Categoria:Campeonato da Cidade 1935

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar
← Campeonato da Cidade 1934 Logo fmf.png Campeonato da Cidade 1936 →



Campeonato da Cidade 1935, também chamado e reconhecido como Campeonato Mineiro 1935, foi a 21ª edição oficial do principal torneio de Minas Gerais.

Regulamento

  • 3 turnos em pontos corridos (vitória 2 pontos e empate 1 ponto).
  • Sem acesso e rebaixamento, pois não havia Série B.

Histórico

O Campeonato, que contava clubes profissionais filiados a AMF de BH e inscritos no torneio, previa três turnos, sendo o último com todos os jogos disputados na capital. A falta de interesse dos clubes, devido ao distanciamento do Villa Nova na tabela, fez com que a Associação Mineira suprimisse o 3º turno e proclamasse o time de Nova Lima campeão.

Liga não oficial

A FAMA (nova nome da Liga Mineira) continuou filiada a Federação Brasileira de Futebol (entidade criada para dirigir o futebol profissional) e não era reconhecida pela CBD e, consequentemente, pela FIFA.

Experiências fracassadas

A novidade no Campeonato de 1935 foi a inclusão de dois árbitros para dirigir os jogos. Um era responsável por cada parte do campo. A medida não deu certo e foi extinta no returno.

Além disso, a AMF criou o Campeonato da Sub-divisão de Profissionais. Devido a vários problemas como jogos suspensos, recursos solicitando perda de pontos e anulação de jogos, o campeonato foi cancelado e "considerado inexistente".

Rompimento esportivo com Siderúrgica

O Conselho de Julgamentos da AMF anulou a multa de 5 jogadores do Siderúrgica por prática de jogo violento no jogo contra o Atlético, em 7 de abril. Devido a isso, a torcida do Palestra incentivou seus jogadores a violência contra o time da Belgo, no Barro Preto, em 19 de maio: “Podem bater que a AMF, perdoa; abaixo o time do habeas corpus!”.

A reação do clube da Belgo Mineira, no jogo do returno, em Sabará, foi violenta. O árbitro, Dunorte André, foi intimidado pelo comandante da polícia, capitão Corsino, antes do jogo: “Se o senhor apitar bem, apanharei consigo; se atuar mal não me responsabilizarei pelo que suceder”.

No segundo tempo, quando o Siderúrgica vencia por 7 a 3, ocorreu uma invasão de campo e os jogadores do Palestra foram massacrados. A pancadaria não intimidou o time palestrino que, após os ânimos serenados, voltou a campo e diminuiu o placar marcando mais dois gols.

O jornal Estado de Minas relatou que, se houvesse mais tempo, o Cruzeiro viraria o placar. Após o jogo, o Palestra Itália rompeu relações esportivas com o Siderúrgica. O saldo do conflito foi de mais de 20 feridos, entre jogadores, comissão técnica e torcedores.

Fontes