, fez boas jogadas pela direita com Jonathan e no segundo teve um impedimento erradamente marcado, em lance que sairia na cara de Renan.
  • Ernesto Farías - Assim como o Roger, não confirmou minhas expectativas, embora não tenha jogado mal. Jogou em pé, ponto pra ele. Não tricotou com o juiz, ponto pra ele. Mas faltou um pouquinho mais de movimentação e talvez tenha sentido a falta de entrosamento porque, jogando quarta e domingo, só dá pra treinar no playstation. Saiu cansado para a entrada de Wallyson.
  • Wallyson – Não teve a costumeira chance cara a cara com o goleiro. Se movimentou na frente, mas quando entrou, o time já estava mais preocupado em garantir a vitória.
  • Cuca – Armou bem o time e não arriscou o esquema de sua preferência colocando o Wellington. Viu o Cruzeiro dominar a bola no primeiro tempo, sem criar tanto, mas sem correr riscos. Com o que tinha em mãos, mexeu bem no time quando percebeu que Roger e Farías estavam esgotados. Trancou o meio com Fabinho Alves e não deixou a vitória escapar. Seu desempenho é uma grata surpresa e digo de coração aberto que ele venceu minha desconfiança.
  • Torcida – Há quem insista em enxer o saco dizendo que o estádio teve bom público nas partidas anteriores por causa das torcidas adversárias. Bando de néscios. Se tem uma coisa que Sete Lagoas nos ensinou é que visita não pode -nem deve- reclamar, nem abrir a geladeira, nem manusear nádegas alheias. Portanto -mais uma vez- parabéns, Uberlândia! Obrigado pelos belos espetáculos e, espero, que voltemos em breve.
  • Juiz & Bandeiras – Bem no quesito disciplinar. O bandeira número um marcou muito mal um impedimento de Thiago Ribeiro. O atacante sairia livre, leve e solto pra marcar. Não houve pênalti de Gil e Leandro Damião.
  • Internacional - Guiñazu, Nei e Kléber foram os meus destaques Os laterais eram as opções em noite apagada de Giuliano. O argentino tem a pegada dos seus compatriotas e é o tipo de jogador que todo mundo queria no time. Tinga bateu até na sombra e Celso Roth surpreendeu tirando um garoto que entrara no intervalo. Acho que o Inter não chega porque, quando a coisa começar a apertar, preocupar-se-á com o Mundial.

O que foi dito

Juca Kfouri, em seu blog: Já no Parque do Sabiá (13.677 pagantes), o Cruzeiro jogou um futebol que foi superior ao do poderoso Inter. Ganhou de 1 a 0, gol conquistado aos 14 minutos, com Everton, um golaço de sem pulo ao receber um cruzamento de trivela. O time azul foi bem melhor no primeiro tempo e mesmo com menos posse de bola, administrou bem a vantagem no segundo. O Colorado não viveu uma noite feliz e perdeu seis pontos para o rival. O Cruzeiro se firma como candidatíssimo.

Marcelo Bechler, no blog do Lédio Carmona: Sem brilho, mas com consistência: Contra o Internacional, Cuca não tinha Montillo. O Colorado não contava com D’Alessandro. A ausência do argentino representa a secura de criatividade no meio-campo das duas equipes. A alternativa era a movimentação e foi assim que o Cruzeiro saiu na frente com Éverton se projetando às costas de Nei e aproveitando brilhante passe de Jonathan. Diante do Inter, Cuca mostrou mais uma vez o que o destaca no início de trabalho em Minas Gerais: a capacidade de anular o adversário. Thiago Ribeiro e Jonathan não deixaram Kléber avançar, Marquinhos Paraná e, especialmente, Henrique desarmavam com precisão e tiraram Tinga e Giuliano do jogo. A primeira falta da equipe mineira foi cometida aos 30 minutos e o Colorado finalizou apenas uma vez no primeiro tempo. Nos 20 minutos finais do jogo, o Inter ganhou mais posse de bola, Giuliano recuava para buscar o jogo e Tinga se projetava mais. Mesmo assim, o time gaúcho quase não ofereceu perigo. Poderia ter chegado ao empate no pênalti de Gil sobre Leandro Damião, não marcado pelo árbitro – que deixou de expulsar Guiñazu, minutos antes. Ao Cruzeiro faltou mais força nos contragolpes para definir a partida. O time de Cuca venceu sete vezes, seis por um gol de diferença. Com muitos empates e poucos gols de saldo, os mineiros sempre estarão em desvantagem em critérios de desempates, a continuar assim. A partida é a primeira derrota contundente de Celso Roth no Internacional que administrou o 2×1 diante do São Paulo e atuou com o time reserva no 3×0 aplicado pelo Fluminense. A equipe gaúcha tem condições de brigar na parte de cima enquanto quiser pensar em campeonato brasileiro. O Cruzeiro chega a quarta vitória em cinco jogos. A arrancada mineira tem a cara do time: consistente. É essa regularidade, aliada ao brilho que Montillo oferece a equipe, que dá a ideia que a Raposa pode ainda sonhar alto no campeonato.

Mário Marcos, em seu blog: Inter leva gol no início e perde em Minas: Celso Roth tem razão em um ponto: o Cruzeiro teve uma chance, logo aos 14 minutos, fez o gol e garantiu a vitória de 1 a 0, apesar das tentativas do Inter. Mas erra em outro. Seu time não foi tão superior assim como ele deu a entender nas entrevistas. Para quem se habituou a ver o Inter ter o controle da bola, trocar passes e dominar muitos dos adversários no Brasileirão, a atuação desta noite, em Uberlândia foi uma decepção. No primeiro tempo, o Cruzeiro jogou sempre com maior velocidade, tirou proveito de alguns vacilos da defesa do Inter (em um deles, Everton marcou o gol) e por pouco não ampliou. No segundo, o Inter voltou com Marquinhos em lugar de Sobis (C, na foto), que sentiu dor muscular. Marquinhos ficou apenas 33 minutos em campo. Roth desistiu dele e fez Andrezinho entrar em campo. O Inter melhorou bastante, passou a dominar, teve um lance em que reclamou pênalti (o zagueiro acertou Damião), mas nunca atacou com a força necessária. Foram poucas chances para um time que precisava do empate. A derrota, combinada com a vitória do Fluminense sobre o Ceará, volta a afastar o Inter 10 pontos da liderança. Mais: foi ultrapassado pelo próprio Cruzeiro e saiu do grupo dos quatro primeiros. Terá de buscar a recuperação contra o Goiás, em Porto Alegre - provavelmente já com o argentino D’Alessandro, liberado da seleção.

Mário Marra, em seu blog: O Cruzeiro chegou: Mais que os resultados, o Cruzeiro tem mostrado evolução técnica. Em campo, o time mostra várias características dos últimos três campeonatos com Adilson e Cuca, atual treinador, parece ter assimilado o estilo e compreendido o potencial da equipe. Os resultados obtidos contra os atuais líderes e candidatos mostram que o torcedor pode sonhar com algo mais. O Cruzeiro venceu o Corinthians e já conquistou seis pontos em cima do Inter. Contra Santos e Fluminense, um empate e uma derrota. Entretanto, os dois terão que enfrentar o Cruzeiro em casa, no returno. O time tem mostrado um futebol eficiente. Montillo assumiu a função de organizar, acelerar o jogo e alimentar o ataque. O mais interessante é que o time cresceu exatamente no momento em que os times começam a tropeçar mais. A sequência de jogos no meio e nos finais de semana desgasta o elenco e exige mais dos atletas. O Fluminense derrapou, o Corinthians também e o Cruzeiro, surpreendentemente melhorou o desempenho. A sequência de jogos ainda persiste, mas as vitórias obtidas garantem o time na briga por algo de bom. Baseado nos últimos jogos e na consistência que a equipe tem mostrado, o Cruzeiro está na briga pelo título.

Wianey Carlet, em seu blog: Para ser bi-mundial, Inter precisa crescer: Perder para o Cruzeiro jogando mal pode ter sido, apenas, um episódio isolado a ser encarado com naturalidade. Entretanto, o rendimento do time colorado, sem D´Alessandro e Sandro, diminuiu o tamanho do Inter. O argentino está voltando da seleção do seu país, este problema está resolvido. Mas a saída de Sandro ainda não está solucionada. Para ser bi-campeão do mundo, o Inter terá que crescer bastante. A derrota para o Cruzeiro sucedeu a vitória apertada contra o Grêmio Prudente. São indícios de que é será preciso acrescentar fermento na massa colorada.

Jonathan, lateral-direito do Cruzeiro: Foi uma atuação para mostrar que queremos o título. A equipe fez um excelente primeiro tempo e soube administrar o resultado na segunda etapa. Temos que seguir esse caminho, pois só assim temos chances de encostar no líder. O campeonato está na metade e ainda temos chances claras de título. Estamos confiantes na campanha que estamos realizando e, se Deus quiser, vamos conseguir um resultado positivo contra o Avaí, no próximo jogo. Fonte: Superesportes

Léo Simões, beque do Cruzeiro: O time hoje foi muito bem, muito compacto, bem defensivamente, bem ofensivamente. Claro que foi passando o jogo, o Inter colocou mais atacantes para forçar mais, e a gente conseguiu manter a mesma postura. O time lutou, guerreou, era contra uma grande equipe, uma equipe em ascensão, de muita qualidade, e conseguiu se postar muito bem em campo, conseguiu neutralizar bem a equipe do Inter. Foram dois ou três chutes de fora da área que o Inter deu. Hoje o time se manteve firme, com a mesma postura até o final. Fonte: Superesportes

Everton, volante do Cruzeiro: Sabíamos que seria difícil. Abrimos o placar no primeiro tempo e depois tivemos várias chances, mas não concluímos. Não levamos gol, temos uma das melhores defesas. Agora é continuar com a mesma pegada para alcançarmos o Fluminense e almejarmos o título. Quando o Jonathan pegou a bola, eu vi que ele ia mandar por trás, me antecipei ao Nei e graças a Deus fiz o gol. Não sabia que estava com o segundo (cartão amarelo). Mas agora quem entrar vai dar seu máximo para conseguirmos outro objetivo, que são mais três pontos. De três em três vamos chegar ao topo. Fonte: Saite Oficial do Cruzeiro

Marquinhos Paraná, volante do Cruzeiro: O importante é que ganhamos e conseguimos segurar o placar. Foram três vitórias por 1 a 0, apertado, mas a equipe marcou muito bem e não passou susto. Apenas nas bolas paradas eles tentaram fazer alguma coisa. Fonte: Superesportes

Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: O objetivo nosso a partir de agora não é só Libertadores, é o título. Conseguimos três vitórias seguidas, que nos embalam no campeonato. Diminuímos bastante a diferença para o Fluminense, que é de apenas sete pontos. Fizemos o nosso dever de casa e jogamos a pressão para cima dos adversários. Fonte: Saite Oficial do Cruzeiro

Cuca, treinador do Cruzeiro: Os adversários foram Corinthians (1 x 0), Vasco (1 x 1), Flamengo (1 x 0), Palmeiras (3 x 2 ) e Internacional (1 x 0). São quatro vitórias em cima de adversários difíceis e todos bem jogados, diga-se de passagem. No primeiro tempo o Cruzeiro fez uma grande partida tática e tecnicamente, dominou o jogo. Teve uma oportunidade com o Everton, que cabeceou na trave, uma outra com o Everton que chutou e o zagueiro tirou em cima da linha e o gol do Everton. E o Inter teve um cruzamento perigoso do lado direito do ataque, a rigor a única oportunidade na primeira etapa. No segundo tempo, o Cruzeiro administrou melhor o resultado, o Inter ofereceu perigo num chute de fora da área que o Fábio pegou e duas cabeçadas que não foram diretas ao gol, enquanto tivemos uma duas ou três ocasiões no contra-ataque, em que podíamos ter finalizado melhor. No meu entender foi justo o placar, pelo que a gente fez. Ressalto que é uma equipe que nem sequer treinou junta. O Gil e o Léo nunca treinaram juntos e fizeram uma grande partida junto com os demais companheiros. Uma equipe madura, que sabia o que queria no campo, marcou bem, se distribuiu bem com a bola e, dentro das dificuldades de última hora com Wellington Paulista e Montillo, jogadores que não vinham sendo utilizados e não tinham condição de 90 minutos, como Farías e Roger, também deram contribuição e nos estamos muito contentes com isso. O Everton, na minha opinião, fez o melhor jogo dele, foi o melhor jogador da partida, tática e tecnicamente, além de ter feito o gol. É um jogador que vinha no banco, às vezes fora do banco e esperou seu momento, bem treinado e deu conta do recado. É isso o que a gente espera do grupo, eu não fico chorando que não tenho esse ou aquele jogador. Temos que ir pouco a pouco. A verdade é que a gente está evoluindo como equipe, como grupo. Estamos comprometidos e amanhã ou depois vem um dia que não vai dar certo. Mas Deus queira que demore e a gente continue com sorte. Fonte: Saite Oficial do Cruzeiro

Bolívar, beque do Internacional: Não podemos entrar em desespero, temos muitas partidas, e as outras equipes também vão tropeçar. Começou o returno, tem mais 18 partidas em jogo. Não podemos entrar em desespero. Precisamos ter tranquilidade, temos outro jogo importante domingo, contra o Goiás, um adversário que vem no desespero. Mas dentro de casa estamos conseguindo bons resultados. Fonte: Globo.com

Tinga, do Internacional: Foi ruim, mas temos condições de continuar brigando pelo título. Não está e nem vai ficar acostumado a perder, tanto que estamos todos revoltados com a derrota. Começamos a jogar no segundo tempo, este foi o pecado. O Cruzeiro teve uma única oportunidade, a do gol, depois com o Damião nós perdemos a chance de empatar. O juiz não deu um pênalti no Damião, são circunstâncias do jogo. Fonte: Globo.com

Rafael Sóbis, do Internacional: Os pontos podem fazer falta. Perdemos também no primeiro turno pra eles. Não fizemos um primeiro tempo bom. Melhoramos no segundo. Só vamos levar daqui um bom segundo tempo. Fonte: Globo.com

Celso Roth, treinador do Internacional: O Marquinhos entrou e demorou um pouquinho para entrar no jogo. Então nós resolvemos ter a alternativa do Andrezinho, colocando o Tinga como um atacante. Depois a entrada do Everton foi a tentativa de colocar o time mais à frente. No final tivemos uma penalidade, mas o juiz ignorou. O Marquinhos é um grande jogador, ele sabe disso. Precisávamos reverter o resultado. Ele não decepcionou. Os meninos, como o Marquinhos e o Oscar, precisam desse aprendizado. Em situações assim precisamos de mais do que a técnica em potencial. São coisas naturais, normais, não se cria desconfiança nenhuma. Fonte: Globo.com

Fernando Carvalho, vice-presidente de futebol do Internacional: No ano passado o Inter terminou o primeiro turno com 37 pontos e o Flamengo com 29. E o Flamengo foi o campeão. Ainda temos chance. Claro que fica mais difícil conforme o campeonato de aproxima do fim. Acho que no primeiro tempo sim, a atuação foi abaixo do esperado. O time ficou muito atrás, perdeu a maioria das divididas. Erramos muitos passes, que não é nossa característica. Na segunda etapa melhoramos bastante. A grande chance da partida foi nossa, como o Leandro Damião. No segundo tempo voltou a ficar parelho. No final teve um lance que eu não posso afirmar, mas acho que foi pênalti. Não vi a repetição e não poderia afirmar, mas acho que foi pênalti. Não é hora de reclamar, mas o árbitro foi mal. Mas vamos seguir trabalhando. Sabíamos que era muito difícil. A derrota fora de casa para um adversário desse nível é previsível. É um time postulante ao título. Não poderíamos ter perdido para o Cruzeiro em casa. Fonte: Globo.com

Links e Fontes

Transmissão

  • PPV