América-MG 1x2 Cruzeiro - 14/08/1965

De CruzeiroPédia .:. A História do Cruzeiro Esporte Clube
Ir para navegação Ir para pesquisar


Confrontos
(clique no jogo para navegar)
Por temporada
Escudo Cruzeiro.png 2x2 Escudo Villa Nova-MG.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 3x1 Escudo Villa Nova-MG.png
Por Campeonato Mineiro
Escudo Cruzeiro.png 2x2 Escudo Villa Nova-MG.png Gol aos do Escudo Guarani-MG.png 0x1 Escudo Cruzeiro.png
No estádio Independência
Escudo Cruzeiro.png 2x2 Escudo Villa Nova-MG.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 4x1 Escudo Valeriodoce.png
Contra América-MG
Escudo América-MG.png 1x0 Escudo Cruzeiro.png Gol aos do Escudo Cruzeiro.png 3x2 Escudo América-MG.png

[edit]

Escudo América-MG.png
América-MG
1 × 2 Escudo Cruzeiro.png
Cruzeiro
6ª rodada Campeonato Mineiro
Data: 14 de agosto de 1965 Local: Belo Horizonte, MG
Horário: 16h Estádio: Independência
Árbitro: Juan de la Pasión Artés Público pagante: Não disponível
Assistente 1: Geraldo Toledo Público presente: Não disponível
Assistente 2: João Miguel Andere Renda: Cr$ 9.312.500,00 R$ 9.312.500
Cr$ 9.312.500
NCr$ 9.312.500
Cz$ 9.312.500
NCz$ 9.312.500
Súmula: Não disponível
Escalações
América-MG: Cruzeiro:
1. Capellani 1. Tonho
2. Luizinho 2. Pedro Paulo
3. Jorge 3. William
4. Caiallaux 4. Vavá Cartão vermelho recebido aos 40  (2T) 40'  (2T)  
5. Murilo 5. Neco
6. Eduardo 6. Wilson Piazza
7. Ney 7. Dirceu Lopes Gol aos 5 do  (2T) 5'  (2T)
8. Geraldo 8. Wilson Almeida Gol aos 33 do  (1T) 33'  (1T)
9. Jair Bala Gol aos 42 do  (2T) 42'  (2T) 9. Batista
10. Mosquito 10. Tostão
11. Nilo 11. Dalmar
Técnico: Mário Pereira Técnico: Airton Moreira
Reservas que não entraram na partida
América-MG: Cruzeiro:

Sobre o jogo

Após dois empates consecutivos, acendeu-se o sinal de alerta no Barro Preto. Durante a semana, Felício Brandi, Carmine Furletti e Aírton Moreira revezaram-se nas preleções exigindo garra e decisão aos jogadores. Só jogar bonito não estava resolvendo. Outro empate desmotivaria a torcida. E uma derrota faria o América disparar na liderança.

O time celeste entrou em campo ligado. O tripé Piazza-Dirceu-Tostão tomou conta da partida. Defendeu, armou e atacou sem diminuir o ritmo um minuto sequer. Com seu estilo bruto, o veterano Vavá comandou a defesa. Ele precisava se redimir de atuações fracas que levaram sócios e torcedores a pedir sua saída do time num abaixo-assinado enviado à diretoria, com 500 assinaturas.

Batista, juvenil recém promovido, apavorou a dupla Jorge & Caiallaux. O Cruzeiro deu um baile no invicto América. O primeiro gol surgiu aos 33 do 1º tempo. Neco desarmou Geraldo e passou a bola a Wilson Almeida. Da entrada da área, o ponteiro acertou uma bomba de pé direito. Aos 5 do 2º tempo, Piazza desfez um ataque do América e passou com precisão a Dirceu Lopes. Da intermediária, o Baixinho chutou de curva acertando o ângulo, sem chance pra Capellani.

Tranqüilo, o Cruzeiro cadenciou o jogo impedindo que o rival tivesse posse da bola. Mas como a maré não estava nada favorável para Vavá, aos 40, ele desviou com a mão um chute de Geraldo. Pênalti. O zagueiro alegou toque involuntário. Foi expulso. Jair Bala converteu. O América passou os últimos 5 minutos dentro da área do Cruzeiro. Aos 45, uma bola bateu na trave, na risca e… Saiu! Sorte!

Comovida com o poder de recuperação da equipe, a diretoria abriu a mão e pagou Cr$100 mil de bicho a cada jogador. Poderia ter sido melhor se a liderança não tivesse caído no colo do Atlético. Menos mal que, 24 horas depois, os emplumados perderam de 3×1 para o Siderúrgica e desperdiçaram o presente ganho na véspera.