Aniversário do Cruzeiro

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar

Esse artigo registra os textos e vídeos que foram feitos no dia 2 de janeiro em comemoração ao aniversário do Cruzeiro.

88 anos[editar]

Canal radar Celeste na missa de 88 anos

89 anos[editar]

Missa de 89 anos

90 anos[editar]

Vídeos[editar]

Reportagem do Globo Esporte

93 anos[editar]

A Nação Celeste comemora, neste dois de janeiro, os 93 anos de uma trajetória de glórias e alegrias. A grandiosa história do Cruzeiro Esporte Clube nasce através do esforço de imigrantes italianos, em 1921, e ganha sua primeira página heróica imortal, em 1966, com a conquista da Taça Brasil.

O time estrelado é a equipe que faz acontecer o improvável. Aqueles que trazem cinco estrelas no peito não temem seu inimigo, por mais que ele pareça superior. Foi assim na Taça Brasil de 66, diante do Santos de Pelé, time campeão das últimas cinco edições do torneio. O Cruzeiro abriu 5 a 0 no primeiro tempo e venceu o jogo no Mineirão por 6 a 2. Na volta, no Pacaembu, o Santos foi para o intervalo vencendo por 2 a 0, o que obrigaria um jogo-extra, mas o Cruzeiro conseguiu uma grande reação e venceu por 3 a 2, quebrando a hegemonia santista. A verdade, contudo, é que, naquela noite, marcada individualmente por Piazza, Pelé não viu a cor da bola e os novos reis do futebol brasileiro vestiam azul.

Se o Brasil foi tomado pela cor celeste naquele ano, em 1976, foi a vez da América se curvar diante do talento Piazza e companhia. O Cruzeiro venceu pela primeira vez a Taça Libertadores, contando com a astúcia de Joãozinho em cobrança de falta em plena final. Esse título trouxe reconhecimento internacional ao time estrelado e o manto cruzeirense passou a ser respeitado em todo continente.

Esses foram os primeiros grandes feitos de um clube que acumula conquista ao longo de sua história. Por isso, foi considerado pela IFFHS (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol) melhor clube brasileiro do século XX. No entanto, o ápice cruzeirense foi neste século. Em 2003, o Cruzeiro foi triplamente coroado, fato único no país até hoje, com os triunfos no Campeonato Mineiro e Brasileiro e na Copa do Brasil.

A última página vitoriosa dessa trajetória foi escrita recentemente. O Cruzeiro sobrou no Brasileirão de 2013 e conquistou mais esse título de forma magnífica. O único campeão a vencer todos os outros times, o melhor ataque, o melhor mandante, o melhor visitante… o melhor indiscutivelmente. O Campeonato Brasileiro deste ano ganhou mais brilho com a genialidade de Éverton Ribeiro e as defesas do capitão Fábio.

Entretanto, o maior patrimônio do Cruzeirense é seus mais de oito milhões de torcedores. A torcida celeste é apaixonada, vibrante, guerreira e o principal componente para fazer desse clube um legítimo campeão. Os loucos cruzeirenses formam uma verdadeira nação acostumada a vencer, que não mede esforços para apoiar seu time e está sempre sedenta por vitórias.

Esses foram os 93 capítulos iniciais de uma história construída pelos guerreiros que se cobrem com o manto celeste e por aqueles que carregam cinco estrelas no peito com muito amor. Esse é Cruzeiro Esporte Clube, um time que nasceu para estar sempre no topo.


“Quem conhece tua história

De conquistas e vitórias

Nunca mais te esquecerá ! “

Fonte: azulguerreiras.com.br [1]

Vídeos[editar]

Feito pelo canal StudioSomos2
Missa dos 93 anos

94 anos[editar]

Então, hoje é aniversário do Cruzeiro e eu poderia fazer um texto falando dos 94 anos. Poderia falar de Piazza, Tostão e Zé Carlos, pra ser histórica. Poderia falar de Alex para ser inesquecível. Poderia falar de Everton e Goulart pra ser contemporânea. Poderia falar de títulos, de torcida, de presidente, do que fosse. Mas hoje não. Hoje eu vou falar de mim. Vou esquecer-me desses seus tantos anos e focar nos meus 21.

Pois é, o texto de hoje é sobre aquela garotinha, que mesmo antes de saber construir uma frase, sabia cantar seu hino de trás pra frente. Que não sabia nem contar até 10, mas já tinha 5 estrelas cravadas do lado esquerdo do peito. Que enquanto os coleguinhas aprendiam a cantar atirei o pau no gato, cantava “ô meu pai eu sou Cruzeiro meu pai” e não sabia se cantava era para o pai da terra ou para o papai do céu. E ainda assim cantava, mesmo sabendo que ambos os pais já tinham plena certeza daquele amor.

Aquela menininha, que ainda na creche disse pra professora que ia ao médico, pra poder chegar mais cedo em casa porque era dia de final de libertadores. Acho que foi a primeira vez que eu menti, e menti por amor. Sem saber o que era amor eu já te amava. Aquela menininha que cantava o dia inteiro para o “Palinha artilheiro fazer um gol pra torcida do Cruzeiro”, que tinha camisa, carteirinha, diploma, broche e alma de torcedora. Que comemorou o aniversário não com as princesas, mas com seu manto. O piu piu ali era só um detalhe (pra minha mãe não infartar).

A que se desesperou quando o irmão mais velho (atleticano, coitado) cortou uma camisa surrada e muito amada. Chorei, gritei, achei que ia morrer. Meu coração parecia ter sido cortado junto com aquela camisa. E talvez aí eu tenha entendido que sua camisa, por mais linda e sagrada que seja ainda é uma camisa, que meu verdadeiro manto eu carrego na alma.

E a menininha foi crescendo, junto com um amor que é maior que o mundo. Que muitos não compreendiam e achavam que era fase ou tentavam me convencer ser errado.


“Larga isso, futebol não é coisa de menina.”

“Você deveria se preocupar com coisas mais importantes.”


Crescendo e aprendendo que amar dói. Quantas vezes eu amarguei derrotas e senti meu peito apertar? Quantas vezes senti uma dor que era de milhões e ainda assim era só minha? E nesses momentos meu amor se fez mais forte. Porque não importava a dor, eu sempre estive certa de nunca te abandonar.

Aprendendo também a te conhecer e a me orgulhar cada dia mais. Do seu passado, do seu presente, das suas conquistas, da maneira inigualável como você se fez gigante. De como apesar de todas as mentiras e todos os argumentos, sua imagem sempre resplandece, para desespero dos seus tantos rivais, que tentam em vão tocar seus pés.

O tempo foi passando, e nada da “fase” passar. Eu sabia mais sobre você do que sobre mim, ainda que como mera torcedora. E eu queria que o mundo soubesse desse amor. Me orgulhei todas as vezes em que vesti suas cores, que me prendi a seu manto, que gritei seu nome, que te fiz minha vida e te vivi.

Quantas promessas eu já fiz? Quantas vezes subi as escadas de minha casa de joelhos? Quantas velas já acendi e quantos terços já rezei ajoelhada em frente à tv? Isso sem contar o tempo em que meu cabelo vai ficar sem ver tesoura, porque as juras que não fiz para o vestibular foram todas feitas por você.

Hoje eu tenho a honra de lhe dedicar minhas humildes palavras, que nunca serão suficientes para definir esse amor, mesmo que eu despejasse aqui todos os dicionários de todas as línguas do planeta.

A menininha que cantava seu hino num idioma confuso cresceu. E hoje não sabe definir quem é sem ao menos te citar. Todo mundo que conhece ela reconhece esse amor, ainda que não compreenda. Todas as relações dela em um momento ou outro passam por você. Ela te vive todos os dias, pelo menos uma vez. Tem gente que nem sabe quem ela é, mas sabe que ela tem por você um amor que ultrapassa os limites do próprio amor.

Então hoje, eu não vou falar dos seus 94 anos. Eles todo mundo conhece, eles são eternos, estão gravados em páginas heroicas e imortais. Vou falar de mim, do meu amor. Dos 21 anos de conquistas e vitórias, de alegrias e de (poucas) tristezas que desenham a maior história de amor da minha vida. Porque se não fosse o Cruzeiro, eu não seria eu. E por isso, até hoje eu repito que eu sou Cruzeiro meu Pai e faço do seu hino minha oração. Por isso, não só hoje, todos os dias eu te parabenizo, não por uma história, mas pelas milhares de histórias que você ajuda a construir e que te fazem ser cada vez tão combatido e jamais vencido.

Parabéns Cruzeiro! #Cruzeiro94Anos

Fonte: cruzeironews.com.br [2]

Vídeos[editar]

Feito pelo canal Nação 5 Estrelas
Feito pelo canal CruzeiroTeca

97 anos[editar]

Vídeos[editar]

Homenagem de A a Z pelo Canal Cruzeiroteca

99 anos[editar]

  • Torcedores do Cruzeiro realizaram uma vígilia pelos 99 anos do clube em frente ao clube esportivo do Barro Preto[3][4].

Vídeos[editar]

Vídeo dos 99 anos

Referências[editar]